em

J. Michael Straczynski: Grande escritor ou grande presepeiro?

O escritor J. Michael Straczynski divide opiniões entre os fãs de quadrinhos, tendendo um pouco mais para os que gostam do que os que não gostam dele. Na verdade, vale dizer, Straza – como é normalmente chamado por fãs brasileiros – é realmente aclamado por sua criatividade e ideias para determinados personagens. Por outro lado é odiado por sempre terminar os títulos que pega pra escrever de forma controversa demais – ou simplesmente por não terminá-los de verdade.

Tudo começou com a conclusão de Homem-Aranha na saga Um Dia a Mais, a qual o próprio editor da Marvel, Joe Quesada, afirmou tempos depois ser culpa sua e que o próprio último capítulo, no qual Peter Parker faz um pacto com o demônio Mefisto para sua tia não morrer, foi feito todo por ele isentando JMS de qualquer culpa pelo final controverso. Na época o autor já cuidava da nova mensal do Thor que trouxe o personagem totalmente renovado e moderno para um público muito maior e tornou-se não somente a melhor revista mensal da Marvel – por crítica e fãs – como também a mais vendida. Completando mais de 2 anos de trabalho e com a chegada do evento Siege o escritor decide deixar totalmente o título alegando que um evento tiraria todo o espaço criativo que ele vinha alimentando neste tempo todo sem precisar relacionar o herói com o restante do Universo Marvel. Sendo assim, em novembro de 2009, a Marvel publicou a última história do escritor e mais uma vez ele saía de um título de um jeito um tanto quanto abrupto.

Tendo escrito The Brave and The Bold por um bom tempo com a DC Comics após sua exclusividade com a Marvel acabar ainda antes de deixar Thor, foi neste ano que o autor finalmente mostrou algo de mais força na DC Comics e assumiu as mensais do Superman e da Mulher-Maravilha, além de ainda cuidar da primeira graphic novel do projeto Earth One da editora. Pra quem não sabe, Earth One foi uma ideia da DC Comics que cria um universo a parte e fechado para cada personagem importante que possui de forma a buscar novos leitores através do mercado literário. Superman: Earth One, de Straza, saiu há menos de um mês e esgotou antes mesmo de seu lançamento apenas com pré-vendas. O resultado comercial de absurdo sucesso fez com que ele deixasse Superman e M.M. com outras pessoas a partir do começo de 2011 para cuidar apenas de graphic novels agora.

A pergunta que fica é: o que acontece com este cara? Será que ele não consegue ficar num lugar só por muito tempo? Teria ele planejado um final muito ruim para os dois heróis da DC a ponto de jogar a batata quente nas mãos de outros e sair ileso de alguma controvérsia mais uma vez? Seria JMS um grande presepeiro? A resposta é “não” para todas as perguntas. JMS já soma mais de 50 anos de idade e trabalha com roteiros de filmes, games, gibis e muitas outras áreas da arte. É fato que ele se envolve em diversas controvérsias e não tem medo disso, porém é natural que isso aconteça quando se trata de uma indústria como os quadrinhos americanos que necessitam de revitalização há tempos e fazem de tudo para chamar a atenção e manter os poucos leitores que ainda possui.

O que acontece é que como todo autor que gosta de passar uma mensagem em suas obras ele também prefere as melhores chances comerciais de expor ideias e a projeção de Earth One é muito maior que meras mensais num mercado corrompido. Somam-se aí o lado artístico e também o comercial. É óbvio que a DC Comics já encomendou uma continuação da história e Straza, junto do desenhista Shane Davis, estão pensando nisso no momento. Mas vale destacar que quem estava gostando da fase do autor em Superman e Mulher-Maravilha (Nota: no caso do primeiro a controvérsia vem sendo alta demais e na segunda ela foi substituída pela alta qualidade dos textos e da prova que nunca a Princesa Amazona teve um tratamento tão interessante em suas histórias) não vai ficar órfão e essa é a grande defesa do autor.

JMS tinha assinado para cuidar de Superman e da MM por 12 edições, ou seja, um ano fechado e então passaria a bola para outros autores que cuidariam da situação no ponto em que ele deixaria. Isto posto, cerca de dois terços destes trabalhos foram totalmente feitos por ele. Claro, é importante que a conclusão não fuja do que ele planejara, mas vale destacar que ele fica de mentor de Phil Hester (que cuida da Maravilhosa) e de Chris Roberson (Superman) até o fim para que nada fuja do que ele mesmo havia planejado.

Sendo assim a situação não é ruim. Ok, certamente ele não é inocente no caso do Homem-Aranha, mas ele não abandonou Thor como alguns alegam: a história foi fechada. Com Superman e Mulher-Maravilha a situação também é boa e de quebra ainda temos chance de ver um Homem de Aço 100% moderno, crível e atualizado com as graphic novels de Earth One. JMS sai ganhando muito financeiramente e artisticamente. E os fãs? Também, é claro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

8 Comments

  1. Eu vejo o trabalho do Straczynski como uma série de livros com as páginas finais rasgadas. O livro pode ser o melhor do mundo, mas se você nunca consegue ler até o final sempre será uma experiência frustante.

    Para não ser injusto, o filme "A Troca" é o único trabalho do Straczynski que realmente merece respeito, mas ai entra o fator Clint Eastwood (que é indiscutível). Ficar criando polêmica é simples, mas quando você pega uma série como Y The Last Man, Planetary ou mesmo o Batman do Grant Morrison se entende o abismo entre o trabalho de caras como o Straczynski e o Geoff Johns e os grandes narradores da nona arte.

    Earth One é realmente perfeito para esse cara, ele pode fazer a bagunça que quiser que o mercado vai louvar e ele nem mesmo precisará manter alguma continuidade futura.

  2. Olha… não vou meter o malho no cara antes de ler o trabalho dele em MULHER MARAVILHA, mas sempre ouvi dizer que escritores consideram a personagem difícil, por causa de tudo que ela já viveu.
    Aí ele veio com essa "renovação" e esse uniforme novo… achava melhor tentar consertar o que considerasse ruim, ao invés de investir num "reboot".

  3. A Pior coisa que Straczynski fez na vida (e não é citada no texto) foi aquela merda de Homem-Aranha – Pecados Pretéritos (ou Saga do Corno)… O herói descobre que a mocinha o traiu com o vilão e teve dois filhos com seu arquiinimigo.
    Deus! Como alguém podia pensar e executar uma idiotice daquelas?

  4. é sempre complicado voce avaliar a qualidade de um escritor que trabalha nesse meio ,todo mundo agora sabe que quem planeja as historias e cuida de seu direcionamento são os editores ,prova disso foram os escanda-los que estourou um tempo atras com as sagas da dc ,e algumas tambem na marvel ,estamos falando de uma industria que na essencia não da mais lucro ,os gibis de super heroi no contexto corporativo só serve de plataforma para outras midias essas sim geram muita grana ,cinema ,tv e licenciamento de produtos ,então não sejamos romanticos um escritor por mais capaz que ele seja não da para fazer muita coisa ,um exemplo disso é grant morrison comparativamente sua produção do final dos anos 80 e começo dos 90 é muito superior a sua produção atual ,um observador atento vera que o que ele produz atualmente nada mais é do que expansão de franquias ja estabelecidas ,warren ellis esta mais perdido do que cego em tiroteio na marvel ,o bendis praticamente se diluiu em infinitos titulos dos vingadores ,o johns é uma versão menos talentosa e capitalista do marv wolfman brilhante dos anos 80,strazza é um bom escritor acerta e erra na mesma medida ,mark millar praticamente tatoou uma nota de dollar no peito ,conclusão não esperem mais historias fantasticas de super heroi ,a tecnologia digital do cinema e a sanha de colecionadores de bugiganga pegou toda aquela ousadia dos anos 80 e começo dos 90 e estrangulou impiedosamente .

  5. Interessante como o Salvador ficou só na parte da polêmica e esqueceu do principal: o trabalho do cara. Que é de qualidade, diga-se de passagem. Não se pode comparar um cara que teve raízes na TV e no popular com outros que tiveram chance de escrever trabalhos autorais num selo adulto já no começo de carreira.

    JMS é um cara mais voltado ao popular, mas diferente do Geoff Johns (que comparação infeliz, aliás) ele ainda mantém o aspecto artístico, ele quer passar algo com o que está escrevendo. Daí saber utilizar bem a cultura grega na Mulher-Maravilha, daí fazer o que o Superman nunca fez e deveria ter feito que é se preocupar com as mazelas do mundo e assim por diante.

    Como todo escritor popular nem tudo que ele fez é bom, claro, porém isso não o torna um cara RUIM.

  6. Vou te dizer que li a revista mensal da Mulher-Maravilha e achei bem ruim, me lembrou um revival das coisas que saiam na Image nos anos 90.

    Posso dizer que li boa parte do trabalho dele e, se não falei das história é por considerar que não têm essa qualidade que você tá presupondo. Continua valendo o que eu falei, começar algo é fácil, criar polêmica então é mais simples ainda, mas para um escritor mostrar que é bom ele precisa manter um trabalho regular e isso ele nunca fez com qualidade – é só olhar pro Homem-Aranha do cara.

    É muito simples entender o trabalho do JMS na DC Comics, o cara tá querendo pegar algumas pontas para descolar um trabalho nos filmes dos personagens pela Warner. Até acho que ele pode conseguir e têm qualidades para escrever algo pros cinemas, já que é mais simples fazer um filme de duas horas do que manter uma série boa por 20 edições sem desvirtuar os personagens.

    Só queria lembrar que outros escritores já utilizaram bem a cultura helênica na Mulher-Maravilha e colocaram o Superman para resolver problemas mais macros, a indústria dos super-heróis se recicla querendo mostrar as coisas como novidades mas a única diferença hoje em dia são as cores digitais e o excesso de violência.

  7. Seria JMS um grande presepeiro? A resposta é “não”. QUEM FOI O ANIMAL Q ESCREVEU ESSE TEXTO? é claro q ele é. ainda é pouco profissional. Certamente quem escreveu nao anda lendo a fase do super nem da mm. q historias mediocres. earth one é uma merda. acresenta nada. mais um versao da origem do superman mal contanda. o verdadeiro motivo para saida dos titulos do s e da mm foi q o basbacao queria ferias. de 5 anos. como earth one vendeu bem, ele deve ter feito um acordo. com o mefisto.

Street Fighter

Publicado por Morcelli

ColecionadorCinéfiloGibizeiroRepórterSuper-fãs

Smallville Roleplaying Game

Paul McCartney, o ídolo das multidões