em

Up – Altas aventuras

img_up_poster_2601A Pixar, desde Toy Story (clássico incontestável), sempre primou pela alta qualidade de suas animações, não apenas pelo lado técnico, mas no que tange ao roteiro e desenvolvimento de personagens.

Depois de quase se separar da Disney, dententora dos direitos de distribuição e merchandising, o estúdio passou a de fato pertencer à casa do Mickey, porém com plena liberdade criativa. Foi justamente a partir dessa fusão que vieram pérolas que creio serem até mesmo mais indicados aos pais do que à molecada. Os Incríveis, com suas referêcias ao universo das HQs (inclusive Watchmen), Ratatouille, sobre o mundo da gastronomia e o magnífico Wall-E, com piadas referentes à teoria de que somente as baratas sobreviveriam a uma devastação no planeta, por exemplo divertem os adultos, mas deixam os miúdos sem entender do que os grandes riem tanto.

Up – Altas aventuras, de Pete Docter (diretor de Monstros S.A.) e Bob Peterson (roteirista de Procurando Nemo), segue essa linha dos últimos desenhos, porém o apelo ao público infantil é um pouco maior do que em seus predecessores. A história de Carl Fredricksen, velhinho viúvo prestes a perder sua casa e mandado para um asilo e para não perder acasa onde passou toda sua vida com a esposa acopla milhares de balões de gás, transformando a casa em um dirigível. Nela, ele pretende rumar para o ponto da América do sul onde os dois planejavam visitar como exploradores desde que se conheceram na infância. Mas surge algo que não estava nos planos iniciais: ele descobre que o escoteiro Russell está a bordo e a convivência não será fácil entre o velho ranzinza e o pequeno escoteiro, mas no decorrer da aventura Carl vê em Russell o neto que não teve (sua mulher não pôde engravidar).

Up só confirma o talento da Pixar para contar histórias, essa aqui consegue ser divertida e ao mesmo tempo comovente, desde o início que contextualiza a trama até o último frame. Um belíssimo exemplar de uma turma que até agora não fez um filme sequer mais ou menos.

3 Comments

Deixe sua opinião!
  1. Também percebi esse aspecto interessante da história estar mais sintonizada com o publico adulto, grande verdade. Só não tinha percebido que isso era presente em outras produções. Enfim, eu sempre confundo quem criou e produziu o que…

  2. Up é meu filme favorito da Pixar, acabei podendo assistir somente na semana passada e fiquei apaixonado pela história. Sinceramente não podia esperar um filme tão emocionante com a premissa: “Um velhinho numa casa voadora acompanhado de um menino gordinho”.

    Wall-E era até então minha produção favorita da Pixar, mas UP possui um apelo humano absurdo. Os primeiros quinze minutos, quando vemos a vida do personagem passar, é de uma beleza rara 😀

    Filme perfeito!

Deixe sua opinião

Avatar

Publicação Cesar Monteiro