Crítica de ‘A Freira 2’

28
0

Agora em seu nono longa-metragem em apenas uma década, a franquia “Invocação do Mal” provou ser uma espécie de potência do terror como um dos gêneros de filmes convencionais mais populares (sem mencionar o custo-benefício). Suas mitologias podem ser distorcidas e bobas, mas esses filmes fornecem uma espécie de comida reconfortante assustadora – sustos familiarmente estereotipados que provavelmente não perturbarão o sono de qualquer espectador que não seja criança – cujas satisfações são amplificadas pelos bons atores e atmosfera superior.

Desafiando a lei dos rendimentos decrescentes, o spinoff de 2018, “A Freira”, foi (e até agora continua sendo) o maior sucesso da franquia até o momento. Aqui entra “A Freira 2”, uma sequência direta e em alguns aspectos, uma melhoria em relação ao seu antecessor – não em todos, mas que certamente prolongará a vida da série de forma lucrativa.

Em termos de história, o filme anterior de “Freira” – cuja figura principal foi introduzida em “Invocação do Mal 2”, de 2016, era desordenada e quase sem sentido, pouco mais do que uma série de “sustos” e incidentes que enviaram a noviça Taissa Farmiga e o padre do Vaticano Demian Bichir à caça de demônios na Romênia da época da Guerra Fria. O filme de Corin Hardy foi um deleite assustador em termos visuais, com uma atmosfera gótica rica e ornamentada da velha guarda (névoa rodopiante, luz refratada etc.), como se tivesse sido filmado por Mario Bava dos anos 1960 ou no backlot da Universal dos anos 1940.

A Freira 2 é menos distinto nesse departamento. Mas tem uma estrutura narrativa um pouco mais forte – mesmo que essa estrutura mantenha o protagonista ostensivo de Farmiga um tanto afastado da vertente principal por um tempo consideravelmente longo.

Depois de uma sequência de abertura em que um espírito malévolo assusta um coroinha (Maxime Elias-Menet), encontramos a Irmã Irene (Farmiga) que não é mais uma noviça. Ela agora vive num convento italiano, onde todos já ouviram falar dos horrores da possessão vividos na Roménia quatro anos antes. Ainda assim, ninguém aqui sabe que ela foi testemunha e sobrevivente desses eventos, nem mesmo sua amiga Irmã Debra (Storm Reid), uma americana de fé incerta que pegou o pano menos por devoção do que por obrigação familiar.

A Freira 2 – créditos: divulgação

Infelizmente, esse anonimato termina quando os representantes do Vaticano aparecem mais uma vez. Eles exigem o envolvimento de Irene porque uma série de mortes desconcertantes entre clérigos sugere que o demônio titular (originalmente convocado pela necromancia na Idade das Trevas) está de volta e abrindo caminho para o oeste através da Europa. A criatura parece estar indo para seu antigo companheiro Maurice, também conhecido como Frenchie (Jonas Bloquet), que atualmente trabalha como faz-tudo em um internato feminino perto de Aix-en-Provence.

É aí que ocorre a ação em “Freira II”, mesmo quando o diretor Michael Chaves e seus roteiristas planejam negócios para ocupar as irmãs Irene e Debra em sua tortuosa jornada até lá. O simpático cara quebequense, Maurice, também manteve seus perigos sobrenaturais do passado para si mesmo, preferindo lançar um cortejo discreto à professora residente Kate (Anna Popplewell) e ter um interesse paternal por sua filha intimidada, Sophie (Katelyn Rose Downey).

Esta escola já foi um mosteiro, sua capela fechada com tábuas desde que foi atingida por uma bomba da Segunda Guerra Mundial que ceifou a vida do filho da severa diretora (Suzanne Bertish). Mas esse local histórico fechado esconde outros segredos, que evidentemente atraem a temida Freira Demônio (Bonnie Aarons). E o bondoso Maurice pode estar carregando uma força que o tornará uma ferramenta em seu terrível retorno, se Irene e os outros não chegarem a tempo de impedi-lo.

Chaves não tenta o tipo de iluminação em contraste e cenários fantásticos que fizeram do primeiro “A Freira” um tesouro de colírio para os olhos retrô. Mas ainda existem algumas belas locações francesas utilizadas, e a cinematografia de Tristan Nyby encontra atmosfera suficiente nos recessos pretos do design de produção de Stephane Cressend, onde dentro de cada canto escuro se esconde uma surpresa desagradável.

Não que essas surpresas sejam terrivelmente surpreendentes – apenas a habitual séries de sustos e ocasionalmente assassinatos por pura força de exalação maligna. A própria senhora terrível também não oferece muita mística além de dentes afiados e olhos brilhantes sob um capuz.

Há interlúdios vistosos que não valem a confusão dos efeitos especiais, como aquele em que as páginas de uma estante de revistas tremulam até formar uma imagem em mosaico de adivinha quem. Por outro lado, um demônio cabra que se materializa para aterrorizar a população da escola oferece uma variedade assustadora bem-vinda. Assim que Farmiga finalmente chega e descobre que todo o inferno já está acontecendo, as coisas atingem um ponto de ebulição adequado – antes de previsivelmente ferver em meio a um excesso de perigo exagerado e falsos cessar-fogo.

Caso você esteja se perguntando o que isso tem a ver com o resto do O universo “Invocação do Mal”, um gancho com Patrick Wilson e Vera Farmiga oferece alguma aparência de conexão. Você também pode refletir sobre o que aconteceu com a estrela de “Freira”, Bichir, que presumivelmente passou adiante este capítulo – a ausência de seu personagem é explicada com notável desprezo como devido a uma morte por cólera. Em qualquer caso, a ênfase principal aqui vai para Bloquet e o jovem Downey, com a júnior Farmiga inesperadamente não recebendo mais atenção do que Reid em um clímax. Todos esses artistas fazem um trabalho sólido dadas as circunstâncias. O roteiro dificilmente requer muitas nuances, porém, e um toque de sentimentalismo não compensa.

Felizmente, não é o destino que importa nesses filmes, mas os arrepios no caminho. Ainda bem, já que “A Freira 2” culmina em algo com um ápice habilmente pontuado pelo estreante da série Marco Beltrami. Um filme que desperta som e fúria agradavelmente ameaçadores o suficiente para passar no teste, ainda que, quando os créditos finais terminarem, poucos se lembrarão o destino da franquia “Invocação do Mal”, e muito menos por quê.

Tradução livr do artigo de Dennis Harvey

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *