em

Retro-noir é a principal atração de Drive

Na incrível abertura de Drive somos levados por um misterioso piloto de fugas – e uma trilha sonora apropriada – para um assalto e seu plano de escape pelas ruas de Los Angeles. Ryan Gosling vive o tal piloto cujo nome não é mencionado, que em horario comercial trabalha como dublê de motorista em cenas de ação e na oficina mecânica de Shannon (Bryan Cranston, o Walter da série Breaking Bad). Explicando daí sua destreza ao voltante.

Sua vida dá indícios de melhoras com a oportunidade de se tornar piloto de corridas e, principalmente, ao se apaixonar por sua vizinha Irene (Carey Mulligan, sensível e inocente). Mas como esmola demais é bobagem, no meio do caminho para a felicidade aparece Standart (Oscar Isaac), o marido de Irene, solto da cadeia depois de alguns anos pagando pelo crime de roubo.

Assim como na pista e nas fugas, Drive apresenta as ações e reações do castelo de cartas onde construímos nossas vidas.

Confira no trailer:

Com um roteiro interessante, mas batido, Drive se destaca principalmente pelo estilo retro-noir, e é no capricho visual que o diretor dinamarques Nicolas Winding Refn prefere apostar todas suas fichas, mesmo em detrimento à credibilidade da narrativa. A começar pelo protagonista, que usa uma jaqueta brilhante com um escorpião dourado nas costas, todos personagens do filme parecem saídos de filmes dos anos 80 ou produções de Quentin Tarantino. A trilha sonora de Cliff Martinez não fica nada atrás, abusando de sintetizadores que lembram muito o europop da década.

Como o demônio se esconde nos pequenos detalhes, em Drive são justamente as falhas de roteiro e narração que comprometem o resultado final. O exemplo máximo está no próprio protagonista, que oscila durante o filme como monossilábico e uma pessoa tranquilamente desenvolta, além de se tornar uma espécie de Jason Bourne sempre que surge oportunidade, mesmo pregando para seus clientes que não utiliza armas.

Felizmente no saldo do filme ainda estão Ron PerlmanAlbert Brooks e Christina Hendricks.

[xrr rating=3/5]

alguém opinou!

Deixe sua opinião!

Participe com sua opinião!

Ímpar

Publicado por Salvador Camino

ModeradorVerificadoPromotor(a)EscritorGamerRepórterMusicistaFotógrafo

“Não Sei Como Ela Consegue” e sua síndrome de Malu Mader (!) …

Contra as cegonhas pelos Gambás