em

Resenha: Dark Sun#1 (HQ)

E saiu a primeira edição da história em quadrinhos do mundo de Dark Sun. Ela faz parte do esforço da Wizards of the Coast em divulgar a marca Dungeons & Dragons em outras mídias, melhorando assim sua visibilidade e encontrando outras formas de explorar o símbolo D&D. As séries em quadrinhos estão sendo produzidas em conjunto com a IDW Publishing, a mesma editora de 30 Days of Night e dos quadrinhos de Dragon Age.

O autor da série é Alex Irvine, escritor premiado que já trabalhou para a Marvel Comics. O desenhista é Peter Bergting (Image Comics) e a colorista é Ronda Pattison (Dark Horse, Marvel).

Essa primeira edição já começa a história com o gladiador mul Grudvik tentando sobreviver no deserto e sendo atacado por caçadores de escravos. Uma série de eventos sequenciais acabam criando uma aliança desconfortável entre o gladiador e um dos caçadores (Aki), com a expectativa de uma possível viagem aos subterrâneos de Tyr.

A história é simples, direta e sem grandes preocupações com caracterização. Grudvik é o grande herói forte e irritado, Aki é o coadjuvante inteligente e covarde. Em vez de uma preocupação com uma descrição melhor dos personagens ou uma explicação crível para a aliança entre os dois, a história joga um problema atrás do outro contra a dupla, numa sequência de cenas de ação com pequenos intervalos.

Essas cenas não são ruins, tendo idéias interessantes de locação e situação (como um combate no topo de um monstro voador), mas não adicionam nada importante a trama. Elas ajudam a entender os perigos de viajar nos desertos de Dark Sun e são visualmente interessantes, entretanto quanto o segundo monstro gigante surge na história, começa a levantar a suspeita que o autor não tinha idéia de como ocupar a primeira edição da revista.

Sendo que para uma primeira edição, ela falha em dar um início adequado para a história. Quem teve a chance de ler a revistinha Dungeons & Dragons #0, que serviu como preview para a nova linha de quadrinhos de D&D, teve a chance de ler a explicação mais detalhada sobre como Grudvik se tornou procurado pela guarda de Tyr, quem era a garota a quem ele se refere na história e como foi sua fuga no deserto. Todo essa explicação é repetida em Dark Sun #1, mas isso é feito num resumo de menos de uma página. Teria sido muito melhor repetir o início da revistinha preview e expandir em cima dela, do que começar a história do meio, como aconteceu no DS #1.

A história vale a pena para quem é fã do cenário. Ela serve como bom guia visual, representando elementos como vestimentas comuns, veículos e monstros, sendo então útil também como referência visual para quem está jogando em Dark Sun. Fora isso, vale mais a pena esperar e ver se a série melhora mais pra frente. Quem sabe nas próximas edições ela diminui um pouco o tom de cenas de ação desconexas e consegue desenvolver uma trama interessante.

Deixe sua opinião

Enrolados – Recontando a história de Rapunzel

Os piratas zumbis de David B.