Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

Triste, “Por Favor, Cuide da Mamãe” te faz repensar as relações familiares

Poucos livros conseguem ser tão tristes quanto “Por Favor, Cuide da Mamãe”. Falar de relações familiares é muito delicado, principalmente quando a pessoa em foco é aquela que lhe deu a vida ou seja, sua mãe.

cuida-da-mamãePark So-nyo tem 69 anos e se dedica integralmente a sua família desde o dia em que se casou. Um dia ao ir com o marido visitar o filho mais velho em Seul, ela se perde na estação de trem. A última vez em que é vista.

Desesperados ao tentar reencontrá-la eles descobrem que nada sabem sobre ela. Se possui alergias, marcas de nascença e tampouco possuem uma foto recente para auxiliar nas buscas. Aos poucos pequenas histórias vão surgindo de lembranças e eles começam a conhecer um lado da mãe ao qual nunca deram a devida atenção.

Com uma narrativa arrastada e difícil, “Por Favor, Cuide da Mamãe” se tornou um sucesso de vendas pois mostra a realidade de uma Coréia do Sul atual.
A escritora te coloca como um membro da família e você se vê imerso em meio a fatos tristes e lembranças pesarosas dos filhos e do pai, casado há 50 anos. A cada página eles questionam o que aconteceu e quem era de verdade sua mãe e esposa. Como puderam deixar de lado por tanto tempo essa mulher que trabalhava, cozinhava e limpava diariamente para que eles tivessem de tudo na vida? Todos os sacrifícios são narrados com uma riqueza enorme de detalhes e você se pega angustiado.
Por mais que seja uma realidade bem diferente da nossa, ainda assim é possível se sentir emocionalmente ligado a história.

Faz com que passemos a questionar o quão bem conhecemos as pessoas que vivem conosco, nossos familiares, sejam eles nossos pais, irmãos ou tios e avós.

por-favor

“Por Favor, Cuide da Mamãe”  – 236 páginas – é da Editora Intrínseca e o primeiro livro da autora Shin Kyuung-Sook publicado nos Estados Unidos e posteriormente traduzido para outros idiomas. Ela também é a primeira mulher coreana a ganhar o Prêmio Man de Literatura Asiática em 2011.

Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

Dentro da Casa – Um filme francês que me lembra João Kleber

Próxima publicação

“Giovanni Improtta” fica abaixo da irregular média das comédias brasileiras

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir