Sesc Pompeia apresenta a exposição Flávio de Carvalho Experimental

29
0

Como parte do programa Diversos 22 – Projetos, Memórias, Conexões realizado pelo Sesc São Paulo, ao longo do ano, em celebração ao Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922 e ao Bicentenário da Independência do Brasil (1822), será inaugurada no Sesc Pompeia a exposição Flávio de Carvalho Experimental, com curadoria de Kiki Mazzuchelli e curadoria adjunta de Pollyana Quintella.

“Com a licença que as manobras de Flávio de Carvalho permitem arriscar, é possível conjeturar que parte importante da ação cultural realizada pelo Sesc, hoje, já se encontrava, em alguma medida, encarnada no corpo-fazer-obra desse polímata das artes. Como também o comprovam os artistas contemporâneos presentes nessa exposição, seu legado experimental encontra-se vivo e, mais que isso, transubstanciado em produções e instituições artísticas atuais”, destaca Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo.

Realizada em razão das reflexões acerca de ambas efemérides de 22, a mostra revisita a produção de Flávio de Carvalho e traz um panorama das suas importantes contribuições no período de transição entre as vanguardas do início do século XX e sua relação com o experimentalismo radical da década de 1960, tais como a Tropicália, Cinema Novo e o Concretismo. “Com sua obra, somos levados a considerar como as manifestações modernas no Brasil foram fundamentalmente atravessadas por contradições entre modernidade sociocultural e a modernização econômica, bem como por elementos antagônicos, como o profano e o religioso; o artesanal e o tecnológico; o rural e o urbano; elite e “povo”; instituições liberais e hábitos autoritários; democracia e ditadura”, afirmam as curadoras.

Dividida em quatro núcleos – Arquitetura, Teatro, Experiências (que exploraram aspectos relativos à performance, moda e religiosidade) e Retratos –, a mostra traz documentações e 52 obras históricas de Flávio de Carvalho, concebidas de 1930 a 1973, além de contar com 18 trabalhos de dez artistas e dois coletivos cuja produção emergiu já no século XXI. Para construir esse diálogo entre o passado e o presente estão: arquivo mangue | camila mota y cafira zoé, Ana Mazzei; Antônio Tarsis; Cibelle Cavalli Bastos; Cristiano Lenhardt; Crochê de Vilão; Engel Leonardo; Guerreiro do Divino Amor; Maxwell Alexandre; Panmela Castro; Pedro França; e Teatro Oficina

“Tais artistas não apenas apontam desdobramentos contemporâneos de aspectos importantes da obra de Flávio, como também, em alguns casos, manifestam contradições e fragilidades expressas na obra deste artista, à luz das discussões do presente e da necessidade de compreender as falhas e limites que compõem a narrativa hegemônica em torno do modernismo brasileiro”, ponderam as curadoras.

Segundo Mazzuchelli e Quintella ainda, a exposição, ao tomar como ponto de partida o caráter experimental de Flávio de Carvalho e suas reverberações no presente, propõe uma abordagem inovadora de sua obra que se pauta pelas ideias (e não pelas categorias de atuação) que o artista desenvolveu em sua trajetória e que cumpriram um papel fundamental na expansão dos limites daquilo que é considerado arte. “A mostra busca oferecer uma visão mais aprofundada da contribuição fundamental de Flávio de Carvalho no período de transição entre as vanguardas do início do século e o experimentalismo radical da década de 1960, bem como mostrar a atualidade de questões levantadas por sua obra nos dias de hoje”, completam.

Flavio de Carvalho (Amparo da Barra Mansa RJ 1899 – Valinhos SP 1973)

Pintor, cenógrafo, escritor, teatrólogo e um dos um dos pioneiros da arquitetura moderna no país, já em 1931, realizou sua primeira intervenção no espaço público, o que hoje se convencionou a chamar de performance, na qual caminhou contra o fluxo de uma procissão de Corpus Christi nas ruas do centro de São Paulo (Experiência n.2,) Dois anos mais tarde, escreveu e dirigiu a peça O Bailado do Deus Morto, assegurando seu lugar como um dos precursores do teatro moderno brasileiro. Sua primeira exposição aconteceu em 1934 e incluiu uma vasta seleção de pinturas, desenhos e esculturas influenciados por tendências expressionistas e surrealistas. Flávio cumpriu, ainda, um papel importante como animador cultural na década de 1930 por meio dos inúmeros artigos e entrevistas que publicou em jornais e revistas, bem como pela organização de uma série de exposições e conferências que contaram com a participação de convidados locais e internacionais num momento em que o circuito artístico da cidade de São Paulo ainda era bastante provinciano. Pensador ávido e interessado nos campos da etnologia e da psicanálise, apresentou suas teorias pouco ortodoxas em congressos acadêmicos na Europa, América do Sul e Estados Unidos. Em 1956, quase aos 60 anos de idade, lançou publicamente seu New Look (Experiência n.3), um traje de duas peças idealizado para o homem tropical que consistia de um blusão e uma saia plissada. Embora Flávio de Carvalho tenha conquistado reconhecimento por setores da crítica ao longo de sua carreira – sobretudo pela produção em meios mais tradicionais -, suas proposições de caráter mais radical e experimental continuam sendo apresentadas como episódios isolados dentro da historiografia da arte brasileira.

SERVIÇO:

Flávio de Carvalho Experimental
De 31 de agosto de 2022, às 10h, a 29 de janeiro de 2023
Terça a sexta, das 10h às 21h
Sábado, domingo e feriados, das 10h às 18h
Local: Galpão
Grátis. Livre
Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93 – Pompeia – São Paulo/SP
Não temos estacionamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *