Todo mundo sabe, e é indubitável, que o Rock in Rio foi o festival que colocou o Brasil no mapa das grandes turnês internacionais. Até então recebíamos, quando o bom Deus permitia, um Alice Cooper aqui, um Jackson Five 3 anos depois, um Genesis ali, um The Police seis anos depois, um Kiss acolá. Depois do Rock In Rio os shows internacionais passaram a ser um pouco mais freqüentes, óbvio que ainda perdíamos feio para mercados prioritários como Estados Unidos, Europa e Japão, mas pelo menos não éramos mais ignorados. A partir daquele janeiro de 1985 passamos a existir. E depois dali só crescemos, e ainda favorecemos outros países da América Latina.

A primeira edição do festival lavou a alma de uma geração que sequer tinha MTV, que só chegou ao Brasil em 1990, nove anos depois de entrar no ar nos E.U.A. Ver todos aqueles artistas ao vivo, com todo o aparato usado lá fora, parecia um sonho. O Woodstock tupiniquim foi idealizado pelo publicitário Roberto Medina, que já havia trazido Frank Sinatra para o Brasil em 1980 no Maracanã. A idéia do Rock In Rio surgiu em 1983, realizar 10 dias de música com a nata da música pop internacional. Porém Medina não tinha muito conhecimento de rock e nem sabia como tratar com empresários do ramo. O próprio dizia que a gênese do festival foi amadora, era um verdadeiro exército de Brancaleone.

Quando foi se reunir com o empresário do Iron Maiden, colocou seu melhor terno italiano. Foi recebido por um cabeludo, barbudo de jeans rasgado. Perguntou pelo empresário da banda e ouviu como resposta “sou eu mesmo”. Dali viu que talvez tivesse que fazer pequenas adaptações em sua vestimenta dali por diante. E o resto foi história. O festival ganhou outras edições, inclusive fora do país, chegou a virar até bar temático. Hoje ocorre pela quinta vez em seu lugar de origem. Criticado por muitos, que sempre comparam com a lendária primeira edição, o festival continua sendo um sucesso, apesar do difícil acesso.

Rock In Rio 1985

rock-in-rio-1985

A primeira edição tinha como trunfo gigantes como Queen, Iron Maiden, Yes e AC/DC. Na ala nacional brilharam Barão Vermelho, Blitz e Paralamas do Sucesso, que tiveram ali seu batismo de fogo. O Brasil estava se libertando de 20 anos de ditadura, o primeiro presidente civil desde então iria assumir em breve. O ineditismo daquele grande festival se misturou ao clima de liberdade política e de expressão que estava no ar no momento. A música tema do festival que dizia “que a vida começasse agora, que o mundo fosse nosso de vez” podia sim ser interpretada como um hino comemorativo daquele fim de regime autoritário. Em uma área de 250 mil metros quadrados que ficou conhecida como cidade do rock, cerca de 1 milhão e meio de pessoas passaram por ali durante os dez dias de música

11 de janeiro de 1985

12 de janeiro de 1985

13 de janeiro de 1985

14 de janeiro de 1985

15 de janeiro de 1985

16 de janeiro de 1985

17 de janeiro de 1985

18 de janeiro de 1985

19 de janeiro de 1985

20 de janeiro de 1985

Rock in Rio II 1991

 Rock-in-Rio-1991

Seis anos depois veio a segunda edição. O país já estava recebendo um bom número de shows internacionais de grande porte. Até Paul McCartney já tinha passado por aqui.

As principais atrações foram o Guns n Roses em franca ascensão rumo ao posto de maior banda do planeta, o INXS, George Michael e Prince.Foi a edição que mais apostou em novidades ainda não muito conhecidas do grande público, mas que logo em seguida estouraram, como o Sepultura, banda mineira radicada nos E.U.A que fazia grande sucesso no exterior, menos por aqui. O Faith No More já tinha o clipe de Epic passando na MTV, mas foi depois do show que roubou a cena do Guns que eles viraram um fenômeno pop no Brasil, a ponto de terem mais popularidade aqui do que nos E.U.A.

Nessa leva de apostas ainda estava o Dee Lite (do Groove is in the heart) e os britânicos do Happy Mondays, que por um problema na organização acabaram fechando a noite que teve o A-Ha como atração principal. A edição de 91 também recebeu o New Kids On The Block, a boy band fenômeno da época. No Brasil era Collor e inflação nas alturas. No mundo, guerra do Golfo estourando. O festival foi realizado no maracanã e recebeu 700 mil pessoas em nove dias.

18 de janeiro de 1991

19 de janeiro de 1991

20 de janeiro de 1991

22 de janeiro de 1991

23 de janeiro de 1991

24 de janeiro de 1991

25 de janeiro de 1991

26 de janeiro de 1991

27 de janeiro de 1991

Rock In Rio III 2001

rock-in-rio-2001

Após dez anos veio a terceira edição, trazendo a novidade de outros palcos além do principal. O terceiro RiR tinha como slogan Por Um Mundo Melhor, e tinha até um espaço para discussões sobre um futuro sustentável, assunto que entrou em voga naquela virada de milênio.

A então gigante da internet no Brasil AOL foi a principal patrocinadora. Apesar das críticas recebidas por parte de quem comparou aquela edição às anteriores, foi a que trouxe mais atrações roqueiras. Com exceção do dia 18 de janeiro, todas as noites tinham uma banda ou artista de rock como atração principal. R.E.M, Foo Fighters, Oasis, Neil Young e Red Hot Chilli Peppers estavam entre os principais nomes. O Guns N’ Roses voltava de um longo hiato, com um formação nova, contando apenas com Axl Rose da banda original. Os fãs de carteirinha não reclamaram. O Iron Maiden trazia Bruce Dickson de volta após sete anos afastado, e ainda com Adrian Smith depois de 15 anos longe dos companheiros compondo um trio de guitarras com Jenick Gers e Dave Murray. O mundo não acabou em 2000, então Brasil e mundo ainda estavam na expectativa do que seria o novo milênio.

O festival voltou à cidade do rock e levou 1 milhão e 235 mil pessoas ao longo de 7 dias.

12/01/2001 – Sexta-feira

Palco Mundo:

  • Sting
  • Daniela Mercury
  • James Taylor
  • Gilberto Gil
  • Milton Nascimento e Orquestra Sinfônica Brasileira.

Tenda Raízes:

  1. Henri Dikongué (Camarões)
  2. Anima (Brasil)
  3. Värtina (Finlândia)
  4. Regis Gizavo (Madagascar)
  5. Tyours Gnawas (Marrocos)
  6. Thierry Robin (Bretanha / França)

Tenda Brasil:

  • Habagaceira (Escalada do Rock)
  • Relespública
  • Patrícia Coelho
  • Sandra de Sá
  • Luiz Melodia
  • Jair Rodrigues
  • Arnaldo Antunes

Tenda Rock in Rio Eletro:

  • (Noite Trance) Ricardo Araújo, Rica Amaral e ATB

Tenda Por um Mundo Melhor: Fé e Espiritualidade

Dia 13/01 – Sábado

Palco Mundo:

  • R.E.M.
  • Foo Fighters
  • Beck
  • Barão Vermelho
  • Fernanda Abreu
  • Cássia Eller

Tenda Raízes:

  • Regis Gizavo (Madagascar)
  • Henri Dikongué (Camarões)
  • Thierry Robin (Bretanha/ França)
  • Tyours Gnawas (Marrocos)
  • Campanyia Electrica Dharma (Catalunha)
  • Värtina (Finlândia)

Tenda Brasil:

  • Insight (Escalada do Rock)
  • Expresso 22
  • Mestre Ambrósio
  • Cidadão Quem
  • Marcio Montarroyos
  • Penélope
  • Sá Rodrix & Guarabyra
  • Nando Reis

Tenda Rock in Rio Eletro:

  • (Noite Hip-Hop) Nado, Zoeira Hip Hop, Kool Herc

Tenda Por um Mundo Melhor: Tecnologia & Globalização

Dia 14/01 – Domingo

Palco Mundo:

  • Guns N´Roses
  • Oasis
  • Papa Roach
  • IRA! e Ultraje
  • Carlinhos Brown
  • Pato Fu

Tenda Raízes:

  • Mawaca (Brasil)
  • René Lacaille (Ille de la Reunion)
  • Companyia Electrica Dharma (Catalunha)
  • Trio Chemirani (Irã)
  • Kau (Brasil)
  • Ray Lema Group (Zaire)

Tenda Brasil:

  • Brau (Escalada do Rock)
  • Sylvinho Blau Blau & Os Pelúcias
  • Os Virgulóides
  • Mary´s Band
  • Afro Reggae
  • Los Hermanos
  • Nação Zumbi
  • The Silva´s

Tenda Rock in Rio Eletro:

  • (noite Trance) Alexey, Wig, Ziggy Ferry e Corsten

Tenda Por um Mundo Melhor: Qualidade de Vida

Dia 18/01 – Quinta-feira

Palco Mundo:

  • NSync
  • Britney Spears
  • Aaron Carter
  • Sandy & Junior
  • Five
  • Moraes Moreira e seu trio elétrico

Tenda Raízes:

  • Teófilo Chantre (Cabo Verde)
  • Trio Chemirani (Irã)
  • Ray Lema Group (Zaire)
  • René Lacaille (Ille de la Reunion)
  • Targino (Brasil)
  • Pascual Gallo (Andaluzia)

Tenda Brasil:

  • Expresso 4 Oito (Escalada do Rock)
  • Kacau Gomes
  • SNZ
  • LS Jack
  • Luciana Mello
  • Ivo Meirelles & Funk ‘n Lata
  • Vinny
  • Pedro Camargo Mariano

Tenda Rock in Rio Eletro:

  • (Noite Techno) Ricardinho NS, Camilo Rocha e Westbam

Tenda Por um Mundo Melhor: Jovem e o Futuro

Dia 19/01 – Sexta-feira

Palco Mundo:

  • Iron Maiden
  • Rob Halford
  • Sepultura
  • Queens of the Stone Age
  • Pavilhão 9
  • Sheik Tosado

Tenda Raízes:

  • Pascual Gallo (Andaluzia)
  • Dedé Saint Prix (Martinica)
  • Dervish (Irlanda)
  • Touré-Touré (Mali)
  • Teófilo Chantre (Cabo Verde)
  • Amadou et Mariam (Mali)
  • Tenda Brasil:
  • Tafari Roots (Escalada do Rock)
  • Os Anjos
  • Negril
  • Supla
  • Pepeu Gomes & Armandinho
  • Rumbora
  • Tom Zé
  • Branco Mello

Tenda Rock in Rio Eletro:

  • (Noite Drum n Bass) Calbuque, Fabio, Marky

Tenda Por um Mundo Melhor: Música, Artes e Esportes

Dia 20/01 – Sábado

Palco Mundo:

  • Neil Young
  • Sheryl Crow
  • Dave Matthews
  • Kid Abelha
  • Elba Ramalho & Zé Ramalho
  • Engenheiros do Hawaii

Tenda Raízes:

  • Dedé Saint-Prix (Martinica)
  • Uakti (Brasil)
  • Sintesis (Cuba)
  • Cheb Aissa (Algéria)
  • Touré-Touré (Mali)
  • Dervish (Irlanda)

Tenda Brasil:

  • Sem Destino (Escalada do Rock)
  • Cabeça de Nego
  • Nocaute
  • Toni Platão
  • Wilson Simoninha
  • Paulinho Moska
  • Max de Castro
  • Torcuato Mariano

Tenda Rock in Rio Eletro:

  • (Noite Mix) Marquinhos Mesquita, B.U.M, Dave Angel

Tenda Por um Mundo Melhor: Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável

Dia 21/01 – Domingo

Palco Mundo:

  • Red Hot Chili Peppers
  • Silverchair
  • Capital Inicial
  • Deftones
  • Surto
  • Diesel (vencedora da Escalada do Rock)

Tenda Raízes:

  • Carlos Malta e Pife Muderno (Brasil)
  • Cheb Aissa (Algéria)
  • Amadou et Mariam (Mali)
  • Kau (Brasil)
  • Uakti (Brasil)
  • Sintesis (Cuba)

Tenda Brasil:

  • Cajamanga (Escalada do Rock)
  • Autoramas
  • Wilsom Sideral
  • Plebe Rude
  • Tribo de Jah
  • Biquini Cavadão
  • Tianastácia
  • Tihuana

Tenda Rock in Rio Eletro:

  • (Noite House) Dudu Dub, Felipe Venâncio, Memê, George Morell

Tenda Por um Mundo Melhor: Paz

Rock in Rio IV 2011

rock-in-rio-2011

Mais dez anos e chega a quarta edição, trazendo o conceito das edições realizadas em Lisboa e Madrid. Para muitos parecia mais um parque temático, mas indubitavelmente foi a melhor infraestrutura de um festival realizado no país até então, principalmente no que tange à qualidade de som.

As atrações mais aguardadas foram Red Hot Chilli Peppers, Rihanna, Metallica, Coldplay, Evanescence e System of a Down. A grande surpresa foi o show do Slipknot, velho conhecido, mas que marcou o grande público com sua performance incendiária, que mais parecia um cirque du soleil do inferno. O Guns n’ Roses fechou o festival com um show pífio. Debaixo de um pé d’água, um Axl Rose sem voz liderava uma banda cover mal ajambrada e sem alma. Talvez tenha sido a edição com o line up mais coerente por noite, sem cometer disparates como Erasmo Carlos na noite do metal, por exemplo.

No mundo, explodia a primavera árabe e o occupy wall street. No Brasil pequenos movimentos influenciados pelo occupy dão o prenúncio do que viriam a ser as atuais manifestações. Mais uma vez na cidade do rock, o festival teve lotação reduzida pela organização e todos os ingressos esgotados em poucos dias. Foram 700 mil pessoas ao longo de 7 dias.

23/9/2011 – Sexta-Feira

24/09/2011 Sábado

25/09/2011 domingo

29/09/2011 Quinta-Feira

30/09/2011 Sexta-Feira

01/10/2011 Sábado

02/10/2011 Domingo

Histórias e curiosidades

  • No primeiro Rock in Rio, Freddie Mercury perguntou à produção do evento se havia furacão no Brasil. Ao ser respondido que não destruiu todo o camarim e disse “agora tem”;
  • O AC/DC teria trazido um sino de verdade para Bell Tolls, e exigiu que sem aquele sino não haveria show. Só que por problemas técnicos foi para o palco uma réplica de gesso, e o som reproduzido em base pré gravada;
  • Em 1991 fãs histéricas não paravam de gritar em frente ao hotel onde o Guns estava. Ao gritarem “give me your phone” Axl pegou o aparelho e atirou pela janela. Certamente ele não faria isso se gritassem “give me your number” (a forma correta de se pedir o número de telefone de alguém em inglês);
  • O mesmo Axl tentou entrar no hotel com 18 mulheres. Foi impedido;
  • Ninguém podia passar em frente ao camarim de George Michael;
  • Robert Plant resolveu não vir ao RIR II  de última hora porque a guerra do Golfo estava estourando e ele teve medo de uma retaliação de Sadam Roussein bombardiando países da América;
  • O staff do Prince era todo formado por mulheres, homens eram proibidos de falar com ele;
  • O Oasis, maior banda da Inglaterra não se conformou em ser banda de abertura do Guns em 2001;
  • Em 2011, o show de Rihanna sofreu grande atraso porque ela estava em uma festinha no camarim da Katy Perry, que se apresentara mais cedo;
  • Janelle Monaé literalmente fez a festa comas meninas da Vila Mimosa;
  • Todas as edições tem alguém vaiado, já é tradição. Em 1985 foi Erasmo Carlos, em 91, Lobão, em 2001 Carlinhos Brown, em 2011, apesar de estar no dia certo (junto com Rihanna e Katy Perry), a vítima foi Claudia Leitte;
  • A edição de 2013 é a primeira desde 1985 sem Guns n’ Roses.