Andrea Riseborough appears in NANCY by Christina Choe, an official selection of the U.S. Dramatic Competition at the 2018 Sundance Film Festival. Courtesy of Sundance Institute | photo by Zoë White. All photos are copyrighted and may be used by press only for the purpose of news or editorial coverage of Sundance Institute programs. Photos must be accompanied by a credit to the photographer and/or 'Courtesy of Sundance Institute.' Unauthorized use, alteration, reproduction or sale of logos and/or photos is strictly prohibited.

O enigmático “Nancy” faz parte da programação do Fantasporto 2019, o Festival Internacional de Cinema do Porto que traz o melhor do cinema inventivo, do Terror à Ficção Científica passando Fantasia. O filme de Christina Choe conta com a presença da versátil e potencialmente estranha Andrea Riseborough, do maravilhoso “Mandy”. Andrea não apenas protagonizou o filme como também o produziu.

Em uma entrevista para o IndieWire, Christina fala sobre um acontecimento na sua vida que a fez refletir sobre a noção de verdade e ficção. Um professor que a havia influenciado bastante na faculdade de cinema acabou sendo revelado como uma grande “falcatrua”. Nesse momento Christina percebeu que, às vezes, uma mentira pode ser tão positivamente eficaz quanto uma verdade, dependendo de como ela afeta alguém.

Em poucas palavras, “Nancy” trata de uma mulher que, em seus 35 anos, se vê extremamente solitária, numa relação triste e abusiva com sua mãe doente, com muito pouco cuidado com sua aparência e diversos complexos, refletidos tanto por uma sugerida bulimia como também por seu esforço em criar narrativas possíveis para sua vida, de modo a parecer mais interessante para as outras pessoas.

Cria de uma era tecnológica contemporânea na qual muitos de nós acabam por forjar personas na internet, expondo uma pseudo felicidade através de imagens das férias ou desabafam possíveis traumas e melancolias na busca desesperada por aceitação ou conexão, Nancy forja fotografias e inventa histórias em seu blog.

Apesar dessa atitude “fraudulenta”, que a caracteriza como uma anti-heroína, o filme consegue construir a personagem de forma generosa e complexa, nunca julgando-a por completo e nos convidando também a manter um olhar compreensivo. Quem de nós nunca se sentiu tão fora de lugar, tão inseguro ou tão sozinho que quis por alguns momentos inventar um outro si mesmo?

Logo no começo da trama, a mãe de Nancy morre e em meio a um alívio-luto, uma reportagem que ela assiste na TV sobre um casal que há 30 anos teve sua filha raptada e desaparecida, a faz pensar que talvez ela possa ser a versão adulta desta criança.

Esta é outra característica muito interessante sobre o roteiro e a personagem: o fato de ela realmente acreditar em suas narrativas. Não à toa, um de seus maiores talentos parece ser a escrita. Sua crença, advinda de um desejo absoluto de que sua invenção seja ou se torne realidade, nos aproxima dela e nos sensibiliza. Suas mentiras parecem sinceras e nós torcemos para que Nancy seja presenteada com uma nova verdade.

Para melhorar ainda mais esta estranha e original história, o filme traz também o maravilhoso Steve Buscemi no papel do pai que perdeu a filha há tantos anos.

Narrativamente, “Nancy” centra-se em pequenos detalhes, capazes de nos sugerir, nos situar e de expressar, muito mais do que informar, os complexos e intrincados caminhos da mente humana e a evolução de um afeto (re)descoberto.   

Em resumo, não é afetado, não é redundante, nem óbvio. É comedido e delicado, ainda que mantendo um certo caráter sombrio e inteligente. Enfim, mais um ótimo e discreto filme que não subestima a capacidade imaginativa do espectador.

Fantasporto 2019: O misterioso “Nancy”
4 / 5 Crítico
Cotação
Público (0 votos) {{ reviewsOverall }} / 5
Resenhas Deixe sua resenha
Order by:

Be the first to leave a review.

User Avatar User Avatar
Autor
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe sua resenha

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one