“Onde estamos imersas” estreia no Sesc Copacabana

Como você percebe o seu corpo? Como um instrumento de uso ou como uma matéria se reinventando em constante relação com tudo que existe? Vivemos hoje em um momento de transformação, com um futuro mais pressentido do que imaginado. Parece necessário fabular novas realidades e formas de pensar, de viver e de se relacionar. O corpo tem um papel importante neste processo, porque é em sua relação com o mundo que reside a capacidade de fundar novas realidades perceptivas e gestuais. É a partir de práticas de anatomia experiencial, na busca por inventar novas narrativas para o corpo, que a coreógrafa Dani Lima criou o espetáculo “Onde estamos imersas”, que faz curta temporada, de 8 a 18 de dezembro, no Mezanino do Sesc Copacabana, com sessões de quinta a domingo, às 20h30.

Neste trabalho, que rompe um longo período de abstinência na criação de espetáculos, a artista-pesquisadora convidou 10 colaboradores de várias gerações, vindos de contextos e trajetórias diversos, para um desdobramento de sua pesquisa de doutorado. O resultado é um estudo performático e eco-somático, relacionando as dimensões micro e macro a partir da investigação da anatomia do corpo e do planeta.

“Estamos na crise do Antropoceno, essa era geológica na qual os efeitos da ação humana passaram a deixar marcas irreversíveis nos sistemas geológicos, biológicos e atmosféricos e sociais. Como podemos encontrar novos modos de seguir vivendo aqui?”, indaga Dani Lima. “Esta pesquisa busca instrumentar o poder de ação do corpo através da aprendizagem de um saber-sentir, relacionando em continuidade a matéria do corpo com a matéria do mundo. Treinar essa escuta do corpo é um gesto de sobrevivência”, acrescenta a coreógrafa.

A ideia do espetáculo surgiu a partir da pesquisa de Dani Lima sobre uma metodologia experiencial de estudo de anatomia e fisiologia — o Body-Mind Centering, criado pela norte-americana Bonnie Bainbridge Cohen — que explora o movimento, o toque e a voz para compreender como a mente se expressa através dos vários sistemas do corpo e vice-versa. Durante a pandemia, a coreógrafa montou um laboratório online sobre o assunto, onde garimpou os artistas que partilham desta criação, explorando uma dramaturgia que pensa corpo e subjetividade como matérias inseparáveis, desconstruindo a metáfora do corpo-máquina construída pela modernidade.

“Dani começou partilhando conosco algumas práticas corporais de BMC e, a partir daí, iniciamos um processo criativo no qual experimentamos novas recombinações possíveis que surgem do encontro entre performers vindos de diferentes contextos e trajetórias. Foram dois meses e meio de um intenso processo através da exploração da corporalização, que vejo como sendo profundamente político e essencial nos dias de hoje”, avalia Babi Fontana, que está em cena e assina a assistência de direção. “Onde estamos imersas é um convite para pensarmos e sentirmos através do corpo: o que está dentro e o que está fora, aquilo que nos rodeia, nossas membranas, o que deixamos entrar e deixamos sair, onde permanecemos, insistimos em ficar, em viver…”, completa a performer Tais Almeida.

“Onde estamos imersas” reúne ainda reflexões nascidas de diálogos com o pensador Ailton Krenak, com o filósofo Emanuele Coccia, e com as biólogas Lynn Margulis e Donna Haraway, entre outras personalidades. Propõe um compêndio de corpos-paisagens que fabulam novos gestos de cultivo, sintonização, cuidado e conexão com corpos humanos e não-humanos.

FICHA TÉCNICA:

Criação e performance: Babi Fontana, Camila Venturelli, Bela Alarinjó, Luana Bezerra, Lucas Brandão, Ludmila Rosa, Luzé Gonçalves, Ricardo Cabral, Tais Almeida e Tayson Pio
Textos: criação colaborativa a partir de fragmentos de Astrida Neimanis, Bonnie Bainbridge Cohen, Emanuele Coccia, Lynn Margulis, Silvia Federic e da equipe de performeres e direção.
Direção: Dani Lima
Colaboração dramatúrgica: Babi Fontana, Camila Venturelli, Ricardo Cabral
Assistência de direção: Babi Fontana e Camila Venturelli
Direção musical: Lucas Brandão
Colaboração artística | ambientação, figurinos: Erika Schwarz, Valéria Martins, Isabella Sá Roriz
Fotos: Renato Mangolin
Assessoria de imprensa: Rachel Almeida (Racca Comunicação)
Assistente de produção: Mana Lobato
Direção de produção: Priscila Maia
Administração: Minotauro Produções Artísticas
Representação jurídica: Astronauta Produções Artísticas
Realização: SESC

SERVIÇO:

Onde estamos imersas
Temporada: De 08 a 18 de dezembro de 2022
Sesc Copacabana / Mezanino: Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana
Telefone: (21) 2547-0156
Dias e horários: Quinta a domingo, às 20h30.
Ingressos: R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia-entrada) e R$ 7,50 (associado do Sesc)
Lotação: 58 lugares.
Duração: 1h20
Classificação: 12 anos
Funcionamento da bilheteria: de terça a sexta, das 9h às 20h. Sábados, domingos e feriados, das 13h às 20h.

Total
0
Links
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ant
Exposição interativa “Arte Alerta”chega ao Rio de Janeiro

Exposição interativa “Arte Alerta”chega ao Rio de Janeiro

Em sua sexta edição, a exposição Arte Alerta inaugura em dois espaços no início

Prox
Sematary Radio anuncia lançamento de segundo álbum “From Depths of Oblivion” em dezembro

Sematary Radio anuncia lançamento de segundo álbum “From Depths of Oblivion” em dezembro

A Sematary Radio (Piracicaba – SP) iniciou suas atividades em 2020, tendo

Sugestões para você: