O Ladrão de Raios – Divertido, porém não é o livro.

15
18

Durante o carnaval eu fui tragada para essa teia do maravilhoso mundo de Percy Jackson e os Olimpianos. Dois dos meus amigos não paravam a nenhum instante de contar sobre cenas interessantes do filme e muitos, muitos, trechos do livro. O que obviamente, acabou alimentado minha curiosidade de saber porque esse tal de Percy Jackson era tão bom.
Na quarta-feira de cinzas eu comprei os livros. E depois de ler os dois primeiros em dois dias, decidi por ir ao cinema.

É difícil e todos sabemos, quando existe um livro fazer com que aquela história narrada tão lindamente e cheia de detalhes, se transponha para a tela e continue impecável. Mesmo porque o tempo de narração de um livro é todo e completamente diferente de uma narrativa para cinema, onde o tempo obviamente é mais curto. Logo extrai-se do livro os fatos, personagens e cenários mais importantes. Isso não vai agradar os fãs antigos, mas a bem da verdade, não é isso que eles querem.

Resuminho:

Em O Ladrão de Raios, somos apresentados a Percy (Logan Leerman), um adolescente de 17 anos, estudante de uma escola comum que tem problemas de adaptação, sofre de dislexia e déficit de atenção. Seu único amigo é Grover (Brandon T. Jackson) que tem dificuldades em andar e por conta disso usa muletas, o que não ajuda em nada o status de popularidade de ambos. Percy mora com sua mãe Sally (Catherine Keener)  e seu padrasto Gabe (Joe Pantoliano), que ele odeia. Durante uma excursão do colégio ao museu, a vida de Percy muda completamente. Sua professora de Álgebra o chama para uma conversinha particular, e o acusa de ter roubado o raio de Zeus (Sean Bean) e pede que ele o devolva imediamente. Percy não entende o que ela quer e diz que não roubou nada, ela então se transforma e mostra sua verdadeira forma: uma Fúria.
Ele começa a gritar loucamente e fugir, eis que surgem Grover e Sr.Brunner (Pierce Brosnan) para salvá-lo. Percy solta umas piadinhas e Grover o escolta até em casa. Chegando lá Grover avisa a Sally que Percy precisa ir para o acampamento e ela os leva de carro, sem ao menos explicar o que está acontecendo ao filho. No caminho eles são atacados por um minotauro. Percy vê sua mãe desintegrar nas mãos do touro e furioso o mata, para logo em seguida desmaiar. Quando acorda está deitado numa espécie de enfermaria e Grover vem lhe recepcionar e Percy tem de novo a visão real de seu amigo. Metade homem, metade bode. Grover é na verdade um sátiro e encarregado de proteger Percy. Ele o leva para conhecer seu novo lar: o Acampamento Meio-Sangue, onde todos os filhos dos deuses vivem. Percy fica aturdido, filhos de quem? É isso mesmo, ele não sabe que também é filho de um dos três grandes: Poseidon (Kevin McKidd).
Seguindo a rotina do acampamento, Percy entra na batalha de capturar a bandeira e fica no time de Luke (Jake Abel), filho de Hermes (Dylan Neal). Sem saber como lutar, ele foge igual um desesperado e vai parar em um riacho, pensando em se refrescar, quando avista do outro lado a bandeira dos adversários. Ele pensa em pegar, mas é impedido por Annabeth (Alexandra Daddario), filha de Atena (Melinda Karakanedes). Logo eles começam uma luta, e Percy está perdendo. Ele então ouve uma voz e se arrasta até o riacho, onde recobra suas forças e acaba ganhando a luta e capturando a bandeira.

Fim do resuminho

A parte que segue o livro mais ou menos fiel vem até aqui. Porque depois disso, Chris Columbus faz juz ao termo livre adaptação. E ele é conhecido por ser um diretor mais comercial. Afinal, quando dirigiu os filmes de Harry Potter só fez com que a venda dos livros crescessem. E o filme do Percy Jackson e os Olimpianos – O Ladrão de Raios é isso aí, puramente comercial.
Ele nos mostrou os principais personagens, fez mudanças na história, acrescentou uma pitada de comédia e voilá, um líder de bilheteria. O filme não está ruim, eu me diverti bastante, mas para quem leu o livro e se tornou um fã de carteirinha do Riordan vai dizer que Columbus estragou tudo. Sendo que o que ele fez na verdade foi humanizar um pouco mais a história. Colocar mais emoção nos deuses e em seus laços com os filhos, coisa que no original não tem. Porque no livro você tem tempo de se apegar ao personagem, mas no cinema a empatia tem quer ser imediata. A escolha de ter um elenco adolescente do que crianças foi sensata. Afinal, eles viajam metade dos EUA, lutam com espadas, escudos, enfrentam todo tipo de situação e etc. Não seria uma belo exemplo, tendo em vista que americanos tem uma tendência a levar a sério demais certos ídolos. Columbus teve uma posição certeira ao assumir que crianças de 12 anos não teriam discernimento para tomar certas decisões, mesmo sendo semi-deuses.

