Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

CAVERJETS condensam rock, ativismo e irreverência em disco de estreia, com canções panfletárias e debochadas

O grupo carioca CAVERJETS chega às plataformas digitais com seu polêmico álbum de estreia, “Manifesto Caverjético”. A banda, formada no final de 2018 por Xandão do Rock (vocal/baixo) – hoje com Vitega (bateria/vocal) e Roginho (guitarra/vocal) -, aborda situações espinhosas como a cruel realidade sociopolítica do país e do mundo, tocando em pontos como a (ainda polêmica) legalização da maconha. Tudo com muito humor (ácido).

Transitando livremente por várias vertentes do rock – blues, rockabilly, ska, punk rock, hardcore e até o hard rock – o disco “Manifesto Caverjético” foi finalizado em 2020, porém não lançado devido à pandemia do Coronavírus.

Com produção musical (e execução dos instrumentos) assinada por Vicente Barroso (ex-baixista e cofundador da banda) e Guilherme Vaz (ex-guitarrista da banda), o álbum foi gravado, mixado e coproduzido por Raphael Dieguez no renomado estúdio Toca do Bandido no Rio de Janeiro, com masterização em fita analógica pelo estúdio Forestlab em Petrópolis-RJ. A gravação das baterias foi feita pelo ex-integrante Livio Medeiros. O design e arte do disco contam com a assinatura do icônico ilustrador Cristiano Suarez, que causou polêmica em 2019 ao criar um pôster para a lendária banda de Punk Rock americana Dead Kennedys.

Em 2021, a banda lançou mais três novos singles: o primeiro, “Prato do Dia”, apresenta, de forma humorada e ácida, críticas ao posicionamento conturbado da política atual, sobrando provocação à “grande massa” que teria sido manipulada e se tornado “coxinhas reaças”.

No mês de abril, foi a vez de “Genocidas”, discorrendo sobre as péssimas opções na presidência e vice-presidência brasileiras. Em seguida, uma versão e adaptação de ”Caminhando e Matando”, abordando de forma extremamente irreverente, mas não menos bélica, o genocídio e escolhas presidenciais que nos levaram a mais de meio milhão de mortos por Covid-19: “Ignoro a ciência sem pudor / Sigo negando a vacina / Te empurrando cloroquina / Mato tudo e mato todos onde eu vou”, trecho com explícita referência a Jair Bolsonaro.

Último lançamento, “A Grande Mentira”, uma das mais provocativas, foi lançada, juntamente com o videoclipe, no dia 7 de setembro para provocar e contestar a independência do Brasil, atacando a submissão dos políticos ao mercado financeiro, a ligação entre poder e dinheiro, associando o presidente da República ao 666, o famigerado ‘número da besta’, citado no livro Apocalipse da Bíblia. Todos os singles já lançados estão disponíveis nas principais plataformas digitais.

Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

Sabe aqueles policiais que quase prenderam os Beatles? Um deles falou com a Ambrosia

Próxima publicação

Dennis Pinheiro fala de novo desafio no musical “Sweeney Todd”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir