Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

E3: Os planos da Sony para o Brasil

ps3_amb

Depois de muitas revelações, trailers e especulações, a poeira abaixa e conseguimos extrair “algo mais” da E3, que não diz respeito à jogos, inovações na jogabilidade ou novos consoles. Ao menos, não diretamente. É com muita satisfação que publicamos aqui a declaração oficial da Sony sobre seus planos para América Latina, e isso meu caro, atinge diretamente o nosso país. O anúncio de que a linha PlayStation chegará ainda este ano no Brasil – incluindo os consoles PS2, PS3 e PSP – foi confirmada por Mark Stanley, diretor e gerente geral da Sony para a América Latina.

O objetivo da empresa é fazer com que o investimento no país diminua os impostos sobre videogames que chegam à preços absurdos por aqui. A Sony declarou que pretende fabricar o PS2 e jogos do mesmo no país, com o intuito de usufruir dos benefícios fiscais que a escolha oferece. Em entrevista à UOL Jogos, Stanley esclareceu algumas questões:

UOL: Os preços dos jogos serão menores por serem fabricados no Brasil?

Mark: A pirataria é um problema global, mas parte da solução envolve educar o consumidor sobre os benefícios de adquirir o produto original. Porém, parte de nossa responsabilidade é tornar os games mais acessíveis.

Logo, tal qual estamos fazendo com o hardware, fabricar o software no Brasil diminuirá o preço final entre 20% e 30% em relação ao que é praticado atualmente. Este é o nosso objetivo.

UOL: O PlayStation 3 pode se dar bem no Brasil mesmo com os altos impostos?

Mark: Esta é a nossa maior preocupação. É muito difícil para nós entrar em um mercado onde a barreira é tão alta. Queremos diminuir essa barreira para dar aos consumidores maior acesso aos consoles – e não apenas aqueles que vendemos, pois estamos trabalhando junto com o Governo para diminuir as barreiras de entrada.
Os altos impostos apenas prejudicam o mercado, já que incentivam o mercado paralelo e ilegal, que traz os consoles de países como o Paraguai. Com uma carga tributária menor, todos ganhariam, do Governo ao consumidor.

UOL: E sobre a PlayStation Network? Como funcionará no Brasil?

Mark: Ainda não temos uma data para o lançamento da PlayStation Network no Brasil e é provável que o console comece a ser vendido antes. Queremos lançar a PSN pouco tempo depois, mas ainda não temos uma data final.
O time por trás da PlayStation Network é uma equipe global, que trabalha com todas as regiões do mundo, então o processo é mais demorado.

UOL: Imagine o mercado brasileiro de games dentro de cinco anos. O que você vê?

Mark: O Brasil tem todo o potencial para se tornar o principal mercado de games da América Latina. Nos próximos três anos pode igualar o México, atual primeiro colocado, e em cinco anos pode até mesmo ultrapassá-lo.
São 200 milhões de pessoas e o PlayStation é muito popular. Temos uma grande fatia do mercado mesmo sem estarmos atuando nele oficialmente. Não é um mercado no qual estamos acostumados a trabalhar, pois a estratégia é baixar preços. Mesmo assim, o potencial é claríssimo.”

É uma excelente notícia. A estratégia da empresa está fundamentada em um desejo de educar o povo brasileiro sobre as vantagens de se adquirir produtos originais. Será o fim da pirataria? Não. Mas que a ação da empresa japonesa só trará benefícios aos consumidores do país, enquanto à isso não há dúvidas. Para conferir a entrevista na íntegra clique aqui.

Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

E3: Trailer de Need For Speed SHIFT

Próxima publicação

Capa de Batman & Robin #4

Comentários 5
  1. Finalmente uma boa notícia!
    Infelizmente o PS3 ainda não será fabricado no Brasil, e portanto o preço não deve cair.

    O PS2 por sua vez vai se tornar muito acessível, o preço dos jogos originais deve cair pra algo em torno de R$ 30,00.

    1. Lembrabdo que praticamnete pararm de produzir jogos de PS2 e que a única grande vantagem em pagar 30 contos por um jogo que vc já jogou é dele ser todo em português. Me dá uma certa aflição pensar a voz de Salvatore Leone, da série GTA feita pelo Lima Duarte ou pelo Miguel Falabela.

      1. Certamente as vendas do PS2 não serão absurdas, pois a época do console já passou.

        Eu provavelmente vou comprar alguns jogos originais de PS2 pra jogar no meu PS3, pois os piratas não funcionam. Mas eu sou um caso específico.

        Quanto à dublagem/legendagem, acho que a gente tem que parar com esse preconceito de achar que vai ser ridículo. Eu joguei Uncharted dublado em português de portugal e ficou divertidíssimo, a dublagem foi uma atração à parte do jogo, eu ria só de ouvir os personagens conversando.

        Claro que dublado no nosso português não vai ficar engraçado desse jeito. Mas vai ser muito bom pros jogadores que não falam inglês (que são a maioria dos brasileiros).

        Fora isso, acho improvável que realmente dublem os jogos aqui. Isso envolve mais trabalho e contratar mais gente. É mais fácil pagarem pra uma pessoa só legendar o jogo em português, o que já é uma coisa boa.

      2. Concordo com o André. Acho que temos de deixar o preconceito de lado e ver que isso é uma excelente notícia para o nosso país. Sem contar que a maioria dos Brasileiros não tem um PS3 ainda… Muitos ainda compram PS2, ou você acha que a Sony está investindo nisso à toa. Estes planos acontecem depois de muitos estudos de mercado. É evidente que esta investida só será feita porque dará lucro à empresa… Ainda é cedo realmente para Sony se preocupar com PS3 e PSN no Brasil. Mas virá, como já foi confirmado. =)

  2. Gostei, se lançarem meus títulos favoritos sou capaz de comprar apenas para ter. Agora seria realmente muito bom se a Sony investisse na montagem do PS3 para derrubar o preço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir