Pobre Warren Beatty. Ficou com a culpa do equívoco na cerimônia do Oscar 2017. Afinal, foi o veterano ator, junto com a atriz Faye Dunaway, que leu errado o anúncio de “La La Land” como vencedor da 89ª edição da premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood.

A gafe acabou roubando a cena da consagração de “Moonlight” diante do favoritismo de “La La Land”. Mas Beatty não se equivocou. Ele apenas recebeu um envelope errado, que trazia o prêmio de Melhor Atriz, que foi para Emma Stone, estrela do musical de Damien Chazelle. Era possível repara na hesitação do veterano ator, que passou o envelope para a colega para se certificar de que era aquilo mesmo. Parecia até que ele estava fazendo suspense. Sem pestanejar ela anunciou o nome do filme que estava ali escrito. De quem é a culpa então? Da PricewaterhouseCoopers.

A empresa de auditoria, uma das maiores do mundo, é a responsável pela organização e envio dos envelopes com os vencedores para a cerimônia. Esses envelopes são duplicados e enviados em duas maletas. As únicas pessoas que sabem do resultado são dois auditores, que ficam posicionados em extremidades opostas do palco. Cada um fica com os papéis que devem entregar e com as duplicatas dos que são entregues pelo colega. O erro se deu porque o auditor que deveria entregar o envelope com resultado de Melhor Filme, entregou a duplicata da categoria entregue anteriormente, Melhor Atriz. Daí a confusão. Com isso, o Oscar marcado pela diversidade (uma forma de a Academia de reparar a ausência de indicados negros do ano passado) vai ficar marcado para sempre como o da gafe na premiação principal.

Em comunicado, a empresa de auditoria assumiu toda a culpa. “Já estamos investigando como isso pôde acontecer e estamos profundamente entristecidos que isso ocorreu”. De certo a Price irá tomar cuidado redobrado com o procedimento do transporte dos resultados no ano que vem. Equívocos acontecem. Esse é o primeiro em 89 anos de cerimônia. Mas, é aquele ditado: melhor previnir…