Alessandra Maestrini estreia musical “Kafka e a boneca viajante” no CCBB

Montagem inédita conta com dramaturgia de Rafael Primot e direção de João Fonseca
Alessandra Maestrini estreia musical "Kafka e a boneca viajante" no CCBB – Ambrosia

Referência obrigatória na literatura mundial do século XX, o escritor Franz Kafka (1883-1924) teria vivido, já no fim da vida, uma história curiosa. Ao caminhar por uma praça perto de sua casa, encontrou uma menina que chorava por ter perdido sua boneca. Sensibilizado pelo sofrimento da criança, ele passou a escrever cartas à menina como se fossem enviadas pela boneca, em que descrevia suas incríveis aventuras pelo mundo. A bela e intrigante história já foi contada em livros, contos e peças, mas até hoje não há provas de que realmente tenha acontecido – as cartas jamais foram encontradas, tampouco a dona da boneca.

Com dramaturgia de Rafael Primot, direção de João Fonseca e direção musical de Tony Lucchesi, o espetáculo Kafka e a boneca viajante é inspirado em uma dessas versões – o livro homônimo do escritor catalão Jordi Sierra i Fabra – e ganha o palco do CCBB RIO a partir de 22 de junho com Alessandra Maestrini, André Dias, Carol Garcia e Lilian Valeska no elenco. Idealizada pelo empreendedor cultural Felipe Heráclito Lima e produzida por Maria Angela Menezes e Amanda Menezes, a montagem inédita tem patrocínio da BB Seguros e realização doCentro Cultural Banco do Brasil. Depois da temporada carioca, o espetáculo seguirá em turnê por São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e São Luís.

“Quando Felipe me procurou com a ideia de adaptar o livro do Jordi, eu já conhecia a história das cartas. O livro é curto, voltado ao público infanto-juvenil e conta essa história de uma maneira simples. O desafio foi fazer um espetáculo um pouco mais profundo, levando para o universo adulto. E aí resolvi trazer elementos da vida de Kafka para a história da própria garota, coisas que o escritor passou na infância dele, como a relação conturbada com o pai. E também referências a seus livros”, explica Rafael Primot.

A narrativa não linear reforça o ritmo ágil da montagem, alternando passado, presente e futuro, assim como a realidade vivida pelo Sr. K (Kafka, vivido por André Dias), sua esposa Dora (Lilian Valeska) e a menina Rita (Carol Garcia) é atravessada pelo mundo ficcional das cartas, onde Brígida, a boneca interpretada por Alessandra Maestrini, ganha vida. A metalinguagem é outro recurso utilizado, como explica João Fonseca: “O jogo cênico proposto pela dramaturgia do Rafael tem uma agilidade e eu entendi que tinha que fazer uma brincadeira teatral, com os atores se arrumando em cena, se maquiando, lembrando que é um jogo, uma brincadeira. É um combinado, um faz de conta que todos, inclusive a criança, sabe que não é real”. Na construção da mise en scène, destaca-se também o trabalho de direção de movimento de Márcia Rubin, em especial da personagem de Maestrini.

A trilha é um caso à parte e se impõe como elemento dramatúrgico. No repertório, interpretado pelo elenco, estão músicas de artistas como Caetano Veloso, Candeia, Cartola, Chico Buarque, Djavan, Lenine, Raul Seixas e Rita Lee e até uma composição inédita assinada por João Fonseca e o diretor musical Tony Lucchesi, que também assina os arranjos: “Eu e o João tivemos liberdade para escolher canções que pudessem contribuir com a dramaturgia, ficassem orgânicas dentro do que a cena pede. E durante o trabalho com os atores nos ensaios, outras ideias foram aparecendo. Há ainda uma canção original que eu e João compusemos, cantada pela menina, num momento muito emocionante”, adianta Tony. “Quando vi que tinha essas quatro vozes especialíssimas à disposição, defini que os arranjos vocais seriam a tônica desse projeto, na construção do fio condutor da música. Como os quatro estão em cena praticamente o tempo todo, o arranjo vocal vem como forma de contribuir com a cena e unificar a linguagem de um repertório tão diverso”, detalha. Tony estará em cena tocando piano e também contará com uma base gravada por uma banda, que será usada em alguns momentos do espetáculo.

A cenografia de Nello Marrese reforça o simbolismo da passagem do tempo, seja do fim da vida do escritor, da transformação da menina em mulher e da viagem da boneca pelo mundo. Cubos, alguns móveis, um móbile, selos, carimbos, além de um fundo neutro para valorizar o desenho de luz criado por Paulo César Medeiros, compõem a cena. João Pimenta criou figurinos que remetem à época em que Kafka viveu seus últimos anos, na década de 1920.

“Estamos sempre no fio da navalha de não infantilizar, mas também preservar essa singeleza da história. É um grande escritor à beira da morte, sem forças para escrever e de repente encontra uma menina, a dor daquela menina, que era um pouco como ele, faz com que ele retome a escrita. Como a arte transforma tudo, como a arte conseguiu curar a menina, como ele adquiriu esse último prazer na vida, achando energia para escrever”, analisa João Fonseca.

Rafael Primot concorda e completa: “Tem uma coisa inocente da menina se desvinculando da boneca, o amadurecimento e crescimento de uma menina se transformando em mulher, e ao mesmo tempo a despedida da vida desse autor. Achei que esses dois temas poderiam conversar. Como que um escritor como ele, no fim da vida, poderia transmitir esperança. É uma história de esperança e sobre a transformação do amor”.

FICHA TÉCNICA:

Alessandra Maestrini – Brígida, a boneca
Carol Garcia – Rita, a menina
André Dias – Sr. K (Kafka), soldadinho de chumbo
Lilian Valeska – Dora, Gaivota
Dramaturgia – Rafael Primot
Direção – João Fonseca
Direção musical – Tony Lucchesi
Direção de movimento – Marcia Rubin
Programação visual – Carlos Nunes
Cenário – Nello Marrese
Iluminação – Paulo Cesar Medeiros
Figurino – João Pimenta
Visagismo – Everton Soares
Fotos – Ale Catan
Idealização – Felipe Heráclito Lima
Produção Executiva – Luiza Toré
Direção de produção – Amanda Menezes
Coordenação de Produção – Maria Angela Menezes
Administração – Sevenx Produções Artísticas

SERVIÇO:

Estreia: 22 de junho
Temporada: Até 30 de julho
Horário: de quinta a sábado, às 19h30, domingo às 18h
Local: Teatro II – Centro Cultural Banco do Brasil
Capacidade: 155 lugares
Endereço: Rua Primeiro de Março, 66 – Centro – Rio de Janeiro / RJ
Informações: 21 3808-2020 | [email protected]
Classificação indicativa: livre
Duração: 90min
Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)

Total
0
Links
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ant
Inteligência Artificial recria os Simpsons live action em 2023 e Marge divide os fãs
Inteligência Artificial recria os Simpsons live action em 2023 e Marge divide os fãs – Ambrosia

Inteligência Artificial recria os Simpsons live action em 2023 e Marge divide os fãs

Usuário do Reddit publica imagens dos personagens como pessoas reais

Prox
Museu Judaico de São Paulo promove contação de história no Dia do Imigrante
Museu Judaico de São Paulo promove contação de história no Dia do Imigrante – Ambrosia

Museu Judaico de São Paulo promove contação de história no Dia do Imigrante

A contação de história "O vestido verde", conta com o reforço da exposição

Sugestões para você: