em

Publicações da Panini recebem aumento de preço

A Panini fez um favor aos colecionadores e fãs de quadrinhos. Com o aumento de preço, ela acabou de elitizar ainda mais os quadrinhos no Brasil e ampliou ainda mais o rol de desculpas para aqueles que baixam revistas na internet. Agora as revistas da Marvel e DC mensais passaram de R$ 7,50, para R$ 7,95 (porque não R$ 8,00 logo de cara? Ninguém me explica essas matemáticas).

Tudo bem, foi o segundo aumento que a editora praticou em 4 anos. O anterior, em janeiro de 2009, passou o preço de R$ 6,90 para R$ 7,50. Este foi o primeiro reajuste praticado pela editora em três anos. Ainda assim as revistas estão baratas? Sim, se analisarmos o preço de uma revista americana e pensarmos que cada edição brasileira comporta de 3 a 4 revistas, sim, o preço está baixo, comparativamente, e muito.

Porém, comparativamente, eles são a maior economia do mundo e a brasileira ainda está longe disso o que implica que o poder de compra do brasileiro é infinitamente inferior ao do americano. Some-se a isso o fato da revista Marvel Action ter sido cancelada ano passado e temos um corte de gastos que para todos os efeitos acarretaria em uma manutenção dos preços. Ainda, se formos ver, uma boa desculpa é que o preço dos quadrinhos lá fora só tem subido, criando uma onda que poderia ter afetado os preços no país.

Para se ter uma idéia, nos anos 40 e 50 nos EUA, uma revista equivalia a uma ou duas barras de chocolate (era uma medida comparativa usada continuamente, eu não estou inventando isso). Hoje em dia, a barra, lá fora, continua com quase o mesmo preço e os quadrinhos triplicaram de preço enquanto aqui, anualmente, temos um aumento que varia em torno de 6%.

Enquanto isso, a editora lança mensalmente nove revistas Marvel e seis da DC, mais uma penca de edições encadernadas por um preço absurdo que simplesmente implica aos colecionadores um gasto ainda maior sem uma devida razão lógica que diga que aquelas edições tem um diferencial que não o número maior de páginas. E estou apenas me referindo as linhas Marvel e DC da editora, sem contar mangás e Turma da Mônica, Vertigo e afins.

Quando a editora chegou ao Brasil para salvar os colecionadores da Marvel das mãos da Abril e sua linha Premium, foi um alívio. Hoje em dia, eu sinceramente espero que esse preço tenha algum tipo de compensação para quem coleciona e seja algum tipo de estratégia de marketing (???) para aumentar as vendas e quem sabe, ficar mais três anos sem aumento de preço que nem foi no começo, o que seria uma atração para novos leitores e um estímulo aos antigos como eu (20 anos de coleção) continuarem comprando.

J.R. Dib

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 Comentários

  1. Faz sentido, esse jogo de compensação de custos e prejuízos sempre foi muito praticado no ramo editorial, para não cancelar títulos que inicialmente se mostram deficitários elevam-se os preços de outros títulos mais rentáveis para cobrir a falta de rentabilidade inicial (?) de outros, que seria o caso dos novos títulos Vertigo, infelizmente ninguém pode garantir que essa linha de quadrinhos vá mesmo emplacar dessa vez nas terras brasileiras, e não é só no ramo editorial que este expediente se faz presente. A corporação Globo mesmo é um exemplo clássico disso, já divulgaram muito na mídia que a rede Globo de televisão é a galinha dos ovos de ouro do conglomerado inteiro, que os lucros exorbitantes que ela obtem são repassados para cobrir o rombo que outras empresas menos lucrativas deixam no caixa da família Roberto Marinho.