Sony World Photography passa vergonha ao premiar fotografia criada com inteligência artificial

16
0

O Sony World Photography Awards é um dos mais prestigiados concursos anuais de fotografia que conhecemos. Com ampla cobertura mundial para seus vencedores, é um prêmio que muitos fotógrafos profissionais e amadores participam. Ganhar um ou mais prêmios de sua categoria pode ser um estímulo para a carreira de um fotógrafo.

Mas um resultado específico no recém-anunciado Prêmio de Categoria Aberta do concurso de 2023 acabou de chocar a internet, e isto nos faz questionar o processo de julgamento e o futuro dos concursos de fotografia em geral.

A competição aberta do Sony World Photography Awards de 2023 foi gratuita. Havia 10 categorias que os participantes podiam escolher. Um dos principais critérios para entrar nesta categoria era que as imagens precisavam ser tiradas em 2022. Das possivelmente centenas, senão milhares, de inscrições, quatorze imagens chegaram à lista final da categoria Criativa da competição Aberta.

Finalistas Sony World Photography categoria ‘Criativa’

O artista alemão Boris Eldagsen foi eleito o vencedor da categoria Criativa em um comunicado à imprensa que o TPB recebeu em 14 de março. Ele ganhou por sua imagem “PSEUDOMNESIA | O Eletricista, “um assombroso retrato em preto e branco de duas mulheres de diferentes gerações, reminiscente da linguagem visual dos retratos de família dos anos 1940”. Inegavelmente, a imagem vencedora evoca memórias de fotos que vi de meus avós em seu apogeu, bem como de meus pais de algumas décadas atrás.

O problema

Dê uma olhada na imagem vencedora de Boris. Principalmente a textura da pele (ou a falta dela) e os detalhes nos dedos. Não porque foi tirada com uma câmera muito antiga ou usando uma lente vintage…

O próprio Boris Eldagsen apareceu e afirmou após o anúncio do resultado da vitória que esta não é uma fotografia. É uma imagem gerada por uma ferramenta de inteligência artificial da empresa Open AI, também responsável pelo famoso ChatGPT. É realmente chocante que o Sony World Photography Awards não tenha notado isso.

Em entrevista à publicação Talking Pictures, Boris afirma que enviou um e-mail ao comitê de premiação dizendo abertamente que sua imagem não era uma fotografia, mas uma criação de IA.

Para ser justo com Boris, ele mostrou claramente que há um problema na indústria da fotografia. Para começar, a maioria das pessoas tem dificuldade em distinguir imagens geradas por IA de fotografias (pelo menos à primeira vista). Em alguns meses, provavelmente ficará ainda mais difícil determinar diferenças críticas. Com essa intenção, Boris afirmou que deseja que os organizadores do concurso de fotografia tenham categorias separadas para imagens de IA.

Sim, ele inscreveu uma imagem de IA na competição, mas não parece que ele pretendia fraudar ninguém. Ele queria destacar um assunto que certamente precisa de muito mais atenção de todos.

A verdade estava fadada a aparecer logo após os anúncios. Como a imagem de Boris conseguiu chegar tão longe no concurso? Na verdade, ele mostrou claramente que até mesmo fotógrafos experientes e especialistas em arte podem ser enganados. É essencial perceber a questão-chave aqui.

Onde está a diligência?

Qualquer concurso de premiação de fotografia com alguma credibilidade precisa ter um conjunto específico de etapas para determinar a autenticidade de uma imagem. Para uma competição mundial desta escala, os juízes certamente não podem inspecionar cada entrada centímetro por centímetro com 100% de ampliação. No entanto, você pensaria, sendo um concurso de tal reputação, que o comitê de jurados teria pedido os arquivos brutos dos fotógrafos pré-selecionados. Isso deveria ser o mínimo que deveria ter sido feito antes do anúncio dos vencedores. Os fiascos anteriores não nos ensinaram que isso é absolutamente necessário agora? Se isso tivesse sido feito, a inscrição de Boris teria sido desqualificada com bastante antecedência. Isso abriria outro lugar para uma lista e vencedor dignos.

É preciso ter mais clareza no processo de julgamento dos resultados deste ano. Agora há um holofote indesejado sobre todo o processo, e com razão, porque surgiu claramente a questão sobre quais medidas foram tomadas para garantir que os participantes tivessem os direitos autorais de suas inscrições. Apenas fazer com que eles assinem um formulário não é suficiente. Pelo menos quando se tratava das inscrições finais pré-selecionadas, mais deveria ter sido feito.

E quanto as outras fotografias?

Quantas outras imagens inscritas não são fotografias reais no Sony World Photography Awards de 2023? A responsabilidade recai sobre o SWPA para esclarecer isso e não se apressar em anunciar os vencedores gerais. Já houve uma série de imagens geradas por IA vencendo concursos de fotografia este ano, embora em concursos menores. Permitir que uma imagem de IA ganhe o World Photography Awards não é algo que fotógrafos sérios levariam a sério. Outro ponto-chave é que isso abre o campo de jogo para qualquer um digitar algumas palavras em um programa de IA e gerar um vencedor em potencial.

Onde está a justiça em permitir que tais imagens sejam inseridas em concursos de fotografia? Isso é tão ruim quanto deixar alguém executar uma ação de “pincel” em uma foto no Photoshop e imprimi-la na tela como uma entrada para um concurso de arte. Julgar um concurso de prestígio é um privilégio e não algo que deva ser encarado levianamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *