Documentário “Muco, Contradição na tradição” divulga trailer

41
0

Os primeiros princípios éticos do Yoga (Yamas) conduzem a trama do documentário dirigido por Oberom. A produção foi feita por Céu Bittencourt, Oberom, Orlando Chavatta e Samadhi e a distribuição por Guruji Filmes.

Entre os entrevistados: Sri Sri Ravi Shankar, Vandana Shiva. Chidananda Sarasvati, Swami Ramakrishnananda, Satish Kumar, Sunita Narayan, Maneka Gandhi, Antônio Donato Nobre, Swami Atma, David Frawley, Dharma Mittra, Sharon Gannon, Alecrim Correa.

“O Yoga é indissociável da Natureza. Ignorar a devastação ambiental é também ignorar a essência do Yoga – que não há separação.” Conclui Oberom. “Há um ensinamento na Índia que diz: Vasudhaiva Kutumbakam, que significa “O mundo é uma família”.

O filme apresenta dois irmãos brasileiros que viajam à Índia a fim de entender as implicações que essa prática milenar tem em nossa sociedade atual e no meio ambiente. O documentário que desvela verdades ocultas da Índia, também desvenda elementos do imaginário Ocidental acerca das tradições espiritualistas da Ásia. Caminha entre crenças e hábitos presentes no mundo do Yoga, mas que afeta toda a humanidade. Um documentário que, com a ajuda de mestres, professores e cientistas, revela fatos que podem mudar o mundo. “Os Yamas formam a base ética da sociedade hindu, porém os preceitos ali encontrados coincidem com os mesmos das bases cristãs, budistas e muçulmanas; trata-se de diretrizes para o convívio harmônico de qualquer agrupamento humano, que pode incluir também agnósticos e ateus. Sendo assim, o documentário se comunica com toda a sociedade, não apenas os praticantes de Yoga.”, explica Oberom.

Do norte da Índia ao sul, da costa oeste à costa leste, a equipe viajou por quatro meses, passando por cidades como Delhi, Mumbai, Bangalore, Channai, Tiruvanamalai, Rishikesh e muitas outras, visitando centros espirituais (ashrams), eventos populares, lugares considerados sagrados para a fé local e documentando pontos sensíveis que afetam a saúde da população por conta da degradação ambiental. Foram feitos registros em áreas remotas, acompanhando agricultores e pecuaristas, como também festivais de dança clássica indiana, música e práticas espirituais coletivas.

“Em 2017, a equipe também viajou os Estados Unidos de leste a oeste, passando por New Haven, New York, Washington DC, Santa Fé, Los Angeles, Santa Cruz, San Francisco e algumas outras cidades, sempre de maneira breve, numa ligeira busca que não chegou a completar um mês, mas que proporcionou grandes encontros com personalidades fundamentais para discutir nosso momento planetário.”, relato o diretor.

O documentário Muco: Contradição na Tradição estreia dia 8 de dezembro em circuito nacional.

MUCO: CONTRADIÇÃO NA TRADIÇÃO

Direção: Oberom

Brasil / Índia / EUA / 2022 / 109 min.

Produtores: Céu Bittencourt, Oberom, Orlando Chavatta e Samadhi.

Trilha sonora original: Guilherme Cavalcanti.

Câmeras e som: Céu Bittencourt, Oberom, Orlando Chavatta e Samadhi.

Assessoria de comunicação: Lara Padilha.

Direção e edição: Oberom

Participantes do documentário

Vandana Shiva – Formando-se como bacharel em ciência e mestre em ciência. Cursou mestrado no Canadá em Filosofia da Ciência na Universidade de Guelph, com uma tese intitulada “Mudanças no conceito de periodicidade da luz “. Em 1978, tirou seu PhD em física na Universidade de Western Ontario, com foco em filosofia da física. Sua dissertação foi intitulada “Variáveis ocultas e localidade na teoria quântica”. Reconhecida como uma “heroína ambiental” pela revista Time em 2003. Também escreveu um relatório para a FAO sobre Mulheres e Agricultura. Ela é diretora da Fundação de Pesquisas em Ciência, Tecnologia e Ecologia, e uma das líderes e diretoras do Fórum Internacional Sobre Globalização. É ativista e também é fundadora da Navdanya, organização não-governamental (ONG) que promove a biodiversidade de sementes, as plantações orgânicas e os direitos de agricultores. Seu trabalho defende a sabedoria de práticas tradicionais baseados na herança védica da Índia e a agrobiodiversidade e se opõe aos transgênicos (OMGs) e à monocultura. É autora de diversos livros na sua área, dentre eles A Violência da Revolução Verde (1992) e Ecofeminismo (1993) com co-autoria de Maria Miles, ambos traduzidos para o português.

[Quebra da Disposição de Texto]

Sunita Narain é uma ambientalista e ativista política indiana, bióloga de formação. Narain é diretor geral do instituto de pesquisa Centro de Ciência e Meio Ambiente, diretora da Sociedade de Comunicações Ambientais e editora da revista quinzenal, Down To Earth. Em 2005, ela recebeu o Prêmio Padma Shri, o quarto maior prêmio civil da República da Índia, concedido pelo governo indiano. Ela também recebeu o Prêmio Mundial da Água (Stockholm Water Prize). Em 2005, ela também presidiu a Tiger Task Force, para desenvolver um plano de ação para conservação no país após a perda de tigres em Sariska. É membro do Conselho do Primeiro Ministro para Mudanças Climáticas, bem como da Autoridade Nacional da Bacia do Rio Ganges, criada para implementar estratégias de limpeza do rio. Em 2016, Narain foi nomeado na lista das 100 pessoas mais influentes da revista Time. Ela foi entrevistada por Leonardo DiCaprio no documentário Antes do Dilúvio (2016), discutindo o impacto das mudanças climáticas na Monção na Índia e como isso afeta os agricultores.

[Quebra da Disposição de Texto]

Chidananda Sarasvati é presidente e líder espiritual no Parmarth Niketan Ashram, uma instituição espiritual com sede em Rishikesh, Índia. Fundador ou cofundador de várias organizações humanitárias e ambientais que atendem a várias causas, incluindo: Ganga Action Parivar, para preservar e proteger o rio Ganges e seus afluentes; India Heritage Research Fundação (IHRF), que oferece educação, assistência médica, bem-estar juvenil e treinamento vocacional; Fundação Divina Shakti, que oferece educação e assistência a crianças e mulheres viúvas e pobres, bem como a proteção de animais de rua na Índia, como vacas e cães; a Global Interfaith Wash Alliance (GIWA) para fornecer acesso a água potável, saneamento melhorado e higiene adequada; e Projeto Hope, uma organização abrangente que reúne várias organizações humanitárias e ambientais em tempos de desastre para fornecer ajuda de emergência e reabilitação de longo prazo. Atualmente faz parte do Conselho de Líderes Religiosos Mundiais para o Elijah Interfaith Institute.

Sri Sri Ravi Shankar é líder espiritual e humanitário com milhões de seguidores através da organização Arte de Viver. Dedicado a elevar os valores humanos, eliminar o estresse e a violência da sociedade, através da Associação Internacional para os Valores Humanos (IAHV) e da Arte de Viver, instituição acreditada pela ONU, com o status especial de consultora do Conselho Econômico e Social, que está presente em mais de 150 países. Suas ações e projetos já lhe renderam quatro indicações ao Prêmio Nobel da Paz.

Satish Kumar é um ativista, pacifista e palestrante britânico indiano. Foi um monge jainista defensor do desarmamento nuclear. Agora morando na Inglaterra, Kumar é fundador e diretor de programas do centro internacional de estudos ecológicos Schumacher College e é editor emérito da revista Resurgence & Ecologist. Sua realização mais notável é a conclusão, junto com um companheiro, E. P. Menon, de uma caminhada pela paz de mais de 13.000 quilômetros em junho de 1962 por dois anos e meio, de Nova Delhi a Moscou, Paris, Londres e Washington, D.C., as capitais dos primeiros países com armas nucleares do mundo. Ele insiste que a reverência pela natureza deve estar no centro de todo debate político e social. Autor de dez livros, incluindo o celebre “Alma, solo e sociedade – a nova tríplice no nosso tempo.”, foi consultor da BBC e também diretor do documentário “Terra peregrina”.

Krishna Das é um vocalista americano conhecido por suas performances de música devocional hindu conhecida como kirtan. Ele lançou dezessete álbuns desde 1996. Ele se apresentou no Grammy Awards de 2013, onde seu álbum Live Ananda (2012) foi indicado ao Grammy Award 2013 de Melhor Álbum New Age. Ele foi descrito pelo New York Times como “o mestre do canto do yoga americano”.

David Frawley é um autor estadunidense, astrólogo, professor (acharya) e médico Ayurveda. Ele escreveu vários livros sobre tópicos que abrangem os Vedas, Hinduísmo, Yoga, Ayurveda e astrologia védica. Suas obras têm sido populares entre o público em geral. Em 2015, ele foi homenageado pelo Governo da Índia com o Padma Bhushan, o terceiro maior prêmio civil da Índia. Em 2015, a Sociedade de Educação do Sul da Índia (SIES) em Mumbai, Índia, afiliada de Kanchi Kamakoti Peetham, conferiu a ele seu especial “Prêmio de Eminência Nacional” como um “especialista internacional nas áreas de Ayurveda, Yoga e Astrologia Védica. Referindo-se ao seu livro Yoga and Ayurveda, Frawley é mencionado como um dos principais professores de yoga de Deepak Chopra e David Simon em seu livro, as Sete Leis Espirituais do Yoga (2005).

Maneka Gandhi é uma política indiana, ministra do Ministério da Mulher e da Criança, ativista dos direitos dos animais e ambientalista. Ela foi ministra em quatro governos. Gandhi inspirou muitos indivíduos ao empreendedorismo social, incluso uma ação que desencadeou um movimento nacional para plantar árvores frutíferas. Ela foi nomeada presidente do Comitê para o Propósito de Controle e Supervisão de Experimentos em Animais (CPCSEA) em 1995. Atualmente, ela preside o Júri da International Energy Globe Foundation, que se reúne anualmente na Áustria para premiar as melhores inovações ambientais do ano. Maneka é membro do Conselho Eurosolar e do Instituto Wuppertal, Alemanha. Maneka fundou a organização People for Animals em 1992 e é a maior organização de direitos animais na Índia. Ela é um membro do elenco do documentário A Delicate Balance.

Antonio Donato Nobre é um cientista e ativista brasileiro, tem relevante atuação na divulgação e popularização da ciência, em temas como a bomba biótica de umidade e sua importância para a valorização das grandes florestas, e os Rios Aéreos de vapor, que transferem umidade da Amazônia para as regiões produtivas do Brasil. Foi relator nos estudos sobre o Código Florestal promovidos pela SBPC e Academia Brasileira de Ciências. Possui graduação em Agronomia pela Universidade de São Paulo, mestrado em Biologia Tropical (Ecologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e PhD em Earth System Sciences (Biogeochemistry) pela University of New Hampshire. Atualmente é pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e pesquisador Visitante no Centro de Ciência do Sistema Terrestre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, onde lidera o grupo de modelagem de terrenos. Atua no Experimento de Larga Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA), além de participar no Terrestrial Carbon Observations Panel (GTOS-TCO).

Edgar Hertwich atua como líder da área de pesquisa Economia Circular da NTNU Sustainability. Ele lidera o trabalho sobre eficiência de recursos e mudanças climáticas do Painel de Recursos Internacionais e atua como ex-presidente imediato da Sociedade Internacional de Ecologia Industrial. Foi um dos principais autores do capítulo sobre sistemas de energia e do anexo de métodos do 5º relatório de avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas IPCC, bem como um colaborador do Resumo Técnico e do Resumo para Formuladores de Políticas. Ele contribuiu para o Global Energy Assessment e atua nos conselhos editoriais da Environmental Science & Technology, o Journal of Industrial Ecology e o Journal of Economic Structures. Ele é formado em engenharia pela HTL Braunau, bacharel em física pela Princeton University e mestre e doutor em energia e recursos pela University of California, Berkeley. De 2015 a 2019, ele foi professor de sustentabilidade industrial e diretor do Centro de Ecologia Industrial da Universidade de Yale.

Dzongsar Khyentse Rinpoche é um renomado lama, cineasta e escritor tibetano/butano. Seus quatro filmes principais são The Cup (1999), Travellers and Magicians (2003), Vara: A Blessing (2013) e Hema Hema: Sing Me a Song While I Wait (2017). Ele é o autor de What Makes You Not a Buddhist (2007) e muitas outras obras de não-ficção sobre o budismo tibetano. Rinpoche tem professores de todas as quatro principais escolas do budismo tibetano e é um seguidor e defensor do movimento Rimé (não sectário).

Chandramuka Swami é membro da ISKCON, instituição que dissemina a tradição do hinduísmo conhecida como vaishnava, ou movimento Hare Krishna, fundada no ocidente por Bhaktivedanta Swami Prabhupada em 1965. Em 1979 recebeu sua primeira iniciação e no ano seguinte se tornou um sacerdote-brahmana. Em 1997, devido à sua competência filosófica, recebeu o conceituado título bhakti-shastri. No ano de 2001, Chandramukha Swami aceitou o serviço de diksha-guru, quando passou a cumprir a tarefa de orientar discípulos, iniciando-os formalmente na Escola Vaishnava. Professor, músico e escritor, é dele o livro “Trazendo o sagrado para o cotidiano”.

Premiações

Melhor Documentário –

  1. Colombo Independent Film Festival, Sri Lanka.
  2. Cinematic European Film Festival, Romênia.
  3. Angkor Wat Independent Film Festival, Camboja.
  4. Global India International Film Festival, Índia.
  5. International Film Festival of Malacca, Malásia.
  6. Little Buddha Indie Film Festival, Nepal.
  7. Eden International Film Festival, Butão.
  8. Syndicate Indie Film Festival, Maldivas.
  9. Peoples International Film Festival, Índia.
  10. Kodai International Film Festival, Índia.
  11. Kathmandu Independent Film Festival, Nepal.
  12. Independent Film Festival of Mumbai, Índia
  13. FestCine Pedra Azul, Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *