em ,

Festival do Rio: O Mau Exemplo de Cameron Post abre discussão sobre a “cura gay”

Em um filme que abre espaços para a discussão sobre como agem pessoas ligadas a certos denominações religiosas que dizem ter a “cura gay”, O Mau Exemplo de Cameron Post acaba não explorando como deveria, se limitando a apresentar alguns casos e não tendo muita profundidade no assunto e nem mesmos em seus personagens.

Após ser flagrada fazendo sexo com uma amiga no carro na festa de formatura pelo namorado, Cameron Post (Chloë Grace Moretz) é mandado pela tia que cuida dela após a morte dos seus pais, a um acampamento religioso aonde os jovens estão lá para deixarem de serem gays e poderem retornar a sociedade, como jovens “saudáveis”.

Nesse acampamento ela encontra jovens que realmente acreditam nessa possibilidade, mas a maioria, como ela, estão lá forçadas e tentam cumprir o programa para tentarem voltar as suas vidas normais. Lá eles são “tratados” pelo Reverendo Rick, um “ex-gay” que se “curou” e hoje tenta passar os ensinamentos para os jovens e pela Doutora Lydia, a psicóloga que comanda o lugar de maneira autoritária.

O grande problema do filme é que ele parece com outros filmes de temática similar e não tem nenhuma inovação narrativa, ou mesmo uma criatividade com os personagens, cuja as histórias são pouco exploradas e chegam a ser muitas vezes superficiais, parecendo que estão na história apenas para fazer número e o local um acampamento individual de Cameron.

A história parece apenas mostrar alguns aspectos ridículos de eventos do tipo, como fita de vídeo de ginastica em casa enquanto se louva O Senhor. Uma questão que se abre, mas não se desenvolve corretamente é sobre a “cura” do Reverendo Rick, no qual se mostra que existe mais por trás disso, mas é bem explorado. Outro mote não desenvolvido é sobre os métodos usados no acampamento, no qual em um momento a personagem de Chloë Moretz confronta o Reverendo, mas que faltou mais substancias durante o filme para serem mais aprofundadas.

O elenco está bem, mas sem nenhum destaque, pois a única cena de maior intensidade é feita por um dos garotos do acampamento, no qual temos poucas informações durante o filme e que se destaca nesse momento. Chlöe Moretz que é a atriz chamariz do filme ainda deve uma boa atuação que se espera dela já faz um tempo. O filme ele serve para abrir a discussão sobre o tema, mas não espere que ele seja profundo e que seja muito tocante.

Avaliação: 3,5/5

alexandre Giuberti David

Publicado por alexandre Giuberti David

Professor de História, cinéfilo e torcedor do America-RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários