Destino Varanasi: trechos do livro de Patricia Ruhman Seggiaro

Destino Varanasi: trechos do livro de Patricia Ruhman Seggiaro – Ambrosia
Libro Pach

Patricia Ruhman Seggiaro nasceu em 1965 em São Paulo, Brasil, onde passou a sua infância e juventude. Viveu alguns anos em Londres e Nova York, com seu marido, antes de se estabelecer na Argentina, onde reside nos arredores de Buenos Aires. Advogada, é apaixonada pela literatura, pela história, pela arte, o contato diário com a natureza. “Destino Varanasi” (Editora Paraquedas, 2023) é o seu primeiro romance; a obra foi lançada anteriormente na Argentina em espanhol e está disponível nas livrarias locais como “Camino a Varanasi”.

(Trecho do Capítulo 1)

“Os últimos dias em Nova Déli tinham sido decepcionantes. Em vez de se deparar com as imagens exóticas que povoam a internet e de se envolver por aromas estimulantes, naquele exato momento Pedro se sentia simplesmente desiludido.

Até então, ainda não tinha tropeçado com nenhum labirinto de ruas caóticas, cheias de vida e energia; pelo contrário, na sua primeira parada na Índia, enfrentava-se com uma metrópole imponente e interminável, de amplas avenidas, palacetes majestosos e edifícios governamentais que tinham muito em comum com as grandes capitais latino-americanas das quais desejava escapar. Parecia-lhe impossível se orientar, localizar norte ou sul, identificar o sol, uma estrela, algum ponto de referência para começar a se apropriar da cidade ou, pelo menos, tentar. 

Uma imensa decepção o invadiu; era-lhe impensável diferenciar bairros, avenidas, bulevares, apesar das placas em azul com nomes em letras desenhadas em um idioma local e, com um pouco de sorte, às vezes também em inglês. Localizar estações de metrô e paradas de ônibus era como encontrar uma agulha no palheiro. E, como se isto não fosse pouco, a distância era enorme entre os lugares turísticos, significando muitas vezes atravessar a imensa capital de ponta a ponta, consumindo horas improdutivas. Se havia algo que Pedro detestava, era desperdiçar tempo! 

Sentia-se frustrado, desorientado e só. Ficava profundamente perturbado só de pensar que, desde o início da viagem, teria que se esforçar por manter sua sensatez e autocontrole ante situações que excediam sua paciência.”

***

(Trecho do Capítulo 5)

“Alguns anos antes, um pouco depois de retornar da última expedição aos Gelos Continentais, Pedro leu na Internet um relato minucioso de um jovem israelense sobre seu trajeto de mais de dois mil quilômetros pelo Ganges. Viajando alguns trechos de barco, outros de trem, outros de ônibus e também caminhando, Noah tinha começado na própria fonte do rio sagrado, nos gelos eternos dos Himalaias ocidentais, para depois atravessar povoados e grandes cidades, com o objetivo de registrar a contaminação das águas, até chegar à desembocadura no Golfo de Bengala. Durante o percurso, entre outras aventuras, presenciou o festival Kumbh Mela, uma das mais antigas concentrações religiosas do mundo, celebrado de três em três anos, alternadamente em quatro cidades sagradas do leste da Índia, reunindo milhões de pessoas do país inteiro, durante quase cinquenta dias. 

O relato de Noah, especialmente sobre a descrição dos fiéis submersos ao amanhecer nas míticas águas para se livrarem de seus pecados e terem certeza de estarem encaminhados à salvação, tinha chamado a atenção de Pedro. Suas palavras permitiam perceber uma visão sensível que tinha tocado fundo Pedro e por isso finalmente decidiu entrar em contato com ele. Depois de uma troca inicial de mensagens, quando Noah se familiarizou com a obra e o estilo fotográfico de Pedro, estabeleceram uma conversa fluida, apesar dos doze mil quilômetros de distância e que duraria meses. 

Com o tempo os dois construíram uma sólida amizade, como antes tantos outros desconhecidos através de intercâmbios epistolares entre países e, às vezes, continentes diferentes. Desde o primeiro momento, Pedro se identificou com o israelense por interesses e preocupações comuns, a visão do mundo e do futuro, a sólida postura sobre recursos naturais, desperdiçados pelo homem contemporâneo de maneira irresponsável. Além das diferenças que naturalmente os separavam, sentia que podia confiar no seu companheiro.”

***

(Trecho do Capítulo 6)

“Nina tinha crescido em um ambiente tranquilo e privilegiado; não tinha nunca experimentado as penúrias da discriminação que indivíduos em condições socioeconómicas distintas da sua sofriam, até que chegou à idade adulta e iniciou sua vida profissional em um clima competitivo e dominado, naquele então, pelo sexo oposto. Mesmo sendo brasileira, sua aparência se distanciava muito do estereotipo feminino de seu país; a cor da pele e os olhos claros, herdados de sua mãe, combinados com o cabelo castanho e encaracolado proveniente do lado paterno, diferiam diametralmente dos da população mestiça brasileira. Tinha estudado em um tradicional estabelecimento escolar da cidade de São Paulo, e crescido em uma confortável bolha social, da que saiu somente aos dezessete anos quando entrou na universidade pública para estudar Direito. 

Parvati, a esposa do proprietário da pousada Pathik Niwas, tinha o cabelo negro e sedoso, cortado abaixo dos ombros, o que lhe dava um certo ar ocidental e contemporâneo. Porém, contrastava com sua vestimenta, um sári tradicional indiano verde-esmeralda, que realçava seus olhos grandes e escuros. Seu nome era o mesmo de uma das principais deusas hindus: a deusa da força interior, esposa de Shiva, deus da destruição e da natureza, reconhecida como protetora do mundo e mãe de dois filhos indiscutivelmente diferentes: Ganesh, deus da sabedoria, representado por uma cabeça de elefante e por um corpo humano, e Skanda, deus da guerra, com seis cabeças e geralmente representado sobre um pavão real.

— Meus pais me ensinaram a seguir o exemplo da deusa Parvati, a interceder equilibradamente, a ser paciente com as diferentes pessoas que cruzam o nosso caminho — explicou. 

Casada há vinte e três anos, tinha conhecido seu marido alguns dias antes dos festejos matrimoniais e conversado com ele durante somente vinte minutos antes de iniciar a vida de casados. A escolha dos candidatos tinha recaído em suas respectivas famílias, que buscavam a melhor alternativa dentro da mesma casta, condição econômica e priorizando horóscopos e a carta astral dos noivos. Nina sabia que, em civilizações ancestrais como a Índia e a China, estes documentos, traçados com base na posição dos astros no momento do nascimento de cada pessoa, procuravam entender as características predominantes em cada indivíduo, esclarecer a compatibilidade entre familiares e terceiros, desenhando um mapa que refletisse os conflitos internos e as atitudes de cada pessoa. 

Era difícil entender como Parvati e seu esposo tinham conseguido conviver durante décadas e criar dois filhos e duas filhas, sem terem a oportunidade de se conhecerem previamente, e sem terem nenhuma certeza de que poderiam desenvolver uma relação de afeto e respeito. Nina tinha compartilhado parte de sua vida com outras pessoas, em duas oportunidades: uma, ainda jovem, durante seis meses; outra, já mais madura e durante quase cinco anos. Em ambas as ocasiões, apesar de ter vivido experiências significativas, por diversas razões não tinha conseguido preservar a convivência.”

Total
0
Links
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ant
Camilo Solano estreia nos palcos em São Paulo
Camilo Solano

Camilo Solano estreia nos palcos em São Paulo

O cantor, compositor e quadrinista Camilo Solano faz seu primeiro show ao vivo

Prox
Uca Uca Uca, Força na Peruca canta os 185 anos de Brotas
Uca Uca Uca, Força na Peruca canta os 185 anos de Brotas – Ambrosia

Uca Uca Uca, Força na Peruca canta os 185 anos de Brotas

No ano em que completa 26 anos, o tradicional bloco carnavalesco Força na Peruca

Sugestões para você: