Festival do Rio: The Runaways – As Garotas do Rock

Se não fosse a grande jogada de marketing e porque não a escolha do elenco, creio que The Runaways – As Garotas do Rock passaria batido nesse Festival do Rio e iria direto para as prateleiras de lojas e videolocadoras.

true head ambrosia

Por isso mesmo a escolha de Kristen Stewart e Dakota Fanning para encabeçar o elenco foi primordial para que o longa tivesse um algum reconhecimento.

O filme conta a breve história de sucesso da banda “The Runaways”, formada apenas por garotas adolescentes na década de 70 nos EUA. A banda teve muitas formações, mas são Joan Jett (Kristen Stewart), Cherie Currie (Dakota Fanning), Sandy West (Stella Maeve), Lita Ford (Scout Taylor-Compton) e Robin (Alia Shawkat) as mais retratadas no longa.

TheRunawaysMovie2

Joan uma rockeira de berço desiste de tentar aprender notas básicas e passa a criar seu próprio som. Ela então conhece o produtor musical Kim Fowley (Michael Shannon) que a apresenta a Sandy West, futura baterista da banda. Mas o produtor acha que ainda falta alguma coisa para a banda deslanchar e eles começam uma busca atrás de mais uma integrante, uma vocalista.
Eis que eles encontram Cherie Currie numa boate local e a convidam para um teste em seu “estúdio”, um trailer caindo aos pedaços no meio do nada. Irritado com a falta de sensualidade da menina (todas tinham 16 anos ou menos) ele escreve uma música ali na hora para ajudá-la a se soltar, e assim nasce “Cherry Bomb” um grande hit da banda.

Durante várias semanas Fowley ensina as meninas a como ser agressivas para poder aguentar a pressão de trabalhar em um mercado musical, ainda exclusivo dos homens. Joan é a líder da banda e quem as guia durante suas várias empreitadas ao sucesso. Logo ela se torna muito amiga de Cherie, e as duas mergulham de cabeça no mundo da música, regada a drogas, sexo e rock ‘n’ roll. Apesar da pouca idade elas vivem e se portam como adultas. Devido a toda publicidade em cima de Cherie, elas embarcam numa turnê relâmpago para o Japão.

runaways

A essa altura Cherie já está completamente viciada e não consegue mais separar realidade da fama. Após a volta para casa, a banda não resiste aos ataques de estrelismo de Cherie e ela deixa a banda durante a gravação de seu segundo disco. Ela tenta voltar a uma vida normal, mas sem muito sucesso.

Joan não desiste e a banda segue por mais um tempo até 1978 quando rompem de vez com seu empresário Kim Fowley. Ela então monta sua própria banda Joan Jett and The Blackhearts. Depois de ter seu disco recusado por 23 gravadoras, ela monta a sua própria em 1980 e emplaca verdadeiros sucessos como “I Love Rock ‘n’ Roll” e “Bad Reputation”.

Cherie Currie travou uma verdadeira batalha contra as drogas e nunca mais voltou a cantar em outra banda. Tentou seguir a carreira de atriz, que não lhe rendeu bons frutos. Hoje em dia ela administra um centro para jovens que sofrem de dependência.
Kim Fowley produziu outras bandas de sucesso na época como Blondie e Suzi 4. Pode ser visto até hoje andando nas ruas de Hollywood com seu cabelo verde.

No quesito atuação as meninas convencem como estrelas do rock e até arranham os vocais. Stewart finalmente consegue um papel mais expressivo para a sua carreira como a líder da banda. Mas isso se deve ao laboratório que ela teve com a verdadeira Joan Jett antes e durante a gravação do filme. Fanning é sensual, louca e juvenil na medida certa, assim como deveria ser a verdadeira na época.

Os figurinos são fantásticos e conseguimos até reconhecer algumas peças clássicas do rock, como a camisa da banda Sex Pistols customizada pela Joan Jett. As músicas tocadas no filme vão alegrar muito os fãs do rock daquela época, pois tem muito David Bowie, Sex Pistols entre outros. A fotografia é um tanto interessante, principalmente na hora das apresentações, mas em algumas momentos lembra muito o estilo do seriado das Panteras.

The Runaways Poster

The Runaways – As Garotas do Rock é um filme rápido e direto em seu próposito. Contar o sucesso meteórico que uma banda de meninas rockeiras viveu intensamente, deixando sua marca no mundo do rock.

Total
0
Shares
Comments 5
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ant.
Festival do Rio: Filho da Babilônia

Festival do Rio: Filho da Babilônia

O antigo reino da Babilônia se tornou imortal na memória humana pelas leis do

Próxima
Patópolis, de Marcelo Coelho

Patópolis, de Marcelo Coelho

Patópolis, um texto audacioso, numa mistura ficção, memória e ensaio

Você pode gostar