em

Novas e velhas estórias em Jürgen de James Branch Cabell

Um clássico negligenciado que merece uma edição em português

O escritor James Branch Cabell (1879-1958) foi considerado por todos os intelectuais ao longo dos anos 1920 e 1930 como um dos maiores romancistas de seu tempo. E de fato, um eminente candidato a receber o Prêmio Nobel, Cabell foi aclamado por escritores contemporâneos como Mark Twain ou F Scott Fitzgerald.

O autor pode ser esquecido hoje, mas foi uma das figuras verdadeiramente seminais dos gêneros de sci-fi e fantasia, Robert Heinlein (Tropas Estelares) e Jack Vance (Inédito no Brasil) começaram suas carreiras tentando, sem nenhum esforço, imitá-lo; Michael Moorcock, Ursula Le Guin, Fritz Leiber, Gene Wolfe, John Brunner, Neil Gaiman e Terry Pratchett são apenas alguns outros escritores que foram influenciados por ele.

Em um período turbulento, atormentado por revoluções e onde os avanços científicos destruíam de uma maneira que logo estariam contra o próprio homem, Cabell reivindicou o papel da fantasia em suas narrativas contra a literatura de vanguarda, que achava pedante, e o realismo materialista, que o chateava.

O trabalho mais famoso de Cabell, embora não considerado universalmente sua obra-prima, foi um pequeno e estranho romance, Jürgen, A Comedy of Justice, que li recentemente ao ganhar alguns livros em espanhol. Ainda inédito em nosso país, algo que espero que seja remediado logo, é um ícone para toda uma geração, por trazer dentro de sua narrativa ficcional, meio que satiricamente e criticamente, um pouco de história moderna cultural e sociológica da sociedade americana dos anos 1920.

Jürgen, A Comedy of Justice é uma farsa sobre a vida e o destino, com um senso de humor refinado, que ridiculariza a vida cotidiana, os vícios sociais e os temas literários, embora com uma certa moralidade, o que enfraquece o resultado. Longe daquela literatura de fantasia épica tolkieniana ou do estilo espada e feitiçaria de Robert E. Howard, o livro é uma sátira que precede o mesmo gênero que poderia parodiar, com uma substância sobre a vida e o destino.

A história traz Jurgen, um penhorista medieval de meia-idade que inadvertidamente fala bem do diabo e é recompensado com uma jornada de fantasia que o coloca em intimidade com uma grande variedade de grandes belezas do passado na imaginação erudita de Cabell. E é daí que observamos é que Jurgen pode se dar bem com quase tudo, até que descobre que mesmo a intensa fantasia de Helena de Tróia não pode se igualar à humilde realidade de seu lar, à qual ele implora para voltar.

Cabell escreveu com um humor crítico, que ridiculariza a vida cotidiana, os vícios sociais e os clichês literários. O início, por exemplo, que poderia ser digno de qualquer épico, alcança o patético quando um personagem lisonjeia o diabo, que, como agradecimento e não pelo castigo, liberta-o de sua esposa irada. E referências à literatura mais clássica não faltam. Do Ciclo Arturiano, a Dante Alighieri, passando por Ulisses a Victor Hugo.

Uma fábula que abusa de maneira bem sucedida do auge das crônicas arturianas, e apresenta perspicaz e sugestivamente, que foi considerado obceno na época, uma história única de extremo erotismo entre o personagem principal e diversas personagens como a Senhora do Lago, Guenevere, Helena de Troia, entre outras. Em certo sentido, e dentro de sua originalidade, Jürgen é uma narrativa filha de seu tempo que merece uma edição brasileira e que seja descoberto por outros.

Avatar

Publicado por Cadorno Teles

Habitante das terras áridas dos vales, guerreiro aposentado que desgraçadamente foi jogado numa dimensão que ninguém acredita nele. Se tornou professor, e nos momentos livre aproveita para ler e levar livros pelo sertão. RPG, quadrinhos, literatura e cinema estão entre seus vícios, para esquecer ou mesmo lembrar de seu mundo originário.