em

Kamasi Washington transcende com público do Circo Voador

No último sábado quase dois mil cariocas lotaram o palco do Circo Voador para uma noite com Kamasi Washington e sua intrépida trupe de musicos excepcionais – no melhor sentido que o adjetivo confere.

Kamasi, nascido em Los Angeles, trás com seu repertório uma refinada fusão do Jazz com a música popular americana, incorporando o blues, o rock, o funk e R&B à infinidade de texturas sonoras produzidas pelos sete integrantes do grupo.

- kamasi washington circo voador rio de janeiro 01 960x641 - Kamasi Washington transcende com público do Circo Voador

Uma experiência musical cósmica que verdadeiramente transformou o Circo Voador numa espaçonave sideral. Não há toa seus discos foram intitulados “The epic” (2015) e “Heaven and Earth” (2018), o virtuosismo do saxofonista e sua banda beira o absurdo.

Com o público hipnotizado por mais de duas horas, o jazz-fusion de Kamasi Washington comprova que música não precisa ser binária para encantar multidões. Tirando os momentos onde a cantora Patrice Quinn se fazia ressaltar, como em “The rhythm changes”, o público do Circo Voador correspondeu com intensidade pelo repertório instrumental, do contrabaixo sinistro de Miles Mosley à batalha solo dos bateristas Tony Austin e Ronald Brunner Jr.

- kamasi washington circo voador rio de janeiro 03 960x641 - Kamasi Washington transcende com público do Circo Voador

Por incrível que possa parecer neste mundo de hits carregados de instrumentos digitais, os únicos instrumentos elétricos no palco eram os sintetizadores de Brandon Coleman empacotando o groove.

Para uma geração que não teve a oportunidade presenciar Miles ou Coltrane – que não por acaso foi homenageado ao final do show com ‘A Love Supreme’, Kamasi Washington fez história em sua passagem pelo Brasil. Call it anything.

Fotografia: Francisco Costa / Divulgação

Deixe sua opinião

Avatar Mentor

Publicado por Salvador Camino