Ouça sem demora: "Solar", de Alfredo Dias Gomes | Música | Revista Ambrosia
em ,

Ouça sem demora: “Solar”, de Alfredo Dias Gomes

O sobrenome de Alfredo Dias Gomes não é mera coincidência. Ele é filho do lendário teledramaturgo Dias Gomes e da papisa dos folhetins clássicos Janete Clair. Mas ele não quis enveredar pelo ramo das novelas. Manteve-se no meio artístico como músico, em uma profícua carreira que dura 40 anos, tendo acompanhado shows e gravações de artistas como Lulu Santos, Hermeto Pascoal, e outros. Agora ele lança o CD “Solar”, já disponível em formato físico e em streaming.

Desde 1993, quando se desligou da banda de apoio de Ivan Lins, Alfredo vem seguindo uma carreira solo, na qual explora seu instrumento, a bateria, abusando da virtuose. No disco, o que se apresenta é uma sonoridade jazzística, que se difere do anterior, “JAM”, imbuído de uma pegada jazz rock.

São oito faixas ao longo das quais Alfredo promove um verdadeiro parque de diversões com composições criadas em diferentes épocas. A primeira, por exemplo, ‘Viajante’, foi feita em 1980 a pedido de sua mãe, para um personagem da novela Coração Alado. Ele conta que na época, que estava tocando na banda de Hermeto Pascoal, estava respirando música brasileira, daí saiu essa levada de baião da composição. Mas a versão que temos aqui é inédita, segundo o músico.

Ouça sem demora: "Solar", de Alfredo Dias Gomes | Música | Revista Ambrosia
Alfredo Dias Gomes

A faixa título segue a mesma levada brasileira. Nela, a bateria já aparece de forma mais pesada, enquanto em ‘Trilhando’, nota-se uma verve claramente jazzista, assim como em ‘Smoky’. No entanto a última apresenta uma característica mais tradicional do estilo. Também merece destaque a vigorosa ‘El Toreador’. Nela, Alfredo abre espaço para deixar a virtuose correr livre. Ela forma uma simbiose com a seguinte, ‘Alta Tensão’, com a qual poderia formar uma suíte sem susto. A última faixa, sugestivamente intitulada ‘Finale’ mostra um autêntico jazz fusion, que termina com uma galharda jam de bateria e sax.

Totalmente autoral, o disco foi masterizado do lendário estúdio de Abbey Road, onde os Beatles e outros gigantes realizaram gravações. Alfredo produziu, compôs e tocou, além da bateria, os teclados e os baixos. Apenas um solista foi introduzido, o instrumentista Widor Santiago, que toca sax tenor, sax soprano e flauta. “Solar” é uma viagem sonora com sofisticação indelével.

Participe com sua opinião!