Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

Os Vampiros de Salem (1979)

Um romancista retorna à sua cidade natal para escrever sobre uma antiga mansão que o assombra, mas descobre que talvez um vampiro viva lá.

Stephen King: Do Professor ao Mestre do Horror

No início de sua carreira, enquanto a fama ainda não o havia abalado, Stephen King (1947) conciliava o trabalho de professor com a paixão pela escrita. Em uma aula sobre fantasia e ficção científica, ele propôs aos seus alunos a análise do clássico “Drácula”, de Bram Stoker.

Ao preparar o material para a aula, King questionou sua esposa Tabitha sobre o que aconteceria se Drácula fosse transportado para os dias atuais. Em tom jocoso, ela respondeu que o vampiro provavelmente seria atropelado por um táxi. A resposta, por mais inusitada que fosse, despertou a mente criativa de King, servindo como a fagulha que deu origem a Salem’s Lot, seu segundo romance, publicado em 1975.

Mais do que uma simples história de vampiros, Salem’s Lot explora temas como paranóia, segredos obscuros, casas mal-assombradas e a natureza enganosa das pessoas. A obra foi um sucesso estrondoso e rendeu sua primeira adaptação para a televisão, dirigida por ninguém menos que Tobe Hooper (1943-2017), o lendário diretor de O Massacre da Serra Elétrica.

Quase 40 anos após sua estreia, a minissérie continua a cativar e aterrorizar o público, consolidando-se como um marco na história do horror televisivo e um tributo à mente brilhante de Stephen King, o mestre do terror que transcende as fronteiras da literatura e conquista a imaginação de milhões de pessoas ao redor do mundo.

Salem’s Lot (1975) foi o segundo romance de King e esta produção marcou a segunda adaptação para as telas de uma obra do autor, seguindo a versão de grande sucesso de Carrie, a Estranha (1976) dirigida por Brian De Palma (1940). Por um tempo, Salem’s Lot flertou com a possibilidade de se tornar um filme para o cinema, tendo nomes como George A. Romero (1940-2017), diretor de A Noite dos Mortos-Vivos (1968), e Larry Cohen (1936-2019), diretor de Nasce um Monstro (1974), associados à sua produção.

O ano de 1979 trouxe um renascimento do filme de vampiros, que também incluiu filmes como o remake de Drácula, de Frank Langella (1938), o remake de Nosferatu, o Vampiro, de Werner Herzog (1942), o filme do morcego assassino Terrores da Noite, o filme disco Nocturna: A Neta do Drácula, a paródia de Drácula, Amor à Primeira Mordida e a comédia sexual O Conde Drácula na Baviera, provaram o ímpeto para permitir que Salem’s Lot decolasse como uma minissérie de TV em duas partes. A direção acabou indo para Hooper, e foi a primeira produção mainstream dele em Hollywood após o sucesso cult de O Massacre da Serra Elétrica (1974).

Os Vampiros de Salem foi filmado entre julho e agosto de 1979. Foram 37 dias de filmagem, 14 deles dedicados à cidade de Ferndale, uma pequena cidade no norte da Califórnia convertida no Jerusalem’s Lot da trama. O custo do filme chegou a quatro milhões de dólares e marcou a entrada de Hooper no mundo dos grandes orçamentos.

Por não conter todos os elementos e situações que abundam no romance original Os Vampiros de Salem foi acusado de reducionismo. Mas devemos ter em mente que é um formato diferente, com outras dinâmicas e necessidades. De forma perspicaz, o roteiro apela ao essencial e permite licenças que serão benéficas. Entre eles, a caracterização de Kurt Barlow, o lendário vampiro, semelhante ao Drácula, interpretado por Reggie Nalder (1907-1991). A maquiagem supostamente semelhante à do Conde Orlok de Max Schreck, em Nosferatu, eine Symphonie des Grauens (1922), não só alterou a descrição do personagem que King sugere em seu livro, mas também respondeu às solicitações do produtor. Ou seja, o responsável por tal alteração foi Richard Kobritz (1939). A posteridade provou que ele estava certo. Com a encenação nas mãos de um realizador artesanal, que demonstrou capacidade de sustentar a história, com respeito pelas filmagens comerciais, se desenvolveu algumas das melhores cenas de horror já vistas.

