em

Pocket Games: Triple Town

Com uma fusão de estilos extremamente interessante, Triple Town encanta e consegue seu lugar no hall de jogos mobile mais viciantes já feitos, muito embora faça uso de uma estratégia no mínimo desonesta de venda. Não se engane ao procurar o jogo na App Store ou na Market Place, e encontrar o título disponível gratuitamente. Se baixar estará caindo em uma espécie de armadilha. Jogará livremente durante um bom tempo – muito provavelmente sendo fisgado pelo contagiante gameplay – sem saber da existência de uma versão completa, infelizmente.

O conceito do game e de sua astuta armadilha é muito bem pensado. Você possui um terreno pré-determinado como em um título de CMS (Construction and Management Simulation – como em Age of Empires e Caesar), devendo construir, a exemplo destes jogos, coisas pelo cenário a fim de atrair moradores – a diferença é que em Triple Town você não escolhe o que construir, tudo é feito aleatoriamente. É quase uma fusão de Tetris e um título qualquer de CMS em menor escala. Por exemplo, você começa plantando um pequeno gramado; ao agrupar três gramados alinhados em seqüência, formará um arbusto; três arbustos formam uma árvore; três árvores um chalé, e assim por diante. Quanto mais sofisticada for sua cidade, mais pontos se ganha, e ao final de cada partida, conforme o nível de desenvolvimento do local, uma quantia em moedas virtuais será creditada à sua conta. Elas poderão ser usadas para comprar os mesmos itens que você já usa normalmente no jogo, com a vantagem de manipular por um instante o fator caótico com que cada elemento aparece.

Quando mencionei armadilha no parágrafo anterior, me referia a uma pequena restrição não discriminada no rápido tutorial que abre o game. Existe uma quantidade limitada de turnos gratuitos, da maneira que uma vez que eles se esgotam, é necessário comprar mais um pacote de turnos (200 turnos custam 950 moedas virtuais; turnos ilimitados curtam US$ 3,99 – o valor da versão full, portanto) ou então esperar uma barra de loading propositalmente lenta carregar. A estratégia é interessante, embora muitos jogadores se sintam “traídos” com tal limitante; duas versões do jogo seriam mais honestas, neste caso.

Tirando este demérito, o game é extremamente competente no que propõe. Alinha muito bem belos gráficos ao gameplay eficiente, sendo original ao fazê-lo summonar ursos gigantes responsáveis por aterrorizar os moradores. Os bichos funcionam do mesmo modo que todo o resto, exceto que neste caso é necessário encurralar a criatura para matá-la e criar automaticamente uma lápide em sua honra (três delas resultam em uma igreja, como era de se esperar).

Confira o gameplay do jogo abaixo:

É impossível não experimentar e se viciar completamente. Mas, fica aqui o aviso: o jogo custa US$ 3,99, e está disponível para iOS e Android.

Participe com sua opinião!

Audaz

Publicado por Rafaell Reboredo

Alcatraz – Mais uma louca criação de JJ Abrams

O que seria de “Sherlock Holmes: O Jogo das Sombras” sem Downey Jr?