Uma das questões mais polêmicas na música pop sempre foi o plágio, a apropriação de uma ideia de um artista sem, é claro, a anuência deste.

O plágio pode se dar de três formas: pela cara de pau, quando o artista rouba a ideia do outro sem o menor constrangimento; pela retenção da melodia no subconsciente, que é quando o artista crê que determinada melodia é uma inspiração quando na verdade era uma música que ouviu uma vez e ficou alojada na mente, o que caracteriza o plágio inconsciente, e a terceira forma é, por incrível que pareça, por mera coincidência. Sim, acontece! Quando o artista ou banda tem a mesma ideia de um outro, mas sem tomar qualquer conhecimento do similar.

Os dois últimos casos eram muito comuns na era pré-download e pré-youtube. Um dos assuntos mais quentes dos últimos dias foi o caso da música ‘Sweet Child O’ Mine’ do Guns n’ Roses que seria um plágio de ‘Unpublished Critics’ da banda australiana Australian Crawl. Aproveitando o bafafá, listamos alguns casos de acusação de plágio famosos da música pop e os julgamos usando como critério as três hipóteses supracitadas.

Sweet Child O’ Mine – Guns n’ Roses

Comecemos pelo assunto quente. O megahit ‘Sweet Child O’ Mine’ seria um plágio de ‘Unpublished Critics’, música que a banda australiana Australian Crawl lançou em 1981, seis anos antes do sucesso do Guns. De fato as músicas são muito parecidas, mas não a ponto de ser considerado um caso de plágio. Tanto que não houve ação judicial movida pelos autores, que até tocavam ‘Sweet Child O’ Mine’ em seus shows na maior esportiva, reconhecendo que o caso estava mais para coincidência do que para cópia. Pelo menos o solo de Slash é bem original, e digamos que o Guns fez uma versão melhorada.

https://www.youtube.com/watch?v=bzAGZT_XTAk

Veredicto: Mera coincidência

 

Stairway To Heaven – Led Zeppelin

O Led Zeppelin é uma das maiores bandas de rock de todos os tempos e também uma das que tem mais acusações de plágio. A introdução de sua música mais conhecida, ‘Stairway to Heaven’, seria um plágio da música instrumental ‘Taurus’, de 1968 da banda californiana Spirit. O caso foi a julgamento e os integrantes do Led Zeppelin tentaram mudar a ação para um tribunal inglês, mas o pedido foi negado pelo juiz

Veredicto: Plágio inconsciente

 

Sossego – Tim Maia

O godfather of brazilian soul Tim Maia também tem uma suspeita de plágio nas costas. ‘Sossego’ de 1978 é um funkão dançante, com groove suingado, de um jeito como não se fazia no Brasil, mas a melodia foi chupada de “Boot-leg”, da Booker T. & the M.G.’s, banda americana de soul instrumental, que fez grande sucesso por lá na década de 60, época em que Tim fez intercâmbio nos EUA.

https://www.youtube.com/watch?v=jgsel3FZ0v0

Veredicto: Cara de pau

 

My Sweet Lord – George Harrison

O álbum “All Things Must Pass” de George Harrison é considerado por muitos o melhor trabalho solo de um ex-Beatle. Era nada mais do que todas as músicas que ele compunha para o quarteto de Liverpool mas eram embarreiradas por John e Paul. Uma dessas inspiradas canções que compõem o álbum é My Sweet Lord, a mais famosa de George, depois de , é claro, ‘Something’ e ‘Here Comes the Sun’. Porém veio à tona que a música seria um plágio de ‘He’s So Fine’ do compositor Ronnie Mack – já falecido – e gravada pelo grupo negro americano, The Chiffons em 1963. A música não chegou a ser um sucesso. George admitiu que sua música tinha notas iguais às da canção das Chiffons e percebeu que teria problemas dada popularidade de sua composição. Quando a Bright Tunes, detentora dos direitos de ‘He’s So Fine’ entrou com ação judicial contra o ex-Beatle ele veio a público se defender, admitiu o plágio, mas alegando que não foi intencional.

Em seu livro I Me Mine ele revela sarcasticamente que o juiz que cuidou do caso dividiu a questão em dois pedaços: “Motif A and Motif B.” O tal “Motívo A” indicava plágio nas notas iniciais e no trecho onde canta, “my sweet Lord.” O “Motivo B” apontava plágio em cêrca de cinco notas do trecho em que canta, “really want to see you.” B” apontava plágio em cêrca de cinco notas do trecho em que canta, “really want to see you.” Em 26 de fevereiro de 1981, dez anos após o lançamento da música, a batalha de George foi predida e ele foi condenado a pagar 587 mil dólares da condenação por plágio. Mas isso não arranhou o prestígio da música

Veredito: Plágio inconsciente

 

