"Copa de Elite" e "Julio Sumiu": o gênero continua rasteiro

 O desespero em capitalizar em cima de um gênero, que vem alimentando abastadamente o cinema nacional recente, tem demonstrado que o mercado não tem tido a menor vergonha de ser claramente medíocre. Figuram nos cinemas duas comédias – que inclusive estrearam juntas, no mesmo dia -, que apontam a gravidade da questão: Copa de Elite” e Julio Sumiu”. O primeiro é um longa que se propõe a parodiar sucessos do cinema brasileiro em uma história envolvendo a Copa do Mundo no Brasil. O segundo é uma crônica cotidiana da classe média como um todo, o que já nasce como piada (quase) pronta. Dirigida Vitor Brandt (que também roteiriza – mal), Copa de Elite” vai se valendo de referências sem graças de filmes como Minha Mãe é Uma Peça”, Se Eu Fosse Você” e Nosso Lar” para contar as desventuras de um policial do BOP (Tropa de Elite”) para reaver seu cargo após ser expulso da corporação. O mais interessante é que ser alusivo a premissa “Todo Mundo Em Pânico” é esquizofrênico principalmente pelo próprio “gênero” estar em crise atualmente nos EUA, com diluições desnecessárias como Inatividade Paranormal”, em que a graça fica restrita a pretensão. Resultado, a comédia nacional é uma tentativa desesperada de ser engraçada, atirando para todos os lados (estou até agora tentando entender a escalação de Anitta e Rafinha Bastos) e o desperdício de talentos como Marcos Veras e a ótima Júlia Rabelo. Sabe aquele filme que quando termina você fica entre a irritação e a perplexidade e se pergunta: “Por que?”? Por aí…

COPA-DE-ELITE01

“Julio Sumiu” é inspirado no livro homônimo do “Casseta” Beto Silva e é uma tentativa menos oportunista, mas atrapalhada de alimentar o gênero. A história, dramaturgicamente, é até ok. Entretanto, o diretor Roberto Berliner (do celebrado documentário A Pessoa é para o que Nasce”), parece não saber lidar com a dinâmica narrativa de uma comédia de erros, em que a construção de personagens deve ser tão ou mais importante que o andamento narrativo em si. Apesar da potente presença de Lília Cabral, o filme não é bem sucedido em nenhuma das tentativas, e revela-se sem ritmo, sem graça e o pior, sem representar a contento o sentido do próprio plot. E olha que o autor do livro é um dos autores do roteiro. O mais grave mesmo é a direção perdida de Berliner que tira muito da força do filme em si. Ou seja, dois filmes de comédia sem o menor cuidado nessa representação. É a lógica mercantilista que rege o cinema “de bilheteria certa” que temos atualmente. Se lembrarmos que até a pornochanchada setentista acabou sufocada por sua banalização, já dá para vislumbrar que os tempos futuros não terão graça nenhuma. Dessa vez, para o próprio mercado de cinema.

 

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ant.
Tartarugas Ninjas ganha mais um trailer

Tartarugas Ninjas ganha mais um trailer

Já está no ar o novo trailer do filme das Tartarugas Ninjas produzido por

Próxima
Arcade Fire documenta os bastidores da turnê Reflektor

Arcade Fire documenta os bastidores da turnê Reflektor

Nesse competitivo mundo mágico do show biz de hoje em dia, cada função na hora

Você pode gostar