em , ,

Minha história com o personagem Conan, O Bárbaro

O terceiro volume de CONAN, O BÁRBARO, encerra a publicação dos textos originais do cimério no Brasil pela editora Pipoca & Nanquim, fecando com chave de ouro uma grande história de sucesso, contudo, o relacionamento do principal herói de Robert E. Howard com o PN vem desde muito antes dos livros.

Em particular, o Alexandre Callari nutre uma afeição longeva pelo personagem, que começou lá a época do primeiro filme, estrelado por Arnold Schwarzenegger, em 1982.

Neste passeio nostálgico você vai conhecer um pouco mais sobre essa história, em que relembramos não só as versões live action do cimério, mas também os primeiros quadrinhos e livros que chegaram ao Brasil, além de verificarmos como tudo isso foi capaz de influenciar gerações inteiras de fãs.

EDIÇÃO DO VÍDEO: Jessica Torlezi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

37 Comments

  1. Meu primeiro contato com Conan foi através do filme como ocorreu com Alexandre. Assim como Bruno, eu era bem criança quando tive o contato com os quadrinhos de Conan, lembro da arte do Buscema me impactar mas não gostei tanto das histórias e nem dos quadrinhos por ser preto e branco. Quanta tolice! Estou lendo o primeiro livro e lendo tb As Crônicas de Conan Bárbaro da Mythos com roteiro do Roy Thomas e arte de Barry Windsor Smith. Que personagem fantástico! Conan tem muitos fãs no Brasil! Faço parte de um grupo de WhatsApp de quadrinhos com gente do país inteiro, fizemos um dia especial de Conan. Caramba, que sexta-feira movimentada! Os textos do Howard são incríveis, a imaginação dessa era e seus reinos são apaixonantes. Parabéns pelo trabalho de vocês! E, parabéns pelo zelo com seus consumidores! Recebi minha caneca intacta dessa vez aqui em Brasília. Como é bom tomar café de manhã com ela acompanhado de uma boa HQ! 😆 👍🏻 Espero um dia conhecê-los pessoalmente como ocorreu ontem com Sydney Gusman em um evento de HQs na capital federal e trocar uma ideia com vcs! Abraço e boa semana!

  2. Até hoje não existe uma pessoa que tenha a mesma simetria muscular do Arnold. Inclusive no filme Terminator Genesys, parte a musculatura do exterminador jovem foi feita digitalmente e teve um processo seletivo estritamente rigoroso para achar um ator com uma simetria próxima a do Schwarzenegger. Sou grande fã do ator e do filme Conan, além de ser grande fã do PN. Abraço e sucesso!!!

  3. Tremenda história caras. Maravilha. Vou contar a minha com o personagem, brevemente. Em 1990, tinha 8 anos e quando meus pais saíram, pedi q trouxessem revistas em quadrinhos. Uma delas era a Esc 11 – A torre do elefante. Fiquei fascinado, maluco por aquilo. Essa longa jornada me trouxe até o trabalho de vcs. Obrigado por ajudarem a manter vivo o legado de Howard e de Conan no Brasil. Eu ia pedir q fizessem um vídeo explanando melhor o trabalho de Carter e De Camp, mas depois das críticas q fizeram a eles nesse vídeo, desisti hehehehe. Por fim, aguardo um vídeo sobre a republicação da Esc, quando a Panini lançar. Fiquem na paz. Abçs.

  4. Tenho uma história parecida com a do Alexandre. Meu pai colecionava a Espada Selvagem, ele tinha do nº 1 ao 100. Quando eu tinha uns 5 anos achei a coleção numa caixa velha e lia escondido, li todas, na vdd aprendi a ler com elas, lembro que fui o primeiro da minha sala a aprender a ler. Sem dúvida são as melhores HQ's que já foram feitas.

Audaz

Publicado por Pipoca e Nanquim

Banda de hard rock finlandesa Santa Cruz toca em São Paulo neste sábado

Wasp Network – Produção internacional do brasileiro Rodrigo Teixeira abrirá a Mostra SP