em

“Scott Pilgrim Contra o Mundo” pela Quadrinhos na Cia.

"Scott Pilgrim Contra o Mundo" pela Quadrinhos na Cia. | Quadrinhos | Revista AmbrosiaEmbarcando na onda do filme que será lançado em agosto, a Quadrinhos na Cia., selo de quadrinhos da Companhia das Letras, lançou os dois primeiros volumes de Scott Pilgrim Contra o Mundo em volume único. Como a série tem seis edições, ainda teremos de esperar mais dois destes volumões com a história quase non sense de Scott Pilgrim.

Porém, deixe-me explicar quem é Scott.

Preguiçoso, ocioso e um tanto quanto desconexo da realidade. Seus pais vivem na Europa, sua irmã é uma pentelha que insiste que ele, com 23 anos de idade, precisa arranjar um emprego, seus amigos são todos basicamente músicos ou circulam os shows e meios musicais. Sua banda, o Sex Bob – Omb é uma porcaria que faz sons altos, rápidos e com letras sem nexo, como 90% das bandas de hoje em dia. Seu companheiro de quarto se chama Wallace e é homossexual assumido, os dois dormem na mesma cama e as piadas sobre este assunto são normais.

Ele tem um rolo adolescente chamada Knives Chau, que é apaixonada por ele. Porém, entra em sua cabeça (literalmente) o amor de sua vida: Ramona Flowers. É aqui que a vida de Scott começa a ficar mais sem nexo ainda. A paixão toma conta de Scott e logo que isso acontece, ele começa a receber e-mails e cartas dizendo que terá de lutar por Ramona. Ele basicamente ignora isso como se fosse um spam e toca sua vida. Em um dos shows da banda, surge Matthew Patel, seu primeiro oponente. Tudo se torna uma luta de fliperama, com direito a reversal e golpe final que torna o adversário em moedinhas, no caso US$ 2,10.

É aí que Scott descobre que para namorar Ramona, terá de derrotar todos os sete ex-namorados demoníacos dela. E isso tudo acontece apenas no primeiro volume. A partir daí temos toda encrenca sem nexo que se pode imaginar, desde Knives lutando com Ramona em uma biblioteca, até a luta de Scott contra o segundo ex-namorado, um ator de cinema que é derrotado de uma das formas mais imbecis, sempre com muito humor e sarcasmo.

O estilo de desenho de Bryan Lee O’Malley lembra os antigos traços usados pelos fabricantes de jogos de videogame, criando uma mistura muito agradável aos olhos e de fácil leitura. As piadas foram devidente mantidas na versão em português, mas eu vou ter que reclamar do formato escolhido pela editora para publicar a revista. Por ser muito grosso, fica difícil o manuseio e fatalmente as páginas irão descolar caso seja muito utilizado. Talvez se fosse lançado por volumes, em seis edições distintas, as chances disto ocorrer fossem menores, mas obvio que este é o preço que se paga para tentar baixar os custos de impressão.

Ainda assim, a revista compensa monstruosamente e é uma obrigação ter na sua coleção. O bom é que qualquer pessoa pode começar a ler sem prévio conhecimento. O humor é adulto, mas uma criança iria rir da mesma forma já que não há qualquer nudez ou violência, apenas um palavreado que toda molecada já conhece hoje em dia e se não conhece, vai acabar conhecendo pelo gibi, o que é um serviço público de grande valia.

J.R. Dib

[Compre Scott Pilgrim Contra o Mundo no submarino]

Visite o Ambrosia Vídeos para assistir o trailer do filme “Scott Pilgrim Contra o Mundo”

Opiniões

Deixe sua opinião!

Participe com sua opinião!

Carregando

0