em

Festival do Rio: O Clone Volta para Casa

O Clone Volta para Casa 01

O Clone Volta para Casa não é um filme facíl, mas sob olhar atento torna-se uma grande obra de ficção-científica, tanto no cenário japonês quanto global. Descrente? Siga a estrada de tijolos amarelos…

Num futuro próximo, Kohei Takahara é um astronauta japonês que concorda, por insistência de seus superiores, em participar de um programa de clonagem humana cujo intuíto é criar uma cópia em caso de morte inesperada, para assim, dar continuidade a vida aonde esta foi interrompida. Após um acidente fatal na órbita terrestre, Kohei é trazido à vida novamente pelo projeto, mas algo sai errado e a memória de Kohei regride para a trágica momento da morte de seu irmão gêmeo ainda em sua infância. Enquanto os cientístas envolvidos no projeto buscam compreender o que saiu errado, o ‘novo’ Kohei escapa do laboratório para uma jornada lírica de volta à casa onde viveu sua infância… carregando em suas costas o simulacro de seu irmão.

Magistralmente conduzido por Kanji Nakajima, escritor e diretor, O Clone Volta para Casa poderia ter caído facilmente nas armadilhas do gênero, como excesso de efeitos especiais, pedantismo político/filósofico ou ainda absurda estilização oriental. Felizmente nada disso está presente, Nakajima foge destas convenções e concentra sua energia em trabalhar na (fabulosa) fotografia, na trilha sonora (bela e adequada), e atuações (sólidas), principalmente com o ator Mitsuhiro Oikawa.

O Clone Volta para Casa 02

É inevitável colocar O Clone Volta para Casa com outros grandes clássicos do sci-fi, como 2001 – Uma Odisséia no Espaço de Stanley Kubrick; Solaris de Tarkovsky; ou ainda Bladde Runner de Ridley Scott. Estas produções, mais do que utlizarem a linguagem da ficção-científica, possuem como objetivo comum oferecer contemplação sobre o ser e a humanidade. Em O Clone Volta para Casa, Nakajima aproveita as múltiplas identidades do(s) protagonista(s) para instigar uma reflexão sobre significado de memórias, identidade, vida e morte, sonhos e ainda responsabilidade científica.

Lembro por fim que o filme possui produção executiva de Wim Wenders, filósofo alemão que se tornou um dos cineastas mais respeitados da atualidade. Precisa de mais?

alguém opinou!

Deixe sua opinião!

Participe com sua opinião!