“Barbie” diverte, distrai os olhos e aguça a visão crítica 

5
2

Filme-evento da temporada de verão de norte-americano, “Barbie” cumpriu à risca o hype que alimentou nos últimos meses. E a grande responsável pior isso chama-se Greta Gerwig, a grande maestrina de relativizar o universo cor-de-rosa criando um filme que tanto se estabelece como entretenimento escapista como válvula discursiva contra o patriarcado. Esses extremos funcionam plenamente.

A história acompanha a Barbie Estereótipo (Margot Robbie, que nasceu para o papel), que num não tão belo dia, acorda de sua até então perfeita vida, com pensamentos de morte. Essa imperfeição se desdobra em outras que a fazem sair da Barbieland para a vida real, em busca de uma resposta e até de algum sentido que a valha. 

Imagem: Warner Bros

O roteiro espertíssimo é da própria diretora, com seu parceiro frequente de vida e trabalho, Noah Baumbach, e a maneira como ela constrói a sátira sobre a visão estereotipada do que uma Barbie representa para com a figura feminina na sociedade é muito sagaz. Esse contraponto rende a Ryan Gosling as melhores cenas do filme (e uma de suas melhores performances) e piadas tecidas de um humor habilmente inteligente e, muitas vezes, bem mais adulto que o público ao qual a boneca comumente é destinada.

Imagem: Warner Bros

Essa apropriação que Greta propõe aqui, relativiza até a própria crítica que o filme faz e isso é bom. A diretora tá ciente disso e enverniza tudo com destreza (a direção de arte é excepcional!) para que, enquanto distrai nosso olhar, incutir reflexão hilária e interessante sobre a condição feminina através do prisma questionável de uma boneca que ajudou a não construí-lo. A piada começa aí. E termina rindo de si mesma. 

Barbie

Barbie
9 10 0 1
Nota: 9/10 Fantástico
Nota: 9/10 Fantástico
9/10
Total Score iFantástico

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *