Momentos marcantes do evento que originou o Dia do Rock

Ambrosia Música Momentos marcantes do evento que originou o Dia do Rock

O dia 13 de julho foi institucionalizado como o Dia Internacional do Rock depois do concerto Live Aid, que ocorreu na data em 1985. Organizado pelo irlandês Bob Geldof, o concerto visava angariar fundos para combater a fome na África. Em dois palcos – um no estádio Wembley em Londres e outro no estádio JFK na Filadélfia – gigantes do rock como The Who, Status Quo, uma reunião do Led Zeppelin, Dire Straits, Madonna, Queen, David Bowie, BB King, Mick Jagger, Sting, Scorpions, U2, Paul McCartney, Phil Collins (que tocou nos dois lugares, graças ao fuso horário), Eric Clapton e Black Sabbath deram suas contribuições para a causa.

O curioso é que a data nasceu por um desejo expressado por Phil Collins, que declarou que gostaria de ver aquele sendo considerado o “dia mundial do rock”. Outra curiosidade é que, apesar de ser o dia INTERNACIONAL do gênero musical mais influente do século XX, apenas aqui no Brasil a data é lembrada anualmente, com direito a várias festas, eventos, shows e até promoções no comércio. Afinal de contas, cá para nós, brasileiro adora uma festa.

Então vamos voltar 34 anos no tempo e relembrar os melhores momentos da festa que rendeu a data comemorativa de hoje.

Queen

A apresentação inesquecível do Queen, magistralmente reproduzida no oscarizado “Bohemian Rhapsody” de 2018, foi sem dúvida o ponto alto do evento. Então nada mais justa que a coloquemos inteirinha aqui. Vale a pena ver Freddie Mercury maior que o Wembley.

 

Elton John

Outro grande momento foi proporcionado por outro cinebiografado recentemente, Elton John. Na ocasião ele também promoveu um reencontro com Kiki Dee na clássica ‘Don’t Go Breaking My Heart’. Ali houve o encontro com George Michael na música ‘Don’t Let the Sun Go Down On Me’, uma colaboração mais clássicas da música.

The Who

O The Who tinha em tese acabado, mas se reunia para ocasiões especiais e o Live Aid foi uma delas

 

Tom Petty and the Heartbreakers

Na Filadélfia, Tom Petty foi uma das mais ilustres apresentações no JFK na Filadélifia.

 

Madonna

No frescor da juventude, despontando para o mega estrelato a Material Girl fez sua participação da Filadélfia

 

U2

Que tal a banda irlandesa no auge da forma? Foi o que o Wembley presenciou no Live Aid. Essa apresentação da música ‘Bad’ , do álbum “The Unforgettable Fire” arrepia até hoje.

 

Dire Straits

Navegando nas ondas do grande sucesso do álbum Money For Nothing, o Dire Straits foi uma das principais atrações no Wembley.

 

Mick Jagger

Na Filadélfia, Mick Jagger sem os Rolling Stones agitava a massa com seu hit radiofônico da época ‘Just Another Night’ e um clássico dos Stones, ‘Miss You’

 

David Bowie

O camaleão esteve no evento e foi responsável por um dos shows mais marcantes.

 

Phil Collins

O inglês fez história por se apresentar dos dois lados do Atlântico. Com uma forcinha do fuso horário, ele pegou um avião e chegou a tempo de fazer sua participação na Filadélfia. Que disposição, hein.

 

Bob Dylan

Mick Jagger se apresentou solo, mas Keith Richards e Ron Wood não ficaram de fora da festa. Tocaram ‘Blowin’ in the Wind’ com Bob Dylan. Quem fez a introdução foi Jack Nicholson. Nada mal.

 

Paul McCartney

Foi o primeiro show do ex-Beatle depois de cinco anos de ausência nos palcos. O fato que marcou a apresentação é que o cabo do microfone se desplugou do PA na mudança de palcos (que funcionava com um fundo giratório). Daí, a voz de Paul não era ouvida nos primeiros dois minutos da canção pelo público, embora ele se ouvisse. A plateia se ligou que se tratava de um problema técnico e começou a cantar em uníssono. O problema foi resolvido e a euforia pode ser ouvida (em 1:57). No entanto, essa é a versão do DVD oficial, que conta com os vocais corrigidos no dia seguinte ao do evento.

#Novidades