“Pink Sampa”: Canção de Caetano Veloso ganha versão queer por Zerzil

7
0
Zerzil

Zerzil celebra as esquinas, praças e alamedas de uma cidade pulsante sob o olhar de uma comunidade LGBTQIAP+. Dessa ótica, nasce “Pink Sampa”, uma canção que reescreve o clássico de Caetano Veloso sob uma nova perspectiva e olhar

Zerzil dá início à TRANSversão, momento que precede a nova era VIADAGEM. O projeto, que consiste na realização de versões de músicas que marcaram as últimas gerações, tem “Pink Sampa” como seu lançamento de estreia. 

“A era QUEERNEJA foi um momento único na minha história, que me abriu porteiras e me apresentou a pessoas incríveis, inclusive a novas possibilidades de ‘eus’. Ela me fez fazer as pazes com parte do meu passado, com as raízes do meu sertão norte-mineiro. Eu vejo hoje o álbum ‘Queernejo’ como uma leitura pop, pelo meu olhar, do universo sertanejo. Minha era ‘Joanne’, ‘Younger Now’, ‘Speak Now’… minha era Country Music”, Zerzil conta. “Eu percebi o quanto o fato de eu ser uma pessoa queer influencia na minha vida, nas músicas que eu escuto, nas festas e lugares que eu frequento, o meu comportamento, meu jeito de amar e de existir, tudo está entrelaçado a isso. Eu quero empoderar o que há de mais viado em tudo o que eu faço, se vamos fazer música, vai ser música viada, se vou trabalhar na medicina, vai ser pra fortalecer a saúde viada, se for pra fazer bruxaria, vai ser com magia viada”.

A escolha de “Sampa” como base para esta versão e o começo desta era remonta a infância de Zerzil, onde a música sempre exerceu um fascínio especial. Inspirado pela complexidade da composição e influenciado pela sonoridade e poesia da obra de Caetano, Zerzil encontrou na canção original uma conexão com sua história e sua chegada a São Paulo. 

“Eu sentia a energia da canção muito presente nesse meu período de adaptação à cidade, eu sentia que havia uma poesia escondida sob o concreto, essa poesia estava na música original de Caetano, mas eu não conseguia acessá-la naquele lugar, pois as minhas vivências eram outras, minha época era outra… Então decidi reescrever essa música, mas analisando São Paulo sob a minha ótica, contar sobre o que me atravessou nessa cidade, pois imagino que também pode ser o mesmo que atravesse outras pessoas LGBTQIAPN+ que vivem aqui ou que sonham em um dia conhecer ou viver em SP”, recorda.

Sonoramente, “Pink Sampa” combina influências da MPB com elementos do pop oitentista e uma vibe R&B,. O processo de produção envolveu Lucas Lima da Encore Produções, responsável pela produção do beat e pelos instrumentos, com a gravação realizada no estúdio da Encore em São Paulo.

“Eu queria deixar registrado o que é ser viade em São Paulo no ano 24, o ano da viadagem. Eu queria que outres viades pudessem se identificar com essa história e se sentirem acolhides ao chegar na cidade, eu queria que eles ouvissem essa música e ganhassem forças pra construir a sua própria história aqui, como eu estou construindo a minha”, resume Zerzil.

Ficha técnica:

Zerzil – Direção, Roteiro, Maquiagem, Figurino, Produção, Atroz principal

Bruna Auíry – Direção, Fotografia, Câmera, Produção

Giovanna Olinda – Assistente de Fotografia, Assistente de Direção, Produção, Atriz coadjuvante

Kaleb – Costumização de figurino, Assistente de Direção, Produção, Ator coadjuvante

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *