Os Anéis de Poder resgatam todo o épico de O Senhor dos Anéis

31
1

Fascinante e misteriosa, Galadriel é uma das personagens que define a essência de O Senhor dos Anéis. O próprio JRR Tolkien trata da personagem como uma mãe acolhedora que conforta e cura, ao mesmo tempo que é uma guerreira, uma valquíria bélica e orgulhosa. Modelada pela figura cristã/católica de Maria e pela figura pagã da Rainha das Fadas, a personagem foi criada como uma penitente, em sua juventude, uma líder na rebelião contra Morgoth e que no final da Primeira Era, orgulhosamente recusou retornar aos Reinos Abençoados.

Em Os Anéis de Poder (The Rings of Power), desenvolvida para a Amazon Prime Video por JD Payne e Patrick McKay, Galadriel ganha um papel de destaque numa história que se passa durante a Segunda Era da Terra Média. Ou seja, muito antes dos eventos narrados em O Hobbit e O Senhor dos Anéis.

Trailer

Ao avaliar a fidelidade da série ao universo criado por Tolkien , devemos considerar como os roteiros foram escritos. Refazer o que foi narrado por Peter Jackson nas trilogias O Senhor dos Anéis e O Hobbit não faria sentido, e assim a Amazon incentivou seus roteiristas a explorar novos territórios. A fim de recriar a Segunda Era focaram nos apêndices de O Senhor dos Anéis e outros materiais dispersos, mas sempre sob o olhar atento dos herdeiros de Tolkien, com direito de veto e autorizados a proteger os direitos autorais da bibliografia do escritor.

Que a Amazon tenha comprado esses direitos de adaptação por valores milionários dá uma ideia da grandeza desse mundo que Payne e McKay nos propõem . Uma grandeza que se traduz numa direção artística fabulosa, nunca vista na televisão, e em cenas maravilhosas.

No entanto, a expectativa levantada pela série possui uma desvantagem. Pelas polêmicas em um momento marcado pela polarização, Os Anéis do Poder ficou dividido entre a sacralização de Tolkien e o viés político antes mesmo que o primeiro capítulo fosse lançado.

Mas se alguém leu Tolkien com alguma moderação, verá que a série trabalhou bem, até mesmo a diversidade étnica no elenco. De fato, o porto-riquenho Ismael Cruz Cordova faz do elfo Arondir um dos personagens mais notáveis ​​da série. Atriz britânica-iraniana Nazanin Boniadi (Bronwyn) e atriz inglesa Cynthia Addai-Robinson (Míriel, Rainha Regente de Númenor) estão maravilhosas.

Nem é preciso justificar o poder das figuras femininas que aparecem na série. Basta seguir o próprio Tolkien e conhecer as mulheres admiráveis ​​que aparecem em suas obras.

Em última análise, essa polarização induzida obviamente beneficia aqueles que vivem isolados na vaidade das redes sociais, convencidos de que apenas a barbárie existe do outro lado do ringue.

Outra preocupação com a obra de Tolkien é o equilíbrio entre o conteúdo original e o conteúdo canônico (ou seja, idealizado pelo escritor). É significativo que essa preocupação não se manifeste com a mesma intensidade em outros casos, principalmente se levarmos em conta que a grande maioria do cinema hollywoodiano é baseado em romances e peças de teatro.

Do meu ponto de vista, Anéis do Poder é respeitoso com Tolkien , mesmo em detalhes que remetem ao catolicismo do autor. E tudo o que criou é mais atencioso com a Terra-média do que certas emanações humorísticas e digitais de Peter Jackson em O Hobbit . Em outras palavras: se o cânone literário não mudasse ao passar pelo filtro audiovisual, não poderíamos aproveitar muito do cinema feito até agora.

Análise capítulo por capítulo

Os dois primeiros capítulos, esplendidamente dirigidos por Juan Antonio Bayona , são espetaculares, o cenário, a direção de arte, a maquiagem, os figurinos… . É verdade que algumas tramas são mais interessantes que outras, mas esse aparente desequilíbrio vai sendo corrigido à medida que entendemos melhor as motivações de cada personagem. O tempo , às vezes mais relaxado, combina com o tom que caracteriza muitas passagens de Tolkien .

A partir do terceiro capítulo, a equipe criativa muda e é liderada pelo britânico Wayne Che Yip , mas o nível cinematográfico não diminui que mais uma vez mostra seu enorme orçamento para continuar delineando a luta pelo domínio na Terra-média, nos apresentando a deslumbrante Númenor, a luta pelas Terras do Sul e a migração dos pés-peludos, agora com um personagem enigmático.

A ênfase em ‘A Grande Onda‘, aborde o lema que em ‘Game of Thrones’ era ” O inverno está chegando “, aqui podemos colocar (O retorno de) Sauron está chegando. Do fato de que apenas Galadriel ( Morfydd Clark ) está convencida de seu retorno, passamos para mais personagens convencidos disso. E a forma de mostrar isso é especialmente memorável. Temos vária frentes narrativas, com a dinâmica envolvente de Galadriel e Halbrand em Numenor, a amizade do elfo Elrond com o anão Durin e o surgimento de Adar nas Terras do Sul. Em suma, um episódio com luzes e sombras que promete ser o início do fim para a componente mais puramente introdutória da série.

Com seu quinto episódio, “Separações”, a ambiciosa produção ultrapassa a metade narrativa de sua primeira temporada, aquece o cenário distribuindo as peças em um tabuleiro onde, mais cedo ou mais tarde, começará a chover espadas , flechas e litros de sangue — de preferência orc.

Mais uma vez, o diretor Wayne Che Yip está no comando de um capítulo que não descura nenhuma das tramas abertas, que volta a brilhar especialmente em seu enorme compromisso formal com a obra original e com uma Galadriel incrível. Temos a migração dos Pés-Peludos e a presença do Estranho, a trama do mithrill e os problemas na torre de Ostirith, reduto dos humanos que se entrincheiraram para sobreviver à invasão das Terras do Sul.

No sexto episódio, “Udûn”, a diretora franco-sueca Charlotte Brändström assume o controle por trás das câmeras , lidando perfeitamente com alguns dos momentos mais épicos da temporada, a batalha do exército de Adar contra os humanos das Terras do Sul.

A forma de estruturar o confronto foi um sucesso, pois a dinâmica da batalha sofre várias flutuações, desde a aparente vitória inicial dos habitantes das Terras do Sul até a chegada salvadora do exército de Númenor quando tudo parecia perdido.

Mas a emoção e o espetáculo no campo de batalha não foram a melhor parte do episódio, mas os diálogos entre os personagens (Isildur e seu pai, Galadriel e Adar). Em suma, a execução do plano de Adar quando tudo parecia perdido é o momento estrela do episódio, surpreendente e assustador.

O sétimo episódio traz os resultados de uma grande erupção, o encontro nefasto dos Pés Peludos com misteriosas personagens e Khazâd-dum. A reta final do episódio nos leva a situações do próximo e último episódio: os peludos vão em busca do Estranho; humanos se deslocam para a foz do Anduin; a frota númenoriana volta para casa, com a rainha jurando vingança; Adar sendo aclamado como senhor do recém-batizado Mordor e… o despertar do balrog das profundezas das minas de Moria.

O ultimo episódio, “Aliados”, tem grandes revelações e que acabou de plantar as sementes para o que está por vir na Terra-média. A descoberta da identidade de Sauron e do Estranho são reveladas e um encerramento de primeira temporada digna de nota.

Em geral, o elenco atinge um nível bastante sólido, com destaque para Clark (Galadriel), Robert Aramayo (Elrond), Owain Arthur (Durin), Cordova (Arondir), Lloyd Owen (Elendil), Markella Kavenagh (Nori) e Charles Edwards (Celebrimbor). É possível que parte do público se sinta decepcionado com a evolução imprevista de alguns deles, mas vale ressaltar a construção de cada um dos personagens dentro da temporada.

É uma série complexa de seguir devido à amplitude de seus mundos e criaturas, visualmente espetacular (embora seu lado digital seja óbvio) e ambicioso onde quer que olhemos. Não sendo tendecioso o roteiro estrutura e combina os diferentes cenários, conflitos e personagens como uma fanfic. Não parece fácil e Tolkien não deixou muito material sobre a chamada Segunda Era, então teremos que contar com o talento dos criadores da série para saber montar a continuidade da próxima temporada. No mais, temos uma boa série de histórias que respeitam o universo original e, ao mesmo tempo, acrescentam-lhe elementos distintivos ou pelo menos inéditos.

Portanto, com as cartas na mesa, O Senhor dos Anéis: Os Anéis do Poder será ladeado por fatores externos, quanto as expectativas, mas pelo menos há elementos marcantes para se ver. Cenas que não foram pensadas para nunca ser visto na tela: o passado da Terra-média em que um Um Anel ainda não existia.

O Senhor dos Anéis - Os Anéis De Poder – Primeira Temporada

O Senhor dos Anéis - Os Anéis De Poder – Primeira Temporada
8 10 0 1
Nota: Excelente 8/10 estrelas
Nota: Excelente 8/10 estrelas
8/10
Total Score iNota: Excelente 8/10 estrelas
Cadorno Teles
WRITTEN BY

Cadorno Teles

Cearense de Amontada, um apaixonado pelo conhecimento, licenciado em Ciências Biológicas e em Física, Historiador de formação, idealizador da Biblioteca Canto do Piririguá. Membro do NALAP e do Conselho Editorial da Kawo Kabiyesile, mestre de RPG em vários sistemas, ler e assiste de tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *