em

Todos falam de Crepúsculo

crepusculoTodos têm que ter uma opinião sobre best-sellers, por mais tardia que seja. E para ter uma opinião sobre certa coisa, é necessário conhecê-la, por isso resolvi ler Crepúsculo, de Stephenie Meyer. As críticas sobre a criação da autora são muitas. Os fãs rechaçam os que falam mal dos livros, os que falam mal desprezam os fãs. Há exceções, claro, mas falo do comportamento mais freqüente. Todo esse frenesi em cima da série Twilight me deixou muito curiosa, e eu não gosto de ficar nesse estado por muito tempo. Queria logo saber se o livro era aquela grande porcaria como alguns diziam, ou se era a obra mais maravilhosa de todos os tempos. Consegui o livro por um preço que não me deixaria frustrada caso não gostasse dele, e comecei logo a leitura.

Acredito que não preciso entrar nos detalhes do que o livro trata, então pulo logo para o que achei dele. Crepúsculo é uma idéia boa, mas mal escrita. Eu realmente adorei o enredo, as situações e as personagens. Bella é muitas vezes irritante, sim, mas simpatizei muito com ela. Digamos que temos a mesma desenvoltura nos esportes. E Edward, bem, ele é simplesmente a coisa mais interessante em todo o livro. A ansiedade de Bella em estar sempre junto dele é compartilhada, com certeza, com a maioria das leitoras. Aliás, o livro seria muito melhor se fosse narrado por Edward.

Gostei também dessa nova roupagem que Meyer deu aos vampiros. Acho interessante pegar uma entidade já conhecida e transformá-la, mas isso quando são criadas personagens diferentes das que existem. Afinal, seria horrível ver Lestat andando pela rua durante o dia. Crepúsculo é, realmente, uma adaptação dos vampiros ao mundo moderno, mais precisamente ao mundo das adolescentes, e não encontrei pontas soltas na história dos vampiros de Meyer.

Agora, vamos às críticas negativas. Achei o texto de Meyer fraco. Há nele muitos erros gramaticais e repetições diversas que cansam a leitura em alguns momentos. Dá vontade de gritar “ok, eu já percebi que os Cullen são lindos, podemos pular essa parte?”. Considerei a obra um diário (o que realmente é) que decidiram publicar sem revisar antes. Parte desses erros podem ser da tradução portuguesa, mas acredito que muito disso foram falhas da autora.

Mesmo assim, Meyer conseguiu me manter presa na história, num clima de expectativa que fazia com que eu virarasse cada página constantemente. E ela sabe bem o que seu público alvo gostaria de ler: um romance cheio de provocações, suspiros e limites que tornam a trama ainda mais atraente às mulheres. Crepúsculo é assim. Sabe aquele vai ou não vai sufocante que as mulheres submetem aos homens e que os deixam com raiva? Exatamente isso. É um não me toque, um beija ou não beija incessante. Porém, gostei disso, fazer o que?

Resumindo, fico no meio termo: gostei da história, mas achei mal escrita. Fiquei com curiosidade de conhecer os outros livros e, pasmem, até de ver a adaptação cinematográfica de Crepúsculo. Sei que vou desgostar mais ainda da forma que levaram a história aos cinemas, mas verei mesmo assim. Não considero Crepúsculo uma grande obra, longe disso. No entanto, ao público a que se destina se destina, o livro serve. E eu cultivo uma pontinha de esperança de que Stephenie Meyer melhore sua escrita nos livros seguintes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

28 Comentários

  1. Confesso que Crepúsculo já me passou pela cabeça em minha lista de livros a serem lidos, porém, com todos os detalhes bem ditos de meus amigos sobre o livro sei muito bem cada detalhe do livro sem mesmo ler.
    O livro foi um ‘sucesso’ mas o tipo de leitura não me interessa.

  2. você tirou as palavras da minha boca, aquela coisa de ‘ok eu ja sei que os cullen são lindos’, e me irrita demais aquele vem nao vem da protagonista. nao estou conseguindo terminar de ler eclipse, sinceramente estou achando terrível as soluções mais cliches possíveis.
    Izzie, quando você chegar em Lua Nova, quero saber sua opinião sobre a tal voz misteriosa e a explicação da autora no final. (…) prefiro a bella longe do edward e longe do jake. aliás, bella: se toca. seja mais autossuficiente. Todos agradecem.

  3. Gostei do seu comentário, principalmente por ser imparcial. Eu li o livro pq minha sobrinha comprou e fiquei curioso. Compartilho da sua opinião, se editassem os livros tirando todas as partes em que se fala da beleza dos Cullen e do peito de mármore de Edward, teria a metade do tamanho. Lua Nova é mais monotono, mas gostei muito de Eclipse. É, acho que eu tbm fui fisgado pela trama…

  4. Izzie, simplesmente concordo com você em vários aspectos.
    Esse lance dos rodeios que a autora não para de fazer é pior que ler Machado de Assis! Mais enfim, fiz o sacrifício de ignorar essa mania irritante e terminei de ler os 4 livros.
    Gostei do lance dela ter conseguido captar a essência fantasiosa do mundo feminino, que adquirimos na adolescência e à carregamos pelo resto das nossas vidas, transformando isso em um paralelo divertido.
    Mais aviso, caso você não seja muito fã da leitura, que o livro Lua Nova será uma canseira e você simplesmente vai querer dar uma porrada nas fuças retardadas de Bella Swan; ela fica mais lesa que o normal.
    Mais pra frente, durante a leitura dos outros livros, você percebe que ela é um ‘Harry Potter’ ou um ‘Frodo’ da vida: tem a sua importância, é o personagem principal, mas é um fraco no quesito auto-estima e escoramento nos amigos!
    Tirando isso, como quase todas as outras pessoas, o livro acabou me prendendo e me senti ‘obrigada’ a ler os 4 livros e depois assistir a bosta do filme… E estou esperando pra ver os outros 2 filmes: 1 no final desse ano e o outro no ano que vêm. A Summer Entertainment ainda detem os direitos do último livro, Amanhecer, mas sem previsão de filmagens!
    É isso aí, valews!

  5. O livro pode ser resumido como “Um Fanfic de Anne Rice escrito por uma garotinha de 12 anos”

    A Adaptação de vampiros dela é simplesmente triste. Perdeu completamente a magia monstruosa dos vampiros dando lugar a algo completamente afeminado…. oque é interessante de se pensar porque mais e mais as mulheres hoje em dia procuram homens com características femininas (o contrario tb acontece)

    A adaptação cinematografia tem a vantagem de te fazer rir do começo ao fim.. o ator que faz o Edward é MUITO engraçado!

    Oque mais me enfurece no livro é a campanha “escondida” de “casem-se Virgens”….

    Numa nota um pouco mais editorial.. e certamente pessoal acho que Stephenie Meyer chega a ser um mal social. MAS … Darwin ta ai pra corrigir essas coisas 🙂

    • Não sei, tem havido uma moda de homens do tipo magro e com rostinho de criança, tanto que saiu essa semana no globo (não que isso seja uma grande prova) uma reportagem de como hoje em dia as mulheres tem procurado homens menores, com o físico mais magro; seguindo um estilo mais “saúde”(segundo eles) .

      No caso da Meyer isso faz sentido porque o público é adolescente, e esse é o homem ídolo das meninas dessa época (vide as boybands). Mas eu tenho sentido isso sim, um bom exemplo são as estrelas, o próprio Deep é uma menina magrinha que usa barba. o.õ

      Ainda que eu discorde da parte do vice-versa.

    • que mulheres preferem homens magros e franzinos?

      Ainda bem que eu não conheci nenhuma =p

      ou ficaria muito na desvantagem hahaha

      Quanto ao crepúsculo, bem, prefiro me manter sem ler.

  6. Exato, são nosso instintos primitivos em funcionamento. Mas cada pessoa é única e tem preferências próprias e de acordo com a socialização da sociedade humana.

    São dados de uma extensa pesquisa sobre comportamento feita em vários centros de pesquisa em vários países e diversas leituras que fiz a respeito. Eu bato de frente com minha orientadora que quer porque quer alegar apenas o social nas relações humanas, mas depois de um tempo ela refletiu e viu a questão instintos primitivos.

    Alguns exemplos:

    Mulheres mais novas são “melhores”, pois nosso instinto diz que elas são mais aptas para proles.

    Homens com dinheiro são “melhores”, pois podem garantir a sobrevivência da da parceira e da prole. Mas não quer dizer que ela quer ser uma acomodada, mas um homem sem condições é menos interessante.

    A questão de homens mais delicados e sensíveis é fora do período fértil, logo algumas mulheres querem “uma amiga”. No período fértil os brutos que são os escolhidos.

    Há outros dados.

    Gilson

  7. Concordo com tudo… li o livro de tanto que falavam dele. A história é boa, a idéia é legal, mas poderia ser melhor se a redação fosse mais criteriosa… tem partes em que os diálogos simplesmente me desanimam de tão pobres…

    Sobre o filme, só posso dizer que não sei como ganhou tantos premios. A adaptação é boa, mas os atores… fiasco… a Bella ficou ainda mais irritante.

  8. Comprei o livro por curiosidade e me arrependi profundamente.
    A autora não sabe seguir adiante na historia e busca soluções esdruxulascom grandes coincidencias que acontecem sem motivo aparente como a cena do acidente na escola, assim como o corte com papel de presente no segundo livro, para criar as cenas apenas para poder contar a historia. Parece um Homem-Aranha 3 versão literaria.
    Me irrita também o fato de no primeiro livro decidirem criar um conflito externo para a historia apenas no final do livro, como se precisasse criar algo sem sentido para dar uma “sabor” a trama. Engraçado que o segundo livro segue o mesmo ritmo…não acontece nada o livro inteiro para no final acontecer algo nada a ver com a historia que estava sendo contada até então…

  9. Concordo com tudo o que você disse, Izze. Também achei a história uma idéia incrível, mas incrivelmente mal escrita, mas confesso a minha curiosidade de ler Lua Nova, e adimito o meu desejo de assistir o filme, embora eu tenha detestado o primeiro. Meyer conseguiu fazer de mim uma leitora de sua obra, embora eu não gosto de sua escrita… Mas fazer o quê? Ela criou Edward Cullen.

    P.S.: Sou do Meia Palavra.

  10. A ficção sempre foi meu fraco. Quando soube que Crepúsculo estreava nas telonas me contive e disse que não veria o filme antes de ler o livro, mas não resisti. Assisti ao filme, me apaixonei, fiquei paralisado, superou todas minhas espectativas. Ao terminar de ver, corri ao shoping para comprar o livro, sim comprar o livro. Pensei: “Se o filme é tão gostoso de ver, quanto não deve ser o livro que é a fote de inspiração para o filme. Comprei e a cada frase, cada capítulo mergulho num mundo de fantasia, de suspense e ficção que é difícil não gostar de ler. E assim estou atônito perante essas obras.