Nomade Orquestra divulga seu quinto álbum de estúdio, “Terceiro Mundo”

32
0

O repertório surge como uma colcha de retalhos sonoros que fundamentam o universo do coletivo que funde, em sua obra instrumental, elementos de funk, soul, ethno grooves, rock e jazz.

A Nomade Orquestra lança o seu aguardado quinto álbum de estúdio, “Terceiro Mundo”. A obra vai muito além da música, representando também uma jornada de resistência, resiliência e inventividade. O processo de criação começou em 2020, durante a pandemia de Covid19 e o isolamento social. Com 8 faixas, o disco surge como uma colcha de retalhos sonoros, onde velhas ideias ganharam vida e novas composições foram criadas exclusivamente para este projeto.

“Estamos fechando um ciclo conceitual importantíssimo do nosso trabalho. Este é o último registro de uma trilogia instrumental que forjou a nossa estética. Apostamos em grooves e levadas enérgicas, com fortes influências do funk e da soul music, naipes de metais poderosos, temperos sonoros de diversos lugares e culturas, flautas e outros instrumentos étnicos. Tudo foi pensado e produzido para criar nossas chamadas ‘paisagens sonoras’, levando os ouvintes e fãs para aquela clássica viagem sem sair do lugar. É assim que escolhemos fechar esse período da nossa história, celebrando tudo que entregamos até aqui e já olhando para o futuro, abrindo alas para nossa nova fase”.

Lançado pelo selo de Nova York Nublu Records, em formato digital e também com prensagem em vinil confirmada, “Terceiro Mundo” é um mergulho pelo universo essencial do coletivo. Neste registro, uma continuidade aos dois repertórios focais –  e fundamentais – na discografia da banda: “Nomade Orquestra” (2014) e “Entremundos” (2017). Somam nessa jornada “Vox Populi Vol I” e “Vox Machina Vol I”, ambos de 2019, além de “Nomade Orquestra Na Terra das Primaveras” (2022).

“A escolha do título também remete ao próprio termo geopolítico, em que o terceiro-mundismo se faz presente em nossas experiências: Brasil, São Paulo, ABC. Nós encaramos a realidade e todos os desafios que nos são impostos de maneira esperançosa. Acreditamos, plenamente, que a música e a arte são expressões necessárias para uma sociedade mentalmente bloqueada. Nossa jornada é uma ode ao sensorial e ao potente invisível que permeia nossas vidas. Realizamos com excelência, mesmo diante das dificuldades. Em todos os aspectos deste lançamento usamos tecnologias “rudimentares”. A música foi construída quase como uma colagem. A gravação foi feita “ao vivo”, com todos os músicos tocando juntos. Este álbum é um caldeirão cultural, uma miscelânea de experiências que cria uma identidade única no contexto da música instrumental brasileira”.

Na ficha técnica do disco, o timaço envolvido reúne Guilherme Nakata (bateria), Ruy Rascassi (contrabaixo), Marcos Mauricio (piano / órgão / clavinete / sintetizadores), Beto Malfatti (sax tenor / flauta / dizi), Marco Stoppa (trompete / flugelhorn), Bio Bonato (sax barítono / flauta / pífano), Luiz Galvão (guitarra / violão), Victor Fão (trombone) e André Calixto (gaita). Raphael Coelho (percussão) e Ana Eliza Colomar (sax alto / flautas / hulusi), novos membros, chegaram no processo final da composição do disco trazendo um novo frescor ao grupo.

Caminhando rapidamente pelo trabalho, a track “EntreMundos” simboliza a transição do segundo álbum para este novo capítulo. “O Nascimento do Sol Invencível” é uma expressão de fé no amanhã. Já em “Peixeira Amolada & Quebra-Queixo”, a ideia é explorar estereótipos populares do terceiro mundo, enquanto “Cidade Estrangeira” mergulha na diversidade cultural de São Paulo. “O Extraordinário Presente” é um sopro de liberdade e esperança, enquanto “Mariposa Tigre” combina influências do funk e do reggae, gêneros muito presentes nas composições da Nomade. “Invasão de Pindorama” reflete a miscigenação cultural do Brasil e, fechando, “Revolução dos Cocos” se inspira em uma revolta ecológica ocorrida na Papua Nova Guiné – a primeira revolução ecológica do mundo.

Vale destacar que na faixa ‘O Nascimento do Sol Invencível’ foi usado um sample do pensador contemporâneo e ativista Paulo Galo, onde é dito que “nóis tá armando uma revolução sem falar”. É exatamente essa a sensação que o disco traz”.

O show de estreia acontece no Sesc Pinheiros, no próximo 16/06, às 18h. Na sequência, a banda parte para Belém do Pará, onde se apresenta no Festival Ambienta, em 28/06. Depois, já no dia 13/07, eles têm uma apresentação confirmada em Santo André, no  ABC, região onde o grupo se formou.

“Terceiro Mundo” é um projeto contemplado pela 7ª Edição do Edital de Apoio à Música para a cidade de São Paulo – Secretaria Municipal de Cultura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *