em

Conheça alguns fatos curiosos sobre Neuromancer, livro que criou o conceito Cyberpunk

Neuromancer, romance de William Gibson publicado em 1984, inaugurou o gênero e a estética cyberpunk contando a história de um hacker futurista trabalhando em um ambiente virtual conhecido como “ciberespaço”.

Com suas imagens alucinógenas, futuro decadente, e temas orientados para a computação, Neuromancer mudou a cara da ficção científica e influenciou um sem número de títulos não só na literatura quanto nos quadrinhos e no cinema, de Akira a Matrix.

neuromancer - nr 6 - Conheça alguns fatos curiosos sobre Neuromancer, livro que criou o conceito CyberpunkNo ano passado a Editora Aleph lançou uma edição comemorativa dos 30 anos da obra, contendo prefácio do autor escrito especialmente para o público brasileiro, três contos inéditos no Brasil e ambientados no universo Sprawl: “Johnny Mnemônico”, “Hotel New Rose” e “Queimando Cromo” (o​s contos trazem personagens e eventos presentes no livro), além de uma ​entrevista de Gibson concedida ao escritor e crítico literário Larry McCaffery.​

Aqui vão alguns fatos interessantes sobre a criação do livro.

 

Venda antecipada

O editor Terry Carr foi contratado pela Ace Books para lançar a série de romances Ace Science Fiction Specials. A estratégia da Carr envolveu um punhado de autores de ficção científica, conhecidos por seus contos, e foi oferecido a eles publicar um romance. Quando Carr perguntou a Gibson, ele concordou mesmo sem ter um esboço, um título, ou mesmo uma idéia sobre o que escrever.

Inspiração nos contos

neuromancer - nr 4 - Conheça alguns fatos curiosos sobre Neuromancer, livro que criou o conceito CyberpunkNeuromancer é baseado nos contos de Gibson. Dado o curto período de tempo que ele tinha, Gibson decidiu escrever seu romance baseado em histórias que tinha criado anteriormente. O Sprawl apareceu pela primeira vez em seu conto “Queimando Cromo”, e Molly Millions apareceu pela primeira vez em sua história “Johnny Mnemônico”.

Inexperiência em romances

Gibson não tinha a menor ideia de como escrever romances. Já havia escrito e publicado vários contos antes de Neuromancer, mas era tão inexperiente nas narrativas longas que nem sabia quantas páginas deveria usar. Ele teve que perguntar a alguns amigos escritores quantas páginas ele precisaria. Quando lhe disseram “umas trezentas páginas”, ele ficou apavorado.

Pânico

Gibson se descreveu no processo de escrita como “um animal cego em pânico.” Ele levou três meses para escrever seus contos, então ele pensou um romance levaria quatro ou cinco anos. No entanto, o seu contrato exigia a novela pronta em um ano. Seu objetivo nunca foi o de escrever um romance aclamado, mas apenas para produzir algo publicável.

Reescrevendo

Gibson estava com tanto medo de perder o leitor que reescreveu os primeiros dois terços do livro doze vezes.

Neuromancer vs. Blade Runner

neuromancer - blade runner - Conheça alguns fatos curiosos sobre Neuromancer, livro que criou o conceito CyberpunkGibson tinha escrito um terço do livro quando foi assistir ao marco cyberpunk no cinema “Blade Runner”. Em vinte minutos de filme, Gibson concluiu que estaria arruinado, pois todo mundo pensaria que sua linguagem visual foi tirada do filme de Riddley Scott. Para sorte de Gibson, Blade Runner foi mal nas bilheterias na época de lançamento, sobretudo nos EUA.

Gibson não queria uma trilogia

neuromancer - nr 1 - Conheça alguns fatos curiosos sobre Neuromancer, livro que criou o conceito CyberpunkEle acrescentou a frase final do romance (“Ele nunca viu Molly novamente”) no último minuto. A sentença foi concebida para ser uma tentativa deliberada para não ter que escrever uma sequência de Neuromancer, porque achava que iria de certa forma diminuir sua obra. Mais tarde, Gibson escreveu duas continuações, Count Zero e Mona Lisa Overdrive.

Exclusão digital

Gibson não sabia nada sobre computadores quando ele escreveu Neuromancer. Ele escreveu o romance em uma máquina de escrever manual, e nunca tinha visto um computador de verdade antes. Ele realmente credita à sua ignorância em informática o sucesso do livro, porque ele foi capaz de romantizá-la. Quando ele finalmente teve um computador, ficou desapontado pela forma como parecia normal.

Tríplice Coroa

Neuromancer tornou-se o primeiro romance para ganhar o Hugo, a nebulosa, e o Prêmio Philip K Dick. O Mail & Guardian descreveu a conquista como “versão do escritor de sci-fi de ganhar os prêmios Goncourt, Booker e Pulitzer no mesmo ano.”

Gibson Teria previsto o Ciberespaço

neuromancer - nr 2 400x200 - Conheça alguns fatos curiosos sobre Neuromancer, livro que criou o conceito CyberpunkNão raro se diz que o termo “ciberespaço” ganhou popularidade a partir de Neuromancer. No entanto, Gibson não inventou o termo com o livro. Na verdade, ele primeiro cunhou o termo “ciberespaço” em “Queimando Cromo”

Coisa de adolescente

Hoje, Gibson é crítico em relação à sua obra mais famosa. Gibson se refere a Neuromancer como “livro de um adolescente”, e mais tarde disse sobre o seu eu mais jovem, “eu lhe compraria uma bebida, mas não sei se eu lhe emprestaria algum dinheiro.”

6 opinaram!

Deixe sua opinião!

Deixe sua opinião

Avatar Samurai

Publicado por Cesar Monteiro

Escritor