Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

História dos direitos das mulheres pelo mundo ganha ‘graphic novel’ pelas mãos de ativistas contemporâneas

A luta feminina por igualdade é longa e já foi contata por diversos ângulos. Agora, a obra “Amazonas, Abolicionistas e Ativistas” relata esta história de maneira inovadora: em formato graphic novel. Lançamento da Editora Seoman e escrita pela ativista e crítica cultural negra Mikki Kendall, ela apresenta as principais figuras e acontecimentos que promoveram os direitos das mulheres ao longo do tempo.

Kendall, ao lado da ilustradora queer A. D´Amico, relata as proezas de mulheres notáveis ao longo da história – de rainhas e combatentes da liberdade a guerreiras e espiãs –, além de citar importantes passagens sobre os movimentos progressistas liderados por mulheres que moldaram a história, entre eles a abolição, o movimento sufragista, a entrada da mulher no mercado de trabalho, os direitos civis, o movimento LGBTQ+, os direitos reprodutivos e muito mais.

Traduzida pela brasileira Denise de Carvalho Rocha, esta HQ trata, de forma contundente e ousada, de diversos temas que compõe a trajetória das mulheres rumos aos seus direitos, como: os direitos das mulheres na antiguidade; como era o poder de imperatrizes, rainhas e princesas; o papel da escravidão, do colonialismo e do imperialismo no processo de apagamento das mulheres; a luta feminina pela liberdade e a marcha pela igualdade. Passa ainda pela revolução sexual e pela crise da AIDS (entre 1960 e 1980) e pelos feminismos corporativo, inclusivo etc.

“Esta é uma obra dedicada àquelas que pavimentaram o caminho, para as que aprenderam a abrir caminho e para as outras que encaram caminhos ainda desconhecidos”, dizem a autora e a ilustradora na dedicatória. Ao percorrerem a história da luta feminina, do começo ao fim, elas mostram figuras históricas e contemporâneas como Angela Davis, Malala, Janet Mock e Jowelle de Souza, além de muitas líderes no mercado de trabalho e na política como Michele Bachelete e Ellen Johnson Sirleaf. O leitor é transportado, junto com as personagens desta HQ (que representam a diversidade racial, estética e cultural) para uma viagem de resgate pelas origens e pelos progressos da luta pelos direitos de todas as mulheres.

Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

Baseado na obra de Eduardo Galeano, “Passarinho” faz últimas apresentações no Teatrinho do Nós do Morro

Próxima publicação

PWR Records busca talentos femininos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir