em ,

Elektra retorna em um título belíssimo e violento

sp51082Elektra se prepara para deixar seu passado e mudar o rumo de sua vida, partindo em busca de um novo alvo: o escorregadio e obscuro assassino conhecido como Corvo Encapuzado! Quanto mais Natchios busca por sua nova presa, percebe que a situação de seu inimigo é muito mais complexa do que imaginava. Será que a maior  será capaz de embolsar a maior recompensa de sua vida! Lendários assassinos se enfrentam nos confins do mundo e a alma de Elektra chega aos limites do abismo da morte!

Quando W. Haden Blackman foi anunciado que estaria a frente do novo título da ninja da Marvel não tinha ideia do que esperar.  O autor, conhecido por participar do design do Universo Star Wars e por ter escrito a Batwoman (DC Comics), chegava ao título de All-New Elektra substituindo Zeb Wells, que saiu para se dedicar a seus projetos televisivos, mas que demonstrou uma boa impressão com a personagem, ao escrever bons scripts e com planos bem desenvolvidos. Blackman logo foi taxado de ser um autor que remenda histórias, pois o título caiu de supetão em suas mãos, pegando um cenário que mesclava desilusão pela perda de Wells e o ceticismo da capacidade do novo escritor perante aquele encargo repentino. E Mike Del Mundo mesmo sendo um magnífico ilustrador, tampouco salvaria o título.

Foi isso que li no cenário estadunidense sobre esse título e quando a Panini lançou por aqui o encadernado com as edições 1 a 5, afortunadamente estavam errados. Blackman, tinha colaborado com outro artista, JH Williams III em Batwoman, e com Del Mundo a sinergia foi bem similar, gerando uma equipe tão criativa que surpreendeu, tornando-se um dos debuts mais interessantes da Marvel em 2014, ano da publicação das histórias em quadrinhos.

elektra_1_preview_3A arte pintada de Del Mundo resulta espetacular, para não dizer sublime, com um estilo que segue o que Bill Sienkiewicz fez em Elektra: Assasin. Lembra também David W. Mack menos expressionista, mas com uma narrativa bem fluida, que se mescla às belíssimas ilustrações. O monólogo interno de Elektra em forma de textos de apoio que Blackman desopila é  tão poético e intimo, que a consonância com o aspecto gráfico é incrível. Porém, apesar de trazer em flasback diversos outros personagens, inclusive, aquele que não deveria faltar, o Demolidor,  a narrativa é de recomeço, numa trama cheia de ação e perfeitamente integrada ao novo universo Marvel.

o_bga_roald_dahl_plano_critico-600x400
O terrível Lábios sangrentos

Algo que notei foi que a história não é somente de uma personagem, e sim uma maneira da Marvel apresentar personagens que nunca tinham aparecido, como os fascinantes Cape Crow (o Corvo Encapuzado) e Bloody lips (o Lábios sangrentos) mostrando a este título um perfeito equilíbrio entre lirismo, violência e adesão às fórmulas e conceitos que se demandam em uma comic da editora. Elektra mostra que é possível misturar tudo isto e fluir num mergulho, satisfazendo bem os leitores.

Blackman e Del Mundo conseguem superar os estigmas da crítica e como uma dupla debutante entregam uma forma bonita e gostosa de se ler. Estarei esperando as próximas criações da dupla, seja neste título, seja em outro. Recomendadíssimo.

Deixe sua opinião

“O Roubo da Taça” faz rir com história absurdamente real

“Cães de Guerra” mostra com quantas armas se conquista o sonho americano