Tenho certeza que eu teria gostado muito mais se ele não tivesse mudado o vilão original e escalado um ator mais condizente com Hades como o Rupert Everett ou Mark Strong do que um Steve Coogan magrelo, num ridículo traje de rock.  E também não curti a atriz que fez o papel da mãe do Percy. Teria sido melhor se fosse a Lena Headey, conhecida por ser a mãe do Connor no seriado e a esposa do Leônidas em 300.
De resto eu recomendo, é uma boa diversão.

Curiosidades:
Ele realmente excluiu Ares da história, mesmo ele sendo o vilão original. Porque na assembléia convocada por Zeus ele nem sequer está presente. E não consta na lista de atores do Imdb.
Perséfone aparece no submundo durante o Verão, quando na verdade deveria estar com a sua mãe.
Quando Percy, Annabeth e Grover vão até Luke, ele está jogando Call of Duty com um controle de PS3 quando na tela estão mostrando comandos do XBOX 360º.

Melissa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 thoughts on “O Ladrão de Raios – Divertido, porém não é o livro.

  1. eu fikei fãn du çeu saiti lindo que fala umas coisa linda sem kere se isnobi.

    vcs saum nota !0

    as empresa jah contrat uns defisiente e vcs abriro um novo tiop de abertura pra defisienti ki eh u defisienti anal-fabeto funçionau mais eu kiria se blokera tamém igual a meliça i posta essas coizas bunitas.

    eh parabeins pra todus mais nunka mas vou lelos.

  2. Foi o que achei também, o filme está bom, mas não ótimo.

  3. Okey, eu não notei isso:

    "Quando Percy, Annabeth e Grover vão até Luke, ele está jogando Call of Duty com um controle de PS3 quando na tela estão mostrando comandos do XBOX 360º."

    Do filme eu não curti, juro que o final me lembro Matrix Revolution ^^

    Beijussss

  4. Nossa, amei sua resenha, bem o que eu pensei do filme também ^_^

    E que bom que no final gostou dos livros e que nossa "propaganda" durante o carnaval não foi enganosa xD

    Kissus! =*

  5. Eu achei o filme meio bobo, só pude vê-lo hoje. Ele encheu de caricaturas o filme. Eu realmente prefiro os livros, que são muito bons. só espero que os proximos filmes sejam mais fieis. Mas tem uma coisa, o Columbus é sim comercial, mas as diferenças entre os filmes do Harry e esse é o estudio. A Fox é meio sacana.

  6. Ninguém mais notou como, tendo que tirar Ares da trama, ele também tirou a Clarisse da história ? Como ficarão as continuações ? Inserir personagens trama após trama sem um "background" fica tenso… E aquela caracterização ridícula do Submundo numa visão cristã… Admito, sou fã dessa obra de Riordan, mas ele certamente arruinou a trama em si para as continuações, se houverem…

    • E ñ são assim todos os filmes com trocentos personagens?! Harry Potter foi a msm coisa. Ele colocou todos como figurantes, para poder ter a desculpa de inseri-los na história depois. Se ele ñ mencionou Ares nem a Clarisse, da qual eu tb senti falta, apenas esqueci de comentar, pode ter ctz q se houver continuação, terá um outro rumo mto diferente…ou como aconteceu com HP…um novo diretor.

      • *Alerta de Spoiler*
        Mas é outra coisa quando você modifica totalmente quase metade da trama… Mudaram o vilão principal da história no filme e o caminho que percorreram até ele… Seria o mesmo que se no Harry Potter ele tirasse o Prof. Quirrel (Ares) da jogada e o Voldemort (Kronos) como vilão principal. E ficasse de adicionar um personagem secundário porém importante, como o Snape por exemplo. Adicionar personagem terciário é fácil. O tenso é tirar alguém do calibre da Clarisse. Quem leu a série completa sabe do que estou falando.

        • Minha maior aposta é um novo diretor para o segundo filme. Ele vai dar um jeito de contar a história real e colocar os personagens excluídos, como se eles sempre estivessem por lá e ninguém nunca tivesse notado. Vai por mim..