Do Ya Think I’m Sexy – Rod Stewart

Outra envolvendo um brasileiro, dessa vez no polo passivo Era 1978 e a música estava dominada pelos embalos da disco e muitos artistas do pop e até mesmo do rock como Rolling Stones (‘Miss You’) e Kiss (‘I Was Made For Loving You’) quiseram entrar na onda. Rod Stewart foi um deles. “Eu quero algo como isso, que seja disco, mas que não seja Gloria Gaynor”, teria dito ao baterista Carmine Appice e parceiro de composições quando estavam concebendo o álbum Blondes Have More Fun. Appice criou a melodia e Stewart a letra da música que fez sucesso nos dois lados do Atlântico. Ocorre que quem ouviu a música aqui no Brasil percebeu logo a semelhança do refrão da música com o do sucesso (só aqui, claro) de ‘Taj Mahal’ do Jorge Benjor (na época ainda Jorge Ben). É só trocar o “If you want my body and you think I’m sexy / come on sugar let me know / If you really need me just reach out and touch me / come on honey tell me so, tell me so baby” por “Tê, tetêretere / Tê, tetêretere / Tê, tetêretere / Tê”.

Benjor não acreditou muito no fato de o gringo famoso ter plagiado sua música, mas, apoiado pela gravadora, entrou com a ação. Stewart se defendeu dizendo coisas como “Passei o carnaval de 1978 no Brasil e, por onde andava, tocava ‘Taj Mahal’. Involuntariamente a melodia se alojou na minha mente e emergiu quando comecei fazer ‘Do Ya Think I’m Sexy?’. Puro e simples plágio inconsciente.”; “Na verdade, nessa música eu só coloquei a letra. Quem a fez foi meu baterista Carmine Appice.” e “Não cheguei assim no estúdio e falei: Vamos usar a melodia de Taj Mahal no refrão e que se dane! O compositor mora no Brasil, então nunca descobrirá. Simplesmente aconteceu.” Mas não tinha jeito. Era plágio evidente. A solução encontrada pelo britânico foi ceder todos os lucros obtidos com ‘Do Ya Think I’m Sexy?’ à UNICEF e que, a partir de então, a música seria creditada em parceria com Jorge Ben, que acabou não ganhando nem um centavo.

Veredicto: Cara de pau

 

Anybody Seen My Baby – Rolling Stones

O primeiro single do album “Bridges To Babylon” de 1997 dos Rolling Stones, ‘Anybody Seen My Baby’, tinha um refrão tão parecido com o de ‘Constant Crave’ de K.D Lang, que a filha de Mick Jagger quando ouviu começou a cantarolar o refrão da música de 1992 da cantora canadense. Para evitar problemas judiciais, Lang e o coautor de ‘Constant Craving’, Ben Mink, foram incluídos nos créditos da canção, e Jagger pagou do próprio bolso os direitos de Lang.

https://www.youtube.com/watch?v=1crllGyxrlo

Veredicto: Plágio Inconsciente

 

Surfin’ USA – Beach Boys

Os Beach Boys foram acusados de plágio por um de seus maiores sucessos, ‘Surfin’ USA’. A música foi considerada cópia de ‘Sweet Little Sixteen’ de Chuck Berry, que entrou com ação créditos de autoria e parte dos royalties da música de 1963. A música é ótima, mas é inegavelmente uma cópia de Berry. Mas tudo bem, depois eles gravaram o álbum Pet Sounds e mostraram para o mundo que são compositores de mão cheia

Veredicto: Cara de pau

 

Creep – Radiohead

O genial Thom Yorke também já foi acusado de plágio. O primeiro sucesso do Radiohead, ‘Creep’, de 1993, seria cópia de ‘The Air That I Breath’, música do The Hollies de 1974. Para evitar problemas, a banda resolveu creditar os membros do Hollies como coautores

https://www.youtube.com/watch?v=Mnw6AkNTEbY

Veredicto: Plágio inconsciente

 

Katy Perry – Roar

‘Roar’ de Katy Perry é tão semelhante à música ‘Brave’ da cantora Sara Bareilles que até os fãs se revoltaram. Sara não quis botar lenha na fogueira, disse que era “tudo amor”. Até porque as vendas de seu single dispararam depois da polêmica

https://www.youtube.com/watch?v=fvxH11Wa6bU

Veredicto: Cara de pau

 

Somebody I Used To Know – Gotye

‘Somebody I Used To Know’, de Gotye, foi um grande sucesso em 2011 e até ganhou Grammy de Melhor Gravação. Porém a família do brasileiro Luís Bonfá acusa o belga de ter roubado trechos da faixa Seville, lançada pelo brasileiro em 1967. Gotye foi condenado a pagar $ 1 milhão em direitos autorais à família de Bonfá, valor que corresponderá a vendas. Shows, execuções em rádio e visualizações no Youtube não entram na conta

https://www.youtube.com/watch?v=gxdvlnGOm1Y

Veredicto: Cara de pau