Tobe Hooper se destacava naquela época como um cineasta hábil na releitura da tradição cinematográfica e dos gêneros cinematográficos, além de um olhar social peculiar. Aspectos que coincidem com a obra literária de Stephen King, que também mergulhou impiedosamente em sua sociedade. O terror serve como uma metáfora sombria e um reverso moral. A adesão de King à versão de Hooper permite tal relacionamento: “Quando descobri que o livro seria transformado em televisão em vez de filme, fiquei muito desapontado. A televisão tende a remover da história qualquer coisa que possa perturbar o espectador. Mas a decepção não se traduziu no produto final. Foi feito para a televisão, mas foi bem feito para a televisão.” ( Famous Monsters of Filmland , 1980, entrevista de Paul Gagné).

Ator David Soul, que faleceu este ano.

Todo o resto faz de Salem’s Lot uma boa produção. O galã David Soul, então no auge de sua popularidade com a série de TV Starsky e Hutch (1975-9), é enfadonho, mas há um excelente elenco de apoio com todos os outros criando personagens bem arredondados, especialmente a deliciosamente alegre Bonnie Bedelia (1948) que faz um impressionante transformação de professora em vampira sedutora. O melhor deles é James Mason, que parece estar se divertindo muito em seus últimos anos. A entonação seca, mas melodiosa e deliberadamente distraída de Mason se presta a uma performance de maldade surpreendentemente calculada. O desenhista de produção Mort Rabinowitz (1926-1998) também oferece um cenário memorável de uma casa mal-assombrada.

Um filme de terror em que o derramamento de sangue e outras cenas repugnantes são visivelmente omitidas, mas em que isso não é apenas compensado, mas em muito superado pela criação de uma atmosfera sombria e ameaçadora contendo as aparições literalmente horríveis dos vários vampiros que interpretam um papel na história. Apesar das limitações que surgem regularmente nos filmes de terror americanos feitos para a televisão, Hooper entregou um produto de sucesso e uma das melhores adaptações cinematográficas da obra de Stephen King, altamente recomendada para fãs de terror e vampiros.

Homenagem Póstuma: David Soul (1943-2024)

O ator David Soul, mais conhecido por seu papel na série de televisão Starsky & Hutch, morreu aos 80 anos. Sua esposa, Helen Snell, disse que ele morreu em 4 de janeiro, “após uma valente batalha pela vida na amorosa companhia da família”. “Ele compartilhou muitos dons extraordinários no mundo como ator, cantor, contador de histórias, artista criativo e amigo querido”, disse ela.

Nascido David Solberg, Soul nasceu em Chicago e sua carreira de ator remonta à década de 1960, quando se juntou ao avant-garde Firehouse Theatre em Minnesota. Ele continuou a aparecer no palco e na tela até o século XX, mas ficou mais conhecido por seu trabalho na década de 1970. Além de “Starsky & Hutch”, ele fez ainda a série “E as noivas chegam” e filmes como “Magnum 44” e “Jerry Springer: The Opera”. Soul esteve em peças teatrais na Inglaterra, enquanto morou no país. Como cantor, ele lançou vários álbuns nos anos 70 e 80, e o single número 1″Don’t Give Up on Us”.

Soul foi casado cinco vezes e foi preso por agressão e por atacar a ex-esposa Patti Carnel Sherman na década de 1980. As acusações contra ele foram retiradas depois que ele passou por um programa de liberdade condicional. Ele se casou com Snell em 2010, depois de conhecê-la oito anos antes. Soul deixa Snell e seus seis filhos – cinco filhos e uma filha.

Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

Hollow Coves abraça novo álbum ‘Nothing to loose’

Próxima publicação

Novo game de “O Exterminador do Futuro” ganha trailer e data

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir