em

HQs históricas da Vertigo em 2010

Dentre os vários momentos memoráveis dos quadrinhos em 2010, a nível internacional, houve um evento um tanto inesperado e muito bem recebido por leitores que buscam algum conhecimento adicional quando leem uma graphic novel. O selo adulto Vertigo, uma divisão da DC Comics, apostou em histórias voltadas à cultura ou biográficas ao invés dos já badalados assuntos como fantasia, magia e violência.

Neste sentido três lançamentos muito importantes definiram novos caminhos para a editora: “Daytripper”, “Cuba: My Revolution” e “How to Understand Israel in 60 Days or Less”. É natural que a editora tente expandir seus horizontes para manter seu espírito adepto a novidades e, como sempre o fez, na vanguarda dentro da indústria de quadrinhos. Com isto 2010 foi marcado por três grandes projetos.

Daytripper, de Gabriel Bá e Fábio Moon

Os gêmeos brasileiros estremeceram o mercado americano mais uma vez com seu projeto autoral Daytripper, uma minissérie em dez edições totalmente brasileira. A história conta a vida de Brás de Oliva Domingos e a relação dele com pais, família, amigos, esposa e a vida em si durante momentos cruciais de sua jornada pessoal. A dupla de escritores evoca o fantástico Memória Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis e desafia a própria morte ao narrar, com meticulosidade, a vida de um típico brasileiro sulista e em busca de respostas para seu coração em edições que são nomeadas a anos importantes de sua vivência, de criança a velho.

Toda a temática é muito brasileira, tendo assim uma chance de mostrar ao mundo um país sul-americano que poucos conhecem, mesmo aqui dentro. Ainda inédita no Brasil, agora que foi concluída lá fora deve chegar ao nosso país pela editora Panini em 2011 e, como aconteceu lá fora, dará uma aula sobre este grande e lindo país. [leia mais sobre ela aqui]

Cuba: My Revolution, de Inverna Lockpez e Dean Haspiel

Poucas pessoas, mesmo as mais interessadas em história do mundo, tiveram chance de ter contato real com alguém que tenha passado pela revolução cubana de fins dos anos 1950 liderada por Fidel Castro e Che Guevara. Inverna Lockpez esteve lá quando jovem e sobreviveu para contar a história que viveu sob a personificação de Sônia, a protagonista. Inverna foi criada artista mas tornou-se enfermeira durante os primeiros anos da revolução e viu horrores sem igual, em especial quando foi considerada traidora e acabou meses numa prisão sem direito a humanidade nenhuma e muitas torturas. Liberada, ela começa sua busca pela liberdade de expressão – bem como por apagar seus traumas de guerra – em forma de arte.

Com a arte maravilhosa e limpa de Dean Haspiel, ao lado da coloração branca, preta e vermelha do já premiado José Villarubia, esta graphic novel ganhou até exposição em galerias de arte e foi bastante comentada, mesmo não tendo vendido tanto. O resultado final é uma narrativa pessoal de um período fundamental do continente americano, resultante de um governo que perdura até o momento em Cuba e que causou diversas expressões artísticas em seu nome. [leia mais sobre ela aqui]

How to Understand Israel in 60 Days or Less, de Sarah Glidden

Por fim uma graphic novel de um período mais curto mas não menos importante. Através do programa Birthright, que leva jovens judeus à terra prometida, Sarah Glidden embarca para uma viagem cheia de ideias fortes sobre os povos palestinos e muçulmanos e expande sua mente como nunca achava que pudesse acontecer. Mesmo não sendo uma jornalista propriamente dita, Sarah faz entrevistas com moradores locais, aponta opiniões muito diversificadas e ainda recomenda leituras fundamentais para entender um conflito que só vemos de longe.

Mais que isso a história é mais complexa do que simplesmente tomar partidos e as opiniões dos leitores certamente serão variadas ao final da narrativa gráfica.

Deixe sua opinião