Eduardo Arantes amadurece sonoridade polifônica no primeiro disco solo, “Sintonia Imperfeita”

Eduardo Arantes album Sintonia Fina

O cantor, compositor e multi instrumentista paulista Eduardo Arantes passeia com desenvoltura pela música que o trouxe até aqui – o lançamento de seu primeiro disco solo, “Sintonia Imperfeita”. Assumindo no título a união coesa de estilos que guia o trabalho, o músico vai da brasilidade às experimentações eletrônicas, passando por pop, rock, folk, lo-fi e orquestrações. O fio condutor desse caleidoscópio sonoro é a candura lírica de um poeta do cotidiano. 

Antecipado pelos singles “Aracaju” e “Baby”, o álbum coroa uma trajetória de uma vida dedicada ao som. Formado em Música Popular, com bacharelado em violão pela Unicamp, o músico traduz suas múltiplas vivências em um trabalho plural. Tendo como base a música brasileira, o álbum vai propor o encontro do orgânico com o eletrônico, sem se restringir a rótulos.

“De certa forma é uma espécie de alegria e alívio o nascimento desse disco. Sinto que consegui comunicar com sinceridade a minha verdade e alívio porque desde 2006 compondo melodias, já era tempo! Eu produzi todas as músicas em casa, algumas coisas em Campinas com amigos da Unicamp e outras sozinho em Pedregulho (SP). Sou muito grato aos amigos que toparam participar dessa sintonia imperfeita”, comemora Eduardo.

O artista vem construindo o disco há muitos anos, quando começou a colecionar as primeiras composições. “Baby”, por exemplo, começou a ser escrita em 2013, retomada em 2017 e lançada agora. Já “2020” é um retrato do isolamento que marcou aquele ano e uma exploração do lo-fi enquanto expressão, também presente em “Mergulho Tropical”

“Família” vai do samba rock ao hip hop, enquanto o lado solar do disco tem sempre a presença de sombras. “Incerteza Estação” e “Aracaju” mostram esses dois lados emocionais em canções agridoces, chegando à melancolia de “A Nossa Canção”. Por fim, “Cordel” e a faixa-título são oportunidades de brincar com o formato e a linguagem da música, ao mesmo tempo que resgatam a ancestralidade. Todos esses conceitos se reúnem no disco, do título à capa. O projeto gráfico é assinado por Nathalia Servadio e faz uma saudação ao centenário da Semana de Arte Moderna, com o sol de Tarsila do Amaral e seu Abaporu servindo de inspiração.

“‘Cosmos’ no grego significa universo, harmonia, sintonia. ‘Imperfeita’ por não se poder medir em valores matemáticos e estéticos. A vida é essa sintonia imperfeita. É um universo imensurável. Na realidade, ao tentar qualificar a vida como perfeita perdemos o mais bonito dela, a variável imprevisível e efêmera que marca até o último suspiro, o que não se mede por não existir até existir, o acaso”, resume Eduardo Arantes. 

O músico faz do seu trabalho uma entrega pessoal e, ao mesmo tempo, universal, se conectando com a nossa busca por felicidade, propósito, pertencimento e conexão, num convite a olhar para dentro – porém sem perder o pôr do sol lá fora. Indo do existencial para o plural, Eduardo Arantes faz do seu primeiro trabalho uma investigação de identidade e amadurecimento estético, lírico e pessoal. “Sintonia Imperfeita” está disponível nas principais plataformas de música.

Ficha técnica

Voz, violão nylon, violão aço, guitarra, piano elétrico, sintetizadores, baixo, instrumentos virtuais, programação, percussões: Eduardo Arantes.  

Todas as canções foram gravadas somente por Eduardo Arantes exceto:

“Família”, que contém as vozes, beat box e percussões de Anderson Vege e voz de Natália Barbosa

“Incerteza Estação”:

Baixo acústico: Rafael Bonini

Bateria: João Pedro Pacheco

Trombone: Daliél Dias

Trompete: Gabriela Sousa

Sax tenor: Josué Varola 

Violino: Jade Silvério

Viola: Thales Hashiguti

Cello: Diem Naomi

Produzido e mixado e masterizado por Eduardo Arantes, gravado em Campinas e Pedregulho no Home Studio do autor.

Projeto gráfico por Nathalia Servadio.

Faixa-a-faixa, por Eduardo Arantes:

2020: ‘2020’ já se revela no contexto pandêmico. Foi criada em um momento de absorção de novas fontes sonoras como o gênero lo-fi. Um momento que todo o mundo estava em casa com muito tempo, e, não podendo ser diferente, comigo foi um processo de muito aprendizado interno e de certa forma um renascimento. Eu queria que essa música fosse uma explosão de texturas, o que estava acontecendo dentro de mim naquele momento. 

Baby: Por volta do ano de 2013, às 6 da manhã a frase ‘o Sol banha o céu em sangue vida dando ao dia’ me veio dentro de um ônibus na viagem pra escola enquanto observava os tons de vermelho no céu e ouvia ‘Águas de Março’ com Elis e Tom. De certa forma conectei esses dois momentos e escrevi a letra de ‘Baby’, que é uma música sobre a energia vital. ‘Baby’ é o ciclo que gera a vida, é a luz, é o instinto, é a sensibilidade, é o cotidiano, a sintonia da natureza, o equilíbrio, a vida

Família: ‘Família’ é a alquimia entre o samba rock e o hip hop. Marca o início da parceria de Eduardo Arantes e Anderson Vege, muito rica pela soma do virtuosismo com as palavras de Vege e o pluralismo musical de Arantes. A música é um convite à comunhão entre as famílias, estas que não se restringem apenas às conexões sanguíneas.

Mergulho Tropical: Ainda sob influência de lo-fi e muita coisa de samba rock, fiz ‘Mergulho Tropical’. Tentei trazer a sensação de ouvir a música estando debaixo d’água.

Incerteza Estação: ‘Incerteza Estação’ é uma canção sobre as instabilidades emocionais de um casal que são regidas pelas estações do ano. Assim como a natureza tem seus momentos temperamentais, todo mundo pode ter seus momentos sentimentais desregulados. E a vida é assim mesmo, um jogo de atar e desatar os nós que nos conectam.

Aracaju: ‘Aracaju’ nasceu de uma brisa de ver o pôr do Sol através da janela do meu quarto quando morava em Campinas-SP. Inaugura o lado ‘bad’ do disco e foi uma experimentação com sintetizadores e estéticas retrô e eletrônica. Acima de tudo é uma canção de amor que gostei muito de produzir.

A Nossa Canção: O auge da ‘deprê’ do disco, ‘A Nossa Canção’ é uma composição triste e nostálgica mas que tentei trazer o astral pra cima com arranjo pra banda – não tenho certeza se consegui (risos). O que eu mais gosto dessa música são a harmonia e a melodia, quando ponho a minha atenção na paisagem sonora dela não há muito espaço pra sentir a dor dessa ausência.

Sintonia Imperfeita: Música que dá nome ao disco, ‘Sintonia Imperfeita’ é uma viagem cósmica. Para gravar o violão principal afinei-o em D-A-D-F#-A-D. Acredito que é uma canção sobre ancestralidade, eternidade mas acima de tudo sobre a alegria de viver. 

Cordel: ‘Cordel’ foi uma música encomendada pra fazer parte da trilha de um vídeo pedagógico sobre handebol produzido em forma de cordel.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.