Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

O Menino e a Garça, uma fábula onírica sobre autoconhecimento

Studios Ghibli. Quando esse nome é lido não esperamos nada menos do que um produto animado de acabamento impecável e histórias que além da qualidade técnica inegável, transmite-nos uma lição como nas fábulas de Esopo, feitas sob medida para entendermos certos aspectos da vida e atitudes que tomamos. Enfim, sabermos um pouco mais sobre esse nosso muitas vezes desconhecido self. Com “O Menino e a Garça” não seria diferente. O estúdio de animação japonesa mais uma vez nos brinda com o que de melhor sabe fazer, sob a batuta do mestre Hayao Miyazaki.

A trama se passa em 1943. Depois de perder a mãe durante a guerra, Mahito, o jovem de 12 anos, muda-se para uma casa no interior do Japão propriedade de sua família. Lá, uma série de eventos misteriosos o levam a uma antiga torre abandonada, onde vive uma espevitada garça cinzenta. Quando a nova madrasta de garoto desaparece, ele segue a garça até a torre entrando em um mundo fantástico compartilhado pelos vivos e pelos mortos. Essa jornada épica conduzida pela garça faz com que Mahito descubra os segredos profundos do mundo e suas camadas de realidade, além da verdade sobre si mesmo.

A comparação mais objetiva que se pode traçar com “O Menino e a Garça” dentro dos estúdios Ghibli é sem dúvida com “A Viagem de Chihiro”, também dirigido por Miyazaki, e que também concorreu ao Oscar, saindo vencedor. No entanto, Neste o diretor vai ainda mais fundo na questão psicológica. Ainda que se revista dos mesmos elementos fantásticos, em alguns momentos de uma forma até mais lisérgica (acreditem), ele é mais preso à terra do que a animação de 2001. O trauma da Segunda Guerra Mundial, que também serviu de pano de fundo para o excelente “Godzilla Minus One”, aqui é mostrado com uma crueza que em nenhum momento é amenizada pelo fato de se tratar de um desenho.

É justamente o realismo (ainda que fantástico) que causa assombro no filme. Mesmo imbuída de elementos oníricos, a trama carrega uma paradoxal verossimilhança que é justamente o que envolve o espectador. Completamente reféns daquele mundo ali construído, à plateia resta apenas tentar adivinhar a próxima surpresa. E falha miseravelmente. O filme sempre surpreende.

O título japonês (traduzido como “Como você vive?”) é o mesmo de um romance de 1937 de Genzaburô Yoshino, editor e escritor de literatura infantil, segundo as fontes. Foi o mote encontrado por Miyazaki para contar a sua história mais particular. O roteiro, escrito pelo próprio diretor, é assumidamente baseado em experiência do diretor em sua infância. Daí sua profundidade narrativa. A obra serve como autoanálise, além de trazer mensagens sobre a possibilidade da paz entre as nações num mundo marcado pelo conflito. E ele não está se referindo à Segunda Guerra, mas a todos os conflitos em curso e a falta de entendimento em geral no âmbito da política internacional e das relações interpessoais.

Esse é anunciado como o derradeiro filme dirigido por Miyazaki. Não é a primeira vez que o cineasta divulga sua intenção de se aposentar. No entanto, faz completo sentido encerrar a carreira com uma obra tão pessoal. Com a produção adiada por conta da pandemia, a equipe estava preocupada que o filme não fosse concluído a tempo antes que a idade do diretor aumentasse. Mas, felizmente, ele conseguiu terminar o filme. Um belíssimo encerramento, caso de fato o seja.

O Menino e a Garça

O Menino e a Garça
9 10 0 1
Nota: 9/10 - Fantástico
Nota: 9/10 - Fantástico
9/10
Total Score iFantástico
Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

Google suspende gerador de imagens IA Gemini após comportamento racista

Próxima publicação

Iigor retorna para si no álbum  “casa”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir