em ,

O humor e a tensão da prova para a universidade em "Primeiro Ano"

Se temos a percepção sobre a natureza selvagem do nosso sistema educacional, notamos que todo ele é voltado único e exclusivamente para a atividade fim, que é o vestibular, concurso que o aluno só vai prestar no final do último ano de sua vida escolar. Em “Primeiro Ano”, temos o olhar francês sobre como os alunos se preparam para entrar na faculdade de mais difícil ingresso, a de medicina.

Nesse caso, acompanhamos a vida de dois estudantes Antoine (Vincent Lacoste), que presta as provas pela primeira vez e tem muita facilidade para aprender, mas é leniente com os estudos e Benjamin (William Lebghil), que está no seu terceiro ano tentando entrar na faculdade, que é o seu maior sonho, mas seus resultados não são satisfatórios, daí eles se unem para ajudar um ao outro a se sair bem no processo.

O humor e a tensão da prova para a universidade em "Primeiro Ano" | Críticas | Revista Ambrosia

Durante o filme vamos descobrindo como funciona o sistema francês de admissão na universidade, no qual o conteúdo programático exige assuntos específicos da área, mas em um nível de conhecimento já de ensino superior, com disciplinas que não fazem parte do processo curricular de quem vai prestar o curso em especial.

Algumas das cenas mais impactantes são as dos dias da prova em si, em que todos os alunos que vão prestar o exame são alocados em um grande galpão com suas carteiras já posicionadas, locais marcados que os alunos irão se sentar e o número igualmente grande de pessoas que trabalha nesse processo (seja de inspetores de provas até uma comissão julgadora presente para qualquer caso que seja necessário). Quando a câmera faz a panorâmica por cima dos alunos e vemos a grandiosidade da cena é de ficarmos chocados e ao mesmo tempo tensos por quem está prestando a prova.

O humor e a tensão da prova para a universidade em "Primeiro Ano" | Críticas | Revista Ambrosia

Apesar do tema, “Primeiro Ano” é muito leve, com boas cenas de comédia, que aliviam o espectador da situação tensa em que os personagens se encontram. Importante frisar que diferente das comédias americanas que tratam sobre esse assunto, não são mostradas situações absurdas e inverossímeis, como o personagem que passa o tempo todo de tela sem encostar no livro e passa no exame apenas estudando na véspera. E nem vemos picardias juvenis. É um filme que mostra a sério como é o sistema educacional francês, mas sem abrir mão do humor.

[rwp_box id=”0″]

Deixe sua opinião

Cigana traz indie rock com tons de MPB no intenso álbum de estreia, “Todos os Nós”

Disney vai dar uma pausa em Star Wars no cinema após Episódio IX