em

O Projeto Multiversity

Lembra-se de Multiversity (saiba mais aqui e aqui)? O idealizador do projeto, Grant Morrison, cedeu uma entrevista ao CBR ontem e explicou mais sobre o que pretende fazer em 2010 a respeito desta nova série.

earths-final-crisisEle começou o papo falando que seria uma grande loucura fazer uma série de 52 one-shots, com cada um tratando de uma Terra, mesmo que gostaria muito de fazê-lo. Portanto, agora, ele está com oito edições em produção, e não mais sete como anteriormente, sendo que nenhum desenhista foi oficializado para o projeto – aliás, segundo Morrison, é bem provável que cada edição tenha um artista, para que cada “mundo” tenha sua própria “cara”.

A idéia, mais uma vez, origina-se de 52. Morrison contou que ele, Geoff Johns, Greg Rucka e Mark Waid cuidariam do projeto todos juntos, com cada um falando de uma Terra, mas a coisa toda acabou engavetada conforme outros projetos foram aparecendo e ganhando prioridade antes deste. Tendo a coisa toda em mãos novamente e somente pra si, Morrison fará com que cada mundo destes oito tenha seus personagens principais, sendo novos ou, principalmente, caracterizações novas de grandes personagens.

Das oito Terras, algumas já estão bem definidas. Elas são: a da Charlton, que já foi anunciada como uma coisa mais real e crua, no nível Watchmen, mas ao seu próprio estilo; uma outra é a família Marvel – ou Família Shazam – que mostrará todos os personagem de forma bem clássica, à la Grandes Astros Superman, o que significa pegar o espírito destes personagens mas sem ser nostálgico. Esta Terra está sendo chamada de Thunderworld, ou “Mundo Trovão”.

Outra Terra, ainda sem uma designação mais específica, terá muitos dos personagens criados nos anos 1990, como Connor Hawke, por exemplo, tendo um aspecto da antiga Terra-2, na qual ficava a velha Sociedade da Justiça. Aliás, a SJA também ganha uma releitura de forma pulp, com Lady Falcão Negro, o Homem-Imortal, Abin Sur e Doc Fate (uma versão Doc Savage do Senhor Destino).

earths-final-crisis-2A Terra-10 cuidará de alguns personagens vistos na Crise Final, como o Overman (o Superman Nazista). Aqui, os nazistas conseguirão criar um mundo perfeito para se existir, porém com uma culpa imensa pelas atitudes que tomaram para chegar nisso. Morrison definiu toda a história como algo Shakespereano, com a Liga da Justiça Nazista combatendo os Combatentes da Liberdade.

Haverá também a Terra-Primordial, com Ultraa the Unknown e a própria Multiversity, que será uma história com vários heróis em forma de equipe, onde estará, inclusive, o Capitão Cenoura. Sobre esta grande edição, Morrison disse “Cada Terra terá revistas em quadrinhos com personagens que existem nas outras Terras, e eles se tornarão importantes na hora de combater os inimigos de outras Terras reais. Pra falar a verdade, existe um quadrinho que é amaldiçoado e mata qualquer pessoa que entra em contato com ele. É o Ultraa The Unknown, sexta ediçao.”.

Até então Multiversity não está sendo planejada para ser um grande evento em 2010, mas pode vir a ser conforme a liberdade editorial a criatividade do autor forem postas à prova. O que se sabe é que ela acontecerá somente após o final de Blackest Night (Noite mais Densa). A hipótese de cada uma destas Terras virar uma série mensal não é descartada, mas Morrison avisa que não é seu propósito.

3 opinaram!

Deixe sua opinião!
  1. Considerando a salada que foi a Crise Final (eu adorei!) acho pouco provável que a DC opte por lançar um projeto desses como grande evento. Até porque, quem já conhece as idéias p*[email protected] do Grant Morrison sabe que não são fáceis de digerir.

  2. Ah, agora o Morrison resolveu esclarecer melhor as coisas..

    Bom, eu particularmente acho ruim essa idéia de transformar em mensal, maaas, tudo é possível se a série der $$ 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Street Fighter

Publicado por Morcelli

ColecionadorCinéfiloGibizeiroRepórterSuper-fãs

Trailer da sequência de Red Dead Revolver disponível!

Irmãos Grimm em Quadrinhos: Conhecendo o bom trabalho nacional