Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

Laerte: boas e más notícias

Um de nossos grandes quadrinistas, responsável pela criação de títulos como Piratas do Tietê e Gatos e Gatas passa por um mês com boas e más notícias.

Por um lado, será lançado o volume três de Striptiras (formato 10,7 x 17,8 cm, 144 páginas em preto-e-branco, R$ 10,00) pela L&PM Editores, acrescentando-se à coleção de livros pockets na qual já saíram outros títulos do quadrinista: um volume de Piratas do Tietê , um de Fagundes, o puxa-saco e, obviamente, dois outros volumes de Striptiras.

Porém, a atual produção de Laerte traz uma cisão entre seus leitores e contratantes. O quadrinista declarou anteriormente que a morte de seu filho em um acidente de carro em 2006 foi uma cisão em sua forma de produção, chegando a afirmar que estaria passando por uma “crise criativa” e complementando com suas palavras: “Passei a ver e pensar as coisas de outro jeito, uma série de procedimentos começou a perder o sentido ou ganhar outros.” “Passei a não achar mais graça no tipo de humor que fazia, não me identificava mais com aquele modo de fazer, então resolvi deixar de lado os personagens.”

Essa dissensão deu origem a um resultado novo, que é denominado “tiras filosóficas”. Esse novo material em geral não possui personagens fixos nem piada no final, tendo, inclusive, alguns roteiros que dialogavam com o surrealismo.

Foi exatamente essa revolução (e a conseqüente falta do humor, substituído pelo incentivo à reflexão) que desagradou a muitos e resultou na suspensão das tiras de Laerte pelos jornais “Zero Hora”, do Rio Grande do Sul, e “A Tribuna”, do Espírito Santo, havendo a possibilidade de outros jornais adotarem a medida. Mas apesar deste ocorrido, outros periódicos continuam a dar liberdade para Laerte produzir seu material conforme desejar, como é o caso da “Folha de São Paulo” que irá manter as tirinhas, mesmo após as mudanças.

Para ler e conhecer o material do Laerte, entre no site dele clicando aqui

Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

Leões de Bagdá

Próxima publicação

Após 11 anos, um novo álbum de Animê no Top 3 do Japão

Comentários 6
  1. Ainda bem que vocês dois “descobriram” isso, quem iria imaginar que [..] tiras filosóficas”. Esse novo material em geral não possui personagens fixos nem piada no final [..] não são para ser engraçados e que devem possuir algum conteúdo né?

  2. Qual “conteúdo”, cara-pálida? “Conteúdo” é coisa de imprensa tupiniquim baba-ovo. Cartum= traço + gag. É por isso que cartuns de traço ruim e gags boas (como “As Cobras” no tempo em que o Veríssimo era engraçado) também não dão certo.
    Só tem uma palavra para definir o trabalho do Laerte agora: patético. Entendo que a dor de perder um filho deve ser inominável (arrepia só de pensar), mas porque o cara não faz a coisa certa e dá um tempo, ou parte para outra? Faz como o Bill Mauldin, por exemplo: o cara era um cartunista fantástico, criador dos dois personagens mais populares da Segunda Guerra, Pulitzer aos 23 anos. Quando a guerra acabou ele simplesmente aposentou os personagens, porque viu que não tinha mais graça. Voltou triunfalmente depois como chargista.
    De resto, prefiro o “Rapto de Ganimedes” do Rubens (é o melhor deles) do que o do Laerte na tirinha pela manhã, na hora de ir a9o banheiro, Só traço não basta.

  3. Ainda bem que vocês dois “descobriram” isso, quem iria imaginar que [..] tiras filosóficas”. Esse novo material em geral não possui personagens fixos nem piada no final [..] não são para ser engraçados e que devem possuir algum conteúdo né?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir