em ,

"Look Now" é um tiro certeiro de Elvis Costello

Disco marca a volta da parceria com The Imposters

Depois de cinco anos de ausência, Elvis Costello está de volta. E em grande estilo. Depois da colaboração com o The Roots, banda do programa de Jimmy Fallon, no álbum anterior, agora o inglês de Liverpool retoma sua frutífera simbiose com o The Imposters. É a primeira colaboração em dez anos. “Look Now” (Concord/2018) é sofisticado. Mostra a evolução natural que chamou a atenção lá em 1982 na obra prima “Imperial Bedroom”, na qual Costello vai muito além do pós-punk que vinha apresentando até então.
O novo disco também tem algo de “Painted From the Memory”, de 1998, sua faceta crooner, em parceria com Burt Bucharach, que também colaborou nesse aqui com três faixas: a bela ‘Don’t Look Now’, ‘Photographs Can’t Lie’ e ‘He’s Given Me Things’. Outra participação de luxo é Carole King, em ‘Burnt Sugar is So Bitter’. Um novo trabalho de Costello é um regozijo tamanho que é impossível conter a euforia infantil ao se deleitar com cada uma das 12 faixas (16 se for a versão deluxe). ‘Stripping Paper’, por exemplo, é de uma densidade comovente, sobretudo por ser rara na música atual. ‘I Let the Sun Go Down’, assim como o irresistível groove e suingue de ‘Mr & Mrs Hush’, é uma perfeita mostra de como se molda uma música pop com refinamento. E nisso estamos falando de um dos maiores mestres vivos e em atividade.
"Look Now" é um tiro certeiro de Elvis Costello | Críticas | Revista Ambrosia
A voz de Costello transita pelo dramático, o grandiloquente, por vezes assumindo o papel de um personagem… feminino. Sim, repare nas letras de ‘He’s Given Me Things’ e ‘Unwanted Number’ (essa última composta para o filme “A Voz do Meu Coração”). Ele conta também com uso de cordas e eficientes backing vocals. E, claro, não se pode esquecer do pianista Steve Nieve. Na audição, não é difícil entender por que ele tem sido um dos parceiros musicais mais valiosos desde o final dos anos 70.
Estamos diante de um dos melhores álbuns do ano? Não é exagero dizer que sim. Mas um aviso para os fãs de Elvis Costelllo da fase inicial, dos álbuns “My Aim is True”, “This Year’s Model” e “Armed Forces”: “Look Now” não traz nada parecido com ‘Oliver’s Army’, ‘Radio Radio’ ou ‘(What’s So Fun ‘Bout) Peace Love and Understand’. E nem deveria. Ele guarda essa fase com o devido carinho e gratidão, mas a história tem que seguir seu curso. E o Costello que temos no novo disco é o produto da constante progressão musical ao longo desses 41 anos de carreira. Mais um tiro certeiro do rapaz de Liverpool.

Cotação: 4/5

Participe com sua opinião!