Um Batman inexperiente no cenário cruel de Faces da Morte

43
0

Quando Batman estreou na Detective Comics, lá pelos anos 1930-40, o viés do detetive e suas investigações era a premissa da publicação. Tony S. Daniel no relançamento do Universo DC traz as origens a la Dashiell Hammett de volta ao título que apresentou o homem-morcego a posteridade.

A Panini Comics lançou um encardenado dos primeiros números da Detective Comics com Daniel a frente do título: Batman: Faces da Morte (Detective Comics: Faces of Death). Onde explora os cantos mais perturbados e sombrios de Gotham City para resolver um mistério sobre o misterioso desaparecimento do Coringa, o envolvimento do Mestre dos Bonecos (Dollmaker) e um perigoso esquema envolvendo o Pinguim. São 164 páginas, em mais um capa dura caprichado, com as histórias publicadas originalmente nas edições DC 1-7 New 52.

Antes visto com cautela e dúvida, Tony Daniel conseguiu apresentar um parâmetro que separa o que tinha feito anteriormente com o personagem e com o que fez nessa nova empreitada. A editora norte-americana dá a Daniel a chance de comandar um dos títulos mais célebres da casa, que apresentou diversos personagens, incluindo a lwgião de vilões do Batman. E surpreende com esse arco argumental, trazendo o Batman às origens de detetive, em um roteiro bem melhor desenvolvido, mais ágil, seguro e efetivo, com um desenho no qual reina uma narrativa visual mais atraente, coerente ao que estávamos acostumados, que também conta com a colaboração das cores de Ryan Winn. Considerado um artista mediano, para quem não conhece o trabalho de Daniel, nem poderá fazer essa comparação, pois o cara se superou em muito seus trabalhos anteriores.

Em relação a arte, o Daniel que fez Batman: A Batalha pelo Capuz pode ser esquecido, ois o que fez em Faces da Morte é revolucionário, pela mudança apresentada no traço, nos quadros e no cenário. Em alguns momentos sentimos Frank Miller a frente, e isso fez com que lesse o arco com muito carinho, é uma graphic novel de qualidade.

Um Batman mais jovem e consequentemente com menos experiência, que não compreeende o que acontece com o Coringa e especula com os leitores que tem anos de leitura das HQs do Batman, erros de raciocínio e no combate que o Cavaleiro das Trevas que conhecemos evitaria com facilidade é demonstrado, afrontando os fãs que poderiam explicar detalhadamente o que está ocorrendo para aquele jovem Bruce. A introdução de um Coringa demente, extremamente violento e sanguinário, e a estratégia de apresentar um novo vilão, o tal Criador de Bonecas, que está por trás de muito da venal moléstia do crime da cidade.

Uma narrativa crua, com monólogos bem clichês, mas que não atrapalham a leitura, com uma arte impecável e que faz do arco uma boa reforma do título e do cenário do Batman, mas não alterou muito do mito do detetive de antes. Recomendo.

Cadorno Teles
WRITTEN BY

Cadorno Teles

Cearense de Amontada, um apaixonado pelo conhecimento, licenciado em Ciências Biológicas e em Física, Historiador de formação, idealizador da Biblioteca Canto do Piririguá. Membro do NALAP e do Conselho Editorial da Kawo Kabiyesile, mestre de RPG em vários sistemas, ler e assiste de tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *