em

Marvel Comics no iPad e um olhar no futuro dos quadrinhos

Neste final de semana finalmente as Applestores começaram a comercializar o iPad, um dispositivo intermediário entre o iPhone e os notebooks com tela sensível ao toque que pode revolucionar a indústria de quadrinhos. Para os que ainda não conhecem o iPad, segue o comercial de lançamento da Apple.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=01l6aAA6qaE[/youtube]

Exageros a parte, o iPad provavelmente é o primeiro dispositivo de uma nova etapa da computação pessoal, permitindo as pessoas interagir com sua vida digital de maneira mais simples e intuitiva. O próprio Steve Jobs, presidente da Apple, enfatizou que nem a própria Apple imaginou que o reinado do mouse duraria tanto quando o lançaram em 1984. O iPad além de proporcionar uma maneira mais agradável de aproveitar a vida digital, permite que você esteja sempre conectado internet e a iTunes Store (quase), dispensando a utilização de cabos e periféricos em 99% do tempo. Claro que aparelho não é a prova de críticas, entre seus defeitos falta uma câmera frontal para video-conferência e a possibilidade de utilizar vários aplicativos ao mesmo tempo (multi-tarefa). Defeitos estes que não impediram um novo frenesi internacional em cima de um lançamento Apple, somente no primeiro dia a empresa já vendeu 300.000 iPads no Estados Unidos.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=RBJW1mT613s&feature=player_embedded[/youtube]

Apesar da série Modern Family ser produzida pela ABC, subdivisão da Disney, cujo maior acionista é o próprio Steve Jobs, o vídeo acima (em inglês) não fica longe da realidade.

Apesar de não ter chegado ainda no tema quadrinhos, aposto que muitos leitores já sacaram as possibilidades do iPad para a indústria da nona arte. Assim como o mercado de jornais e revistas, a indústria de quadrinhos perde diariamente consumidores diretos, que passam a ler quadrinhos digitalizados ilegalmente e distribuidos por serviços de trocas de arquivos (peer to peer, torrents, fileshares). Também é sabido que atualmente a Marvel e a DC Comics, as duas grandes editoras do mercado, vivem graças propriedade e produção intelectual e não graças as vendas – algo que deve se acentuar agora que a Disney comprou a Marvel e a Warner passou a controlar a DC.

Impressos vendendo mal + Empresas interessadas em outras mídias = Problemas!

A fórmula acima é realista e desanimadora, mas também é perfeita para um novo horizonte para os quadrinhos. No lugar das editoras, grandes ou pequenas, terem de apostar em tiragens impressas, os quadrinhos digitais podem ser vendidos sob demanda, sem intermediários (distribuidoras, lojas) e ainda ficar disponíveis eternamente através do aplicativo ou sob serviço de assinatura. Assim finalmente chegamos no Marvel Comics, aplicativo para iPad da ‘Casa das Idéias’  que, assim como o dispositivo da Apple, chega prometendo se tornar a referência para o futuro.

Além de permitir ler quadrinhos Marvel no iPad, o aplicativo permite visualizar o catálogo de lançamentos e acervos por diversos filtros, como populares e destaques, ver uma prévia da edição, adicionar comentários e dar notas. E isso na primeira versão do aplicativo, que sem dúvidas ganhará mais funcionalidades conforme o resultado comercial aparecer. Abaixo um vídeo demonstrando o Marvel Comics, realizado pelo Boingo Boingo.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=dKynwgUOZJo&feature=player_embedded[/youtube]

A Marvel promete levar todo seu acervo de quadrinhos – o que é muita coisa mesmo – para seu aplicativo, por enquanto a editora escolheu 500 edições que serão disponibilizadas gratuitas ou a dois dólares para venda pelo próprio aplicativo.

Bem vindo ao reino do amanhã.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 Comentários

  1. Muitas pessoas ainda preferem imprimir seus arquivos para leitura, achando a mesma complicada em computadores. Acho que esse aparelho vai facilitar a leitura de grandes textos, como e-books, de forma digital. Particularmente achei muito interessante. Infelizmente não acredito que terei condições de comprar um desses no primeiro momento, então vou esperar a versão "generica" chinesa chegar na Santa Ifigenia em São Paulo.rs