em , ,

Pseudo Banda abraça o desconhecido no novo clipe “Ouvidos ao Mistério”

Em meio à vontade de se conectar com uma força maior, surgem dúvidas e questionamentos. Essa dicotomia entre a fé e a razão dá o tom de “Ouvidos ao Mistério”, o segundo single da Pseudo Banda. A canção se entrega ao misticismo, aceita suas contradições e convida: “siga o etéreo que lhe faz bem”. A faixa chega aos serviços de streaming e também como clipe, antecipando o primeiro EP do grupo. “É Agora” será lançado ainda no primeiro semestre.

A composição traz à tona dúvidas comuns a todos que algum dia já questionaram o conceito da fé no desconhecido, algo que permeava a própria experiência pessoal do trio formado por Bea Pereira, Julia Rosa e Vinícius Árabe. Mesmo entre questões e incertezas, a Pseudo Banda traduz na letra a existência de múltiplos caminhos que levam ao divino – o que importa é fazer uma escolha pessoal e respeitar as demais formas de fé e crenças múltiplas. Ao abrir mão de respostas e verdades universais, o grupo traz para a música o poder de ação de cada indivíduo, ao mesmo tempo em que vê na fé e na religiosidade também uma ferramenta poderosa para o autoconhecimento.

“Ouvidos ao Mistério aborda questões relacionadas à espiritualidade. A música é um retrato da busca incessante por compreender o mistério e ao mesmo tempo sobre a angústia que essa busca causa, por vezes gerando uma rejeição. O desejo de adentrar no universo místico versus a exaustão da procura”, resume Vinícius.

O arranjo da música foi construído pensando em instaurar uma atmosfera mística, traduzida no vídeo. O clipe abre as portas para uma outra dimensão, atemporal, de um lugar etéreo e inventado, como se fosse um templo espiritual de conexão da alma com o universo. A vivência teatral dos integrantes, que também são atores, foi transposta para a representação visual da canção, tendo como inspiração para o roteiro as obras da artista surrealista espanhola Remedios Varo. “A ideia veio primeiro da criação de um ‘Pseudo Universo’, um lugar onde nos transformamos. Trabalhamos com livre associações das pinturas, optamos por não utilizar um roteiro clássico, linear, mas sim investir na plasticidade das imagens e na atmosfera mística do clipe”, explica Bea.

Nessa obra, os Pseudos investem na estética e na performance corporal, revelando uma nova faceta do trio apresentada no primeiro single, “Sobre fracassos, fiascos e fossa”, onde assumiram uma aura tragicômica. “‘Ouvidos ao Mistério’ revela um pouco como será o EP ‘É Agora’, em que cada música explora temáticas e sonoridades diferentes”, adianta Julia.

Para entregar mais um gostinho do álbum, a Pseudo Banda recorreu a uma de suas primeiras composições. O trio se conheceu quando trabalharam juntos em uma montagem teatral em 2015. Um momento de descontração fora do palco fez nascer a primeira música composta em parceria, e desde então a Pseudo Banda vem preparando seu debut e amadurecendo o projeto.

A relutância em se autointitular banda vem da vontade de ir além. Trazendo sua origem ao primeiro plano, o grupo se apropria do mundo “inventado” dos palcos e expande a noção do real e fictício, diluindo limites, rótulos e verdades. Em uma banda de mentira, tudo é possível e as possibilidades para experimentação são infinitas.

Prova disso é o EP “É Agora”, que traduz as múltiplas influências da Pseudo Banda em seis canções. Suas letras vão de universais, pautadas por temas atuais do cotidiano urbano, a intimistas, tratando de mudanças pessoais na vida dos integrantes e abordando questões como dor e solidão, esperança e união.