  7. Sinceramente o filme foi uma grande…enorme…monumental…M#$%@!

    Ao menos o Percy continua sendo filho de Poseidon… e ele non tem 12 anos nem aki nem no Paraguai…

    Pior q era um dos filmes q eu mais aguardava para 2010.

  8. Alias o filme é quase uma novela da Globo em termos de comercial, é o tênis fodão, é o iPhone do reflexo, é o PS3 que roda jogo de Xbox negócio nervoso… 😛

  9. Agora, outra coisa… Qual o problema dessa Sarah? Pelo que eu entendi ela insinuou que a Melissa escreve errado. Foi isso? Enfim, esse pessoal que não consegue fazer melhor fica falando merda. Ae show de bola a resenha, mostrou a faceta do diretor e não denegriu a obra. A++

  10. O filme é engraçado e tem algumas boas cenas de ação e ponto.Não se compara ao livro,que foi mto melhor…Eles deixaram muitas coisas importantes de fora,e mudaram a história em pontos que não poderiam ter mudado.
    Mas no geral da pra curtir o filme,o ator que faz o grover é muito engraçado e proporciona cenas hilarias,A Atriz Alexandra Daddario é linda(me apaixonei por ela)e o ator que faz o percy tbm é bonzinho.
    E cenas engraçadas como a do cassino…

  11. será q vai ter o segundo filme? espero q sim….virei fã de carterinha dos livros e axei o filme superlegal….claro q poderiam ter colocado o ares, os sonhos do percy….KRONOS principalmente mas ficou muito bom….eu gostei quero q façam o segundo pq é a partir do segundo livro q as coisas ficam melhores……FILME O MAR DE MONSTROS
    ^^'

  12. Ares ESTÁ na cena da reunião no Olimpo. Ele é o babaca de topete. Durante essa cena, você pode notar outras coisas ridículas, como o fato de Hephaestus não ser aleijado, na verdade, o potencial físico dele aparentemente se compara com o de Usain Bolt.

    A diferença de idade não me deixaria muito irritada, caso Columbus tivesse feito tudo corretamente. Um garoto de 16 anos é capaz de tomar decisões melhor do que um de 12, verdade. Mas, um garoto de 16 desmaiando depois de um esforcinho de nada é absurdamente ridículo, quando que se acontecesse o mesmo com um garoto menor, a situação seria mais plausível.

    O filme, na verdade, foi um grande esquartejamento tanto da mitologia grega quanto do livro original.

    O Luke trabalha para o Chronos (que ninguém se preocupou em colocar no filme, personagem desimportante), por isso ele roubou o master bolt. Não porque ele queria que a geração de demigods tomasse o poder. Fala sério…

    Cerberus aparentemente tirou férias, porque eu não vi nem sequer um poodle nos portões do Submundo. Aparentemente, eles desistiram de fazer o Percy passar pelos 12 trabalhos de Hércules.

    Eu lembro claramente de uma parte no primeiro livro em que alguém explicava que o Submundo é divido em 3 partes, o Elysium, os Fields of Asphodel e, somente então, o lugar onde as pessoas são punidas. Em nenhum momento mencionaram que "todas as vidas acabam em sofrimento."

    O Rio Styx virou uma névoa meio que invisível que paira sobre o Submundo… Imagino como o Percy vai pular lá dentro.

    A Persephone não passa de uma dona de casa desesperada para o Hades. No livro, ela gostava do marido dela…

    E a Annabeth NÃO morre de amores pelo Luke. Lembrando que foi pelo fato dela amar o Luke que a batalha foi vencida. Pelo amor de deus, essas pessoas não sabem escrever roteiros.

    Sem contar que nem os atores vencedores de Oscars que colocaram lá só pra dar publicidade conseguiram segurar a barra.

    Pra falar a verdade, eu perdi as minhas esperanças quando saiu na internet uma intrevista com o Logan onde ele dizia que no fim tinha uma "batalha aérea irada".

    xoxo.

    PS. Só lembrando, o infeliz do roteirista tem PhD em mitologia grega. Eu não sabia que a Universidade Online de Phoenix oferecia esse curso XD

    • E porque foi Percy Jackson e no God of War, ou vai me dizer que o filme não foi totalmente inspirado no jogo. Uma pena né, os livros são taõ bons. Mas acho que fizeram assim, porque se caso nafraugue, não vai ficar um filme incompleto como Eragon, pelo menos tentaram dar um